Felicidade em Cápsulas

A tese do Peter Gotzsche é de que os psicotrópicos usados da forma como o são fazem muito mais mal do que bem. Eu creio que há espaço para as drogas no psiquiatria, mas tenho certeza do que o abuso de prescrições de medicamentos dessa área produz na civilização. Eu diria o mesmo da medicina aplicada ao nascimento humano: por certo que há espaço para a intervenção, mas o abuso é tão marcante que é difícil dizer o quanto de malefício ele já fez e faz para a fisiologia do parto.

O resultado, no que diz respeito ao parto, é que perdemos totalmente o contato com a realidade do nascimento. Perdemos seu odor, seu clima, sua temperatura e gosto. Nós, médicos, só conhecemos a sua representação, seu simulacro, sua imagem refletida na parede da tecnocracia. Continuando o raciocínio do articulista Dino Felluga, no seu artigo “Matrix: Paradigma do pós modernismo ou pretensão intelectual?”, “fizemos um roteiro tão assemelhado com a verdade que aquele se justapôs a esta. Hoje em dia, a realidade é que se desfaz por entre as linhas riscadas do mapa”. Mentimos o parto, falseando a natureza. Mais ainda: ao encobrir a realidade com as múltiplas capas da tecnocracia, fizemos desaparecer do horizonte a pureza da manifestação natural de um fenômeno corriqueiro que, de tão artificializado, que agora é o normal que causa estranheza.

Peter Gotzsche fala, em verdade, de uma indústria farmacêutica inserida no capitalismo que perdeu completamente os limites éticos. Os psicotrópicos se tornaram os “chá de Melissa” da pós modernidade, com a diferença que seus efeitos deletérios são muito mais graves e permanentes. Como eu disse, em mãos muito ciosas e cuidadosas podem oferecer benefício; entretanto, com o bombardeio de propaganda que vincula essas drogas à “felicidade encapsulada”, não basta apenas médicos conscientes, senão que nos fazem falta pacientes que tenham a proteção adequada para enfrentar o canto da sereia da BigPharma.

O problema não está na psiquiatra, na doença mental e sequer na droga: a crítica se concentra no uso abusivo das drogas psicotrópicas e seu efeito deletério em milhões de pessoas pelo mundo. Está muito clara a queixa no livro do Peter Gotzsche, o qual eu recomendaria, assim como recomendo igualmente o da Márcia Angell sobre a falta de critérios para a liberação de medicamentos e os estudos de baixíssima qualidade que os sustentam. Para muitos pesquisadores o problema é tão grave que a completa proibição de qualquer droga psiquiátrica produziria mais benefício do que malefício, tamanho é o estrago que podem causar em mãos pouco hábeis.

Não se trata de criminalizar a psiquiatria ou de estigmatizar a doença mental, mas olhar com cuidado especial a “drogadição legal” e a medicalização extremada da sociedade. O uso de Ritalina por colegiais americanos deveria nos servir de alerta de que há muitos anos ultrapassamos os limites do aceitável. Debater abuso de drogas prescritas é um dever de quem trata pacientes com o uso de medicamentos. Sei do cuidado que muitos médicos conscientes têm com essa questão e entendo a preocupação com os rótulos, mas isso não impede que o uso abusivo de drogas psicotrópicas tenha atingido níveis epidêmicos. Propaganda e uso descriterioso são as principais fontes desse problema.

Não é justo e nem necessário colocar o psiquiatra como “cruel” ou “abusador”. Pelo contrário: ambos, médicos e pacientes, são reféns de uma indústria gigantesca, poderosa, antiética e voraz. Em verdade, Peter Gotzsche também encampa esta minha tese: somos todos – pacientes e médicos – vítimas do capitalismo aplicado à saúde, com suas inquestionáveis consequências nefastas.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s