Pudor

Há alguns anos, quando a exaltação da imagem e da individualidade ainda engatinhavam na Internet (antes do Instagram), eu escrevi uma frase provocativa no Facebook. Apesar de ser um convite ao debate, foi uma frase sincera, já que sempre foi a minha real percepção: “De todas as qualidades femininas, a que eu mais acho atraente é o pudor”. Sim, eu sei, era para provocar e para transgredir, fazendo um percurso no contrafluxo da cultura.

Claro que muitas pessoas entenderam como um “conselho” para que as mulheres fossem “recatadas”, o que estava longe da verdade. Não se tratava de uma regra geral, uma prescrição ou uma análise de valor. Era tão somente o reconhecimento de uma característica minha, pessoal e subjetiva: o pudor é, para mim, atrativo. Pudor é sexy…

Entendo o pudor como a tendência a proteger a intimidade do indivíduo das invasões e dos comprometimentos. Na Grécia e Roma antigas, o conceito de pudor confundia-se com a modéstia, e para estas virtudes havia uma deusa, Aedos ou Aidôs. Em louvor a esta divindade existe um altar em Atenas e dois santuários em Roma. Ela – a modéstia – é uma das virtudes mais atacadas na modernidade, uma das mais desprezadas, sendo até confundida com falta de amor próprio. Para mim ela está mais bem representada na modéstia de Pitágoras:

“A modéstia de Pitágoras é muito sábia, pois que a profundeza e a dificuldade das verdades supremas, assim como a fraqueza da natureza humana, “escrava sob tantos pontos de vista”, são causa de que a sabedoria “não seja um bem recebido pelo homem a título de posse” ou de propriedade, isto é, um bem que ele possa empregar de modo inteiramente livre”. (apud Maritain)

O grande líder da Revolução chinesa, Mao Zedong, já nos dizia que “Só progride quem é modesto. O orgulho nos obriga a dar passos para trás.” Já o pintor e pós-impressionista francês Paul Cézanne mostrava que a modéstia, em verdade, nos aponta para a percepção de nosso lugar no mundo ao dizer que “A consciência da nossa própria força faz-nos modestos.” Por fim, o escritor e enciclopedista Charles Pinot Duclós escreveu que “A modéstia é o único esplendor que se pode acrescentar à glória. Ela é um véu transparente, que atrai e fixa os olhares”.

Acho interessante debater a modéstia em um mundo de exaltação individualista e diante dos debates que sempre surgem a partir dos enfrentamentos entre o ocidente e o oriente. Passei a pensar sobre os véus exatamente por esta perspectiva: o que é mais “moderno” e em consonância com a liberdade, expor-se para todos ou mostrar-se apenas para quem você mesmo escolhe?

Hoje em dia eu, ao percorrer o Youtube, vejo a manifestação de atores, subcelebridades, personagens da mídia e pessoas comuns manifestando a absoluta falta de reserva no trato de sua vida íntima. Vejam, não se trata de abordar qualquer assunto – como sexualidade, política, feminismo, liberdade, direitos humanos, etc – mas da exposição desabrida da SUA intimidade. Mulheres descrevendo de forma realista e pormenorizada suas relações sexuais, homens falando de suas funções orgânicas da forma mais grosseira possível em uma exaltação escatológica, gente descrevendo as relações familiares (muitas vezes abusivas) sem qualquer reserva, expondo seus ódios, suas fantasias, suas vergonhas e seus amores para o mundo. Sem nenhum pudor.

Confesso que este tipo de exposição me incomoda, mas não se trata de “proibir” ou mesmo de “condenar”. Posso saudar a liberdade que temos de fazer estas exposições, mas ao mesmo tempo questionar qual o sentido do absoluto despudor. A quem interessam estas manifestações que rompem totalmente os limites entre a vida pública e privada? Muitos, dirão, movidos pela curiosidade mórbida, a mesma que nos faz diminuir a marcha do carro ao passar por um acidente. Sim, mas que serventia tem essa abertura da vida íntima para quem se expõe? Além da fama fugaz, o que sobra de sujeito a ser desvendado quando não há mais nenhuma intimidade a ser desvelada?

Há alguns anos uma amiga me disse algo que me fez questionar minha posição sobre o “despudor”.

– Tenho um segredo que jamais contei para ninguém, e acho que não gostaria de morrer com ele. Posso lhe falar o que é?

Ela me contou o seu segredo, e o guardo até hoje. Entretanto, o fato de ser o guardião de sua história, algo que lhe produziu alívio e paz, me tornou muito mais próximo dela e de sua história. Fosse um relato corriqueiro, do conhecimento de todos, talvez não produzisse tamanha conexão. A modéstia, o pudor, a escolha precisa para quem se aventurar na exposição de suas coisas mais íntimas é o que produz essa sensação de ser especial para alguém.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s