Rabisco no Papel

Meu pai queria ser aviador, como seus amigos de juventude. Naquela época a estética dos garotos no pós guerra era imitar os aviadores americanos no estilo: o casaco de couro, os “combat boots” e no chiclete mascado de forma blasé. Ele pensou em estudar no aeroclube, mas era pobre demais para fazer o curso. Alguns de seus colegas mais abastados seguiram adiante e depois foram contratados pela Varig, onde fizeram carreira até seu fechamento.

Passei a vida escutando a descrição que ele fazia das “máquinas mortíferas” da segunda guerra: o Messerschmitt alemão, o Spitfire inglês, o Nakajima KI-84 japonês e o Mustang P-51 americano. Quando eu e meu irmão mais velho fazíamos aniversário ele nos dava modelos dessas aeronaves para “nós” montarmos. Era o sonho dourado da sua infância em pura projeção.

Na adolescência planejou ser um artista plástico. Desenhava muito bem, tinha um traço fino e gostava de desenhar formas humanas. Perguntei-lhe porque desistiu e ele explicou com a frieza que o caracterizava:

– Desisti porque me dei conta da minha mediocridade. Eu jamais seria um grande artista e creio que não conseguiria sequer sobreviver da minha arte. Fica para a próxima.

Apenas um quadro seu sobreviveu, e ele está comigo agora. Nós chamávamos o quadro jocosamente de “Brokeback Mountain de Osório”, e ele sempre ria britanicamente quando perguntávamos se continuava visitando seu amigo.

Uma vez, quando tinha 5 anos de idade e o vi desenhando, fiz um pedido a ele que até hoje me impressiona. Sei a idade que tinha pois foi na casa que morei até os 5 anos, em São Leopoldo. Meu curioso pedido foi:

– Pai, pode me desenhar? Mas não como sou agora, e sim como serei no futuro. Quando eu crescer. Pode?

Ele sorriu e começou a rabiscar. Depois de uns poucos minutos mostrou o desenho, feito com caneta Bic. Era um homem gordo, de cabelos volumosos e negros, rosto arredondado. Até hoje, quando lembro, me vem à mente a imagem do meu tio Ênio, ou do meu avô materno Olinto. Era assim que ele me via; imaginava que eu seria um Blumm, alemão, entroncado e forte, e não um inglês magricela e de boca estreita, como ele.

Fico feliz que ele pôde imaginar que eu seria alguém que herdou os traços da minha mãe e sua família. Hoje, eu daria qualquer coisa para olhar aquele rabisco mais uma vez. Gostaria de lhe dizer que fiz o máximo que pude para ser o homem da imagem desenhada. Tentei ser aprovado por ele, mesmo quando discordava. Sei que errei no cabelo, e muitas outras coisas – e ele também não imaginava que minha rebeldia seria tão marcante – mas é certo desde então ele já intuía a imensa admiração que sempre guardei por ele.

Onde você estiver, pai, faça um retrato de como eu vou ser quando ficar bem velhinho. Espero que o seu desenho de agora mostre alguém muito parecido com você.

Saudade….

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s