1984 é aqui

No clássico “1984” do escritor George Orwell – nascido em Motihari, na Índia britânica em 1903 – Winston, o herói da trama futurista, trabalha no Ministério da Verdade, um importante setor governamental que lidava com notícias, entretenimento, educação e cultura e era responsável por falsear documentos, livros, escritos e até a própria literatura, desde que pudessem se referir ao passado de uma forma que desagradasse o governo. A ideia das mudanças nesses escritos era fazer com que tudo correspondesse sempre ao que o poder central trazia como verdade. Assim, o Ministério da Verdade estava encarregado de alterar a história passada para conformá-la com a vontade de quem estivesse no poder. Uma forma de fazer isso era mudar o significado de palavras, através de uma linguagem e uma tática de atualização de significado chamada “Novilíngua”.

O que parecia um futurismo macabro hoje em dia é o que chamamos de “atualidade”. O que vemos na guerra da Ucrânia segue exatamente esse roteiro que o genial escritor britânico nos deixou como profecia há mais de seis décadas. O que vemos agora uma tentativa sistemática de apagamento da história, fazendo com que os inimigos de outrora sejam hoje amigos, e trazendo elementos linguísticos diferenciados para descrever o que antes era tratado de forma diversa.

Assim, os nazistas da Ucrânia agora são chamados “nacionalistas”; as derrotas – como a vergonhosa rendição em Mariupol – de “atos heroicos”, as esposas chorosas dos nazistas feitos prisioneiros de “pobres esposas pedindo pela vida dos maridos” – em verdade elas próprias orgulhosas militantes nazistas (vide clip abaixo do canal “The Dive” de 17/05/2022 ). A imprensa corporativa ocidental tenta desesperadamente converter as derrotas sucessivas em vitórias, manipulando consciências e fabricando consensos. Uma das mais ridículas tentativas foi o esforço de comparar os covardes nazistas que se esconderam na fábrica de Azovstal com os “300 de Esparta”, como se os fascistas que levaram a cabo o massacre no Donbass pudessem ter sua ficha passada a limpo com estes golpes de propaganda.

Foram necessárias poucas décadas da publicação do livro seminal de Orwell para nos darmos conta que os poderosos não tem memória – tem apenas interesses, que mudam o passado conforme sua vontade e suas necessidades de domínio crescente. O fato de a Ucrânia ter se nazificado, ter dado um golpe de Estado e ter colocado no poder um fantoche dos americanos e da OTAN em nada incomoda esses senhores da guerra. Se for necessário criar estátuas não apenas para Stepan Bandera e tantos outros colaboracionistas do nazismo, mas para o próprio Führer, haverá de lhes ocorrer uma maneira de limpar a imagem desses personagens para que a imensa massa de manobra do mundo ocidental passe a considerá-los como “combatentes valiosos” contra a “ameaça comunista” (e o fato da Rússia não ser mais comunista certamente não será impeditivo para quem pretende transformar nazistas confessos em cordeirinhos). Pior ainda é o tratamento dispensado ao comediante fantoche americano Zelensky, como se fosse um estadista, mesmo quando sabemos que sua ascensão ao poder veio na esteira dos golpes de estado da praça Maidan.

Ao tentar reeditar a história, o poder de comunicação do Império Americano mostra, mais uma vez, o caráter autoritário das ações em relação ao resto do mundo. Seguindo o roteiro orwelliano, este “ministério da verdade” que se ocupa de modificar a história pregressa para que se adapte ao gosto dos poderosos da OTAN, nada mais é do que a grande máquina de propaganda da Imprensa ocidental corporativa, corrupta, suja, dependente dos financiamentos dos grande conglomerados financeiros, das indústrias farmacêuticas, do Vale do Silício e da máquina de Guerra. Como se pode facilmente constatar, o livro de George Orwell é bem mais do que uma simples publicação, mas uma fonte encadernada de predições e profecias do que seria o futuro próximo. Um livro profundamente atual.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s