Arquivo da tag: Jessica Lange

Feras e outras histórias de amor

Há exatos 40 anos tomei um decisão radical para a qual estava me nutrindo de coragem por algumas semanas. Convidei meu “crush” (mesmo que naquela época não houvesse esse nome) para ir ao cinema. Quem sabe as condições de pressão e temperatura pudessem quebrar o gelo que emperrava a minha iniciativa.

Havia vários filmes para ver na cidade, mas o escolhido foi King Kong, uma mega produção da época dirigida por John Guillermin e estrelada por Jeff Bridges, Jéssica Lange e…. Kong. No escurinho do cinema e após vários drops de anis eu tomei a coragem necessária para pedir a menina em namoro. Mal sabia eu que toda a minha vida seria determinada pelas escolhas daquela noite.

Exatamente 4 anos e meio depois daquele encontro eu casei com a moça simpática de olhos verdes e sorriso reservado. Todavia, o que sempre me causou espanto foi o fato de que o script da nossa vida em comum seguiu o roteiro que pautou nosso primeiro momento.

King Kong é “A Bela e a Fera” com final trágico. Uma história de amor marcada pela incompatibilidade. Como Bela, na animação da Disney, Dwan começa como cativa do monstro e com o tempo desenvolve por ele ternura, apreço e, por fim, afeto genuíno. Mas, ao contrário de Bela, que tinha a chance de reverter a maldição da Fera com seu amor, Dwan esbarrava no limite intransponível das espécies distintas e incompatíveis. O fim do monstro simiesco só poderia ser a tragédia.

É assim que também vi a minha história. Eu sempre fui o monstro incapaz de conter a fúria e a indignação. Durante anos persegui meus ideais mesmo recebendo os ataques inevitáveis de quem não aceitava a visão crítica e dura que eu apresentava. Segurando minhas convicções como Kong se apoiava no mastro do Empire States, recebi os inevitáveis disparos que surgiam de todos os lados. Por muitas vezes, durante todos estes anos de luta, a única coisa que me ofereceu um tímido consolo era o brilho dos olhos verdes da menina tímida cuja história se iniciou naquela sessão de cinema. Como o monstro da história, eu acabei percebendo que até o final dos meus dias seria este o olhar a me oferecer a força para seguir.

Quatro décadas nos separam daquela sessão de cinema. Dois filhos, dois netos, centenas de partos, muitas dores, tristezas, decepções e alegrias foram divididas. Nunca imaginei que um ogro pudesse ter tanta sorte, algo muito além do seu merecimento.

Agradeço a Zeza a companhia pelos últimos 40 anos, que formaram o que sou. Desculpe ter sido o King Kong descontrolado e furioso, e obrigado por ser a Dwan que sempre me apoiou, em especial quando o meu mundo parecia ruir.

PS: para mostrar como sou um sujeito de sorte a alternativa para King Kong naquela noite de inverno há 40 anos era “Carrie, a estranha”.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

King Kong

No filme King Kong de Dino de Laurentis (Jéssica Lange e Jeff Bridges – 1976) a captura da fera se deu através de uma armadilha simples, porém engenhosa. Foi atraído para um buraco na floresta onde o gigante caiu ao perseguir membros da expedição. Logo depois foram jogadas “bombas soníferas” que liberaram um gás que o fez dormir. Corta a cena e vemos King Kong amarrado e imobilizado com grossas correntes no porão de um navio em direção à Nova York do início do século XX. Sua chegada à “esquina do mundo” serviria como rentoso espetáculo à uma sociedade ávida por produtos exóticos do “continente negro”. Corta de novo a cena para 2017. Minha mãe com 86 anos e com demência senil cai em casa e não consegue se mexer. Sente dor nas costas. Uma ambulância a leva para o hospital, depois de 4 horas de espera. Lá contata-se uma pequena fratura na vértebra lombar, e o tratamento deverá ser apenas repouso em casa. Após a liberação pelo traumatologista nos deparamos com duas possibilidades: aguardar mais 4 horas por uma ambulância que a levaria de volta para casa ou colocá-la no carro e levarmos nós mesmo. Escolhemos a segunda opção. Eu e meu irmão Marcus, auxiliados por dois enfermeiros, a colocamos esticada no banco de trás do carro. Minha mãe é miúda mas pesa 65 kg. Rodamos uma dúzia de quadras e chegamos na casa do meu pai. Tivemos uns 15 minutos de debates para escolher a melhor estratégia é decidimos por envolvê-la em um lençol e carregá-la assim até o elevador, cada um de nós segurando em uma ponta, enquanto meu pai, de 87 anos, ia abrindo as portas. Foi extremamente exaustivo porque a cada passo ela reclamava de dor e se sobressaltava. Depois de algum tempo conseguimos colocá-la na cama, dolorida, assustada e cansada. Nesse momento me veio à mente o filme que vi no dia 15 de julho de 1977, mas não me lembrei da beleza estonteante Jéssica, e sim da inquietude que tive ao sair do cinema. Depois de assistir ao filme fiquei com uma duvida que me segue até hoje. Como você retira um monstro de 30 metros de altura, desmaiado e mole, de dentro de um poço profundo e o coloca no porão de um navio, usando a tecnologia do início do século XX? Se carregar uma simples pessoa para fora de um carro foi um enorme e cansativo desafio, como seria possível dar conta desta tarefa? PS: para quem conhece a Dona Elba ela está bem, só precisa repousar. Foi apenas um susto.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Pensamentos