Fé inabalável

fé 03

E agora?

Eu achei que ele foi MUITO mais coerente do que ela…

Seus argumentos foram muito mais sólidos e precisos, mesmo carecendo de substância. Ela foi apenas indignação. Compreensível, mas desordenada. Aliás, ela ainda conseguiu ser mais arrogante do que ele. Entretanto, dentro da lógica específica que ele utiliza, que se baseia na observância cega de preceitos religiosos e uma leitura enviesada de textos “sagrados”, seus argumentos fazem sentido.

Minha pergunta é: como pode alguém ser condenado por desenvolver, disseminar ou abraçar uma crença, por mais estranha que possa parecer? Como pode alguém ser perseguido por acreditar que determinado comportamento, seja qual for, é deletério, baseado tão somente na sua fé? Como coibir uma visão discriminatória do mundo, que – mesmo que não estimule a violência – estabelece que determinadas condutas humanas são pecaminosas?

Tenho uma amigo meu que criou uma teleologia na qual a figura do anticristo (ou demônio) assume um papel preponderante, alinhado com as doutrinas dualistas contemporâneas. Mais além de ressaltar a figura de Satanás ele afirma que o anticristo JÁ teria nascido (ou reencarnado) e que escolheu a Argentina como país de nascença. Nosso vizinho do Prata seria a base de ação de sua doutrina e onde ocorreria a disseminação de seu anti-evangelho. Meu amigo não apresenta nenhum dado coerente para justificar essa crença, apenas sua fé cega nos “sinais” que captou do infinito cósmico. Criou, por sobre essa crença básica, uma série de entrelaçamentos fáticos que se correlacionam uns com os outros, fazendo sentido e lhe oferecendo confiança na correção de seus postulados.

Argumenta por sobre gráficos, coincidências de datas, signos, efemérides, números que se repetem. Se você reconheceu nessa descrição o filme “Uma Mente Brilhante”, meu caro amigo é uma espécie de equivalente tupiniquim do gênio da matemática John Nash. Para quem está dentro daquele sistema lógico, fechado e coerente, tudo faz sentido. Para quem está de fora, trata-se de uma confusão incoerente e inaceitável.

Se é possível criticar os postulados, com base em dados, fatos, ciência, observação e análise aprofundada das evidências, eu acredito ser impossível condenar alguém cuja crença o levou a pensar dessa forma. Portanto, não se trata de combater suas ideias, porque para a sua crença as críticas não fazem sentido, já que não levam em consideração sua lógica pessoal, subjetiva, e que se baseia em elementos irracionais.

Minha posição é de que uma CRENÇA não é passível de julgamento, pois que é fruto de uma visão pessoal e subjetiva do sujeito que a adota. Para que ela seja combatida, é necessário que ela se solidifique em AÇÃO. Desta forma, eu continuo acreditando que a autonomia para pensar de forma bizarra deve ser preservada, desde que respeite os limites estabelecidos pela lei. A liberdade de criar uma visão pessoal para o sentido do universo (se é que ele existe) é muito mais importante do que a correção dessas ideias. Afinal, o que nos parecia bizarro e incoerente até poucas décadas, agora estava sendo defendido apaixonadamente pela loira de olhos azuis…

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Os comentários estão desativados.