Lendas de Parto

venda-nos-olhos

 

A paciente chega no consultório muito sorridente e confiante para uma consulta de climatério. Beirando os 50 anos queria se preparar para a nova fase que se avizinhava. Depois de um bom tempo de conversa me conta de seu tesouro: suas filhas. Uma de 27 e outra de 24 anos. Dois partos normais.

– Naquela época era mais fácil parir, observa ela.

Concordo. Perguntei como foram os partos e ela, abrindo um largo sorriso de bochechas vermelhas, me relata:

– O primeiro foi mais demorado, mas muito tranquilo. Já o segundo eu internei muito cedo e meu marido começou a ficar preocupado. Ele não havia sido autorizado a entrar no centro obstétrico e também a mim a angústia pela separação parecia atrapalhar o andamento do parto. As contrações eram espaçadas e breves, pareciam não empurrar o bebê. Eu estava em uma enfermaria com várias outras parturientes, e senti que meu trabalho de parto havia parado. Meu útero estava tímido e constrangido.

– Sei como é. Os aspectos emocionais e psicológicos assumem uma total preponderância na hora do nascimento. Todo o processo é ilusoriamente mecânico e hormonal; em verdade ele é mental, afetivo e ocorre “entre as orelhas”, completei eu.

Ela continuou.

– Houve um momento em que meu marido ameaçou invadir o centro obstétrico caso não permitissem que ele entrasse. Gritou e esperneou, forçou a passagem, mesmo quando a enfermeira lhe explicou que havia “outras gestantes, portanto, seria indecente sua presença entre tantas outras mulheres seminuas“.

– Essa desculpa é usada até hoje, falei.

– Sim doutor, mas ele não aceitou a desculpa e exigiu me ver. Então a enfermeira chefe teve uma ideia conciliadora que ajudou a resolver o impasse.

– Posso imaginar qual foi, disse eu, sorrindo só de imaginar a solução encontrada.

– Exatamente doutor. Meu marido entrou no centro obstétrico conduzido por uma técnica de enfermagem e com uma… venda nos olhos, como um condenado!!! Quando eu o vi tomei um susto, mas fiquei feliz de finalmente encontrá-lo. Tirou a venda e pude ver seu rosto amarrotado de preocupação, mas tive a sabedoria de lhe devolver com um sorriso.

Depois de uma breve pausa continuou contando, até chegar na melhor parte da história.

– Pois o mais interessante aconteceu logo depois. Imediatamente após trocarmos um abraço eu tive uma contração muito forte, e depois outra e mais outra, e a enfermeira veio correndo dizer para fechar as pernas e ir para a sala de parto pois o bebê já ia nascer !!! Em poucos minutos tinha minha filha nos braços. Pode isso?

– Não parece ser uma coincidência, não é? perguntei.

– Não mesmo, Ric. Para mim ficou claro que, para minha filha chegar a este mundo, aquele encontro precisava ocorrer.

Sorri para aquela mãe orgulhosa e completei nossa breve conversa.

– Sim, você tem toda a razão… uma pena ainda não termos tão clara a importância do suporte afetivo para qualquer mulher que está atravessando esse desafio. Quem sabe um dia chegamos lá.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s