Tabus

Em uma comunidade que participo foram postadas as fotos do parto do homem trans realizado na água que rodaram o mundo. Por ser uma comunidade progressista o tema “trans” é bem recebido, especialmente porque dá destaque à liberdade e à diversidade. Boa parte dos integrantes se diz feminista. Apesar de encontrar manifestações de “estranheza” (da qual também fui acometido) não vi nenhuma posição debochada ou desrespeitosa sobre o tema nessa comunidade.

Entretanto, mesmo nas comunidades de esquerda, fica evidente por esta postagem que, mais do que a questão trans, o PARTO ainda é o tabu mais intenso e forte. Os comentários seguem a mesma trilha conhecida de culpar o nascimento – e sua configuração humilhante e dolorosa – pelo sofrimento das mulheres. “Degradante” foi a palavra usada, mais de uma vez.

Espero falar sobre isso nas lives que farei nos próximos dias. O discurso de muitas mulheres continua sendo a penalização de sua própria condição feminina, carregada como uma cruz e/ou uma maldição. As que tiveram partos fáceis – ou rápidos, indolores, suportáveis – creditam esse resultado à “sorte”, algum mistério genético ou metabólico que as protegeu de uma desgraça quase inevitável.

Quase ninguém ousa questionar o entorno, a atenção obstétrica ou a cultura que circunda, envolve e permeia a perspectiva dessas mulheres sobre o fenômeno do parto. O discurso se mantém inalterado, inobstante o viés de esquerda ou direita. O corpo das mulheres é defectivo, imperfeito e falho, responsável pelo tortura de parir.

A culpa continua sendo da natureza – misógina, cruel e insensível ao martírio feminino. Assim, fica claro que a luta pela humanização do nascimento não pode prescindir da educação das meninas (e meninos) sobre os significados últimos do feminino e do parto, para que a geração que agora chega possa ter uma compreensão mais profunda desses dilemas.

PS: mantive o nome das pessoas que se manifestaram porque não faço críticas às suas posturas – que são legítimas e sinceras – mas as utilizo com o um retrato da visão da cultura – em especial das mulheres – sobre a questão do parto contemporâneo.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s