Pedagogias

  • Ele chega cabisbaixo, choramingando e visivelmente irritado.
  • O Pedro está me chamando de burro!!
  • Saia de perto do seu irmão, António.
  • Mas ele me chamou de burro e feio…
  • Você não deve brincar com ele agora. Qual sua dúvida?
  • Mas eu não quero que ele me chame assim!!!

Nesta cena banal e corriqueira se encerra uma escolha essencial entre duas abordagens pedagógicas, e quem já teve filhos pequenos poderá entender bem qual é. Pedro, nessa história é o protagonista, mesmo fora da cena. Ele inseriu o fato novo, a acusação, a provocação. Antonio reage e se coloca na defensiva. Procura um juiz para interceder. Existem duas possibilidades. Uma exógena e outra endógena.

A opção “exógena” faz você sair do que está fazendo e tratar a acusação em si. Chama Pedro, lhe dá um “pito”, diz para não chamar seu irmão assim, coloca-o de castigo. Todavia, esta estratégia exalta o fato, valoriza-o, empodera a acusação e aceita o protagonismo de Pedro. A tentação de “inticar” com o irmão, fazer tudo de novo e voltar a ser o centro das atenções é, via de regra, irresistível. Pedro, depois de tanta exaltação, voltará a ser protagonista

A opção “endógena” é muito mais difícil, complexa e custosa, e só pode ser feita quando as crianças já têm algum tipo de maturidade. Ela se baseia em refutar a acusação, desmerecer a ofensa e retirar Pedro de sua posição de protagonismo. Ao invés de uma atitude protetiva para António – que o coloca na confortável posição de vítima – a abordagem será desmerecer as acusações, tratando-as como sendo carentes de sentido. Com isso, Pedro deixa de ser o centro das atenções, sua fala perde valor e sentido e o processo de resolução vai ocorrer endogenamente, no reforço da auto estima de António.

  • O Pedro está me chamando de burro
  • Você não é burro, António.
  • Mas ele me chamou de burro e feio.
  • Você não é nenhum dos dois. É lindo e esperto. Qual sua dúvida sobre isso?
  • Mas eu não quero que ele me chame assim!!
  • E você vai dar atenção ao que os outros dizem ou vai acreditar no que você mesmo sabe?

A questão é que esta matriz de reação se mantém durante toda a vida, em especial durante a vida adulta, quando continuamos nos posicionando diante dessas escolhas. Por certo que o modelo exógeno é o único que temos quando somos muito pequenos e precisamos da proteção alheia. Já o modelo endógeno se inicia quando somos capazes de reforçar nossas próprias capacidades ao invés de depender do suporte dos outros.

Quando vejo reações defensivas aos ataques do “outro lado”, seja ele qual for, meu primeiro pensamento é “humm, sentiu o golpe“. A defesa de si mesmo, ou de suas ideias, diante de qualquer ataque demonstra essencialmente fragilidade e falta de confiança. É o menino que corre para a mãe ou o pai quando chamado de “feio”. O que ele pede é um abraço e alguém que lhe afirme suas qualidades, quando ele mesmo se sente impotente para isso isso.

Assim, o modelo “exógeno” funcionará em curto prazo e para quem está – ou é – muito frágil, mas o modelo “endógeno” será sempre mais efetivo para estabelecer o crescimento e a autoestima, seja de sujeitos, ideias, projetos ou revoluções.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s