Dor do Parto

Analise a mensagem no cartaz ao lado e pense em seus significados. Sempre carreguei comigo esta curiosidade: alguém poderia explicar para mim o que exatamente é uma “unidade de dor”. Que aparelho mede isso? Gente, essas medidas são fantasias, uma tentativa ingênua de transformar dados subjetivos em unidades mensuráveis. Medir uma “unidade de dor” é quase tão ingênuo quanto avaliar “unidades de paixão”, “unidades de raiva” ou “nível de te(n)são”. Estas variáveis poderiam no máximo ser avaliadas em um mesmo indivíduo (e ainda assim seriam afetadas pelas emoções, contextos, circunstâncias, etc.), porém jamais entre duas pessoas diferentes em sua história e estrutura psíquica.

Essas medidas são pura imaginação descontrolada. Não deveríamos disseminar esse tipo de informação distorcida. Dor é um valor subjetivo, pessoal, único e não mensurável. Não há como comparar a dor de alguém com a dor de outro indivíduo, ou um tipo específico de dor com outra dor. As dores são sentimentos, envolvidos com fatores emocionais, e não apenas sensações químicas e neurais. Não existem dores puras em corpos simbólicos e erotizados.

Além disso, o parto pode ser um evento absolutamente INDOLOR para algumas mulheres. Em populações originárias o que chamamos de “dor de parto” sequer leva esse nome. E digo mais: as mulheres tem valor por serem humanas, dignas e respeitáveis tanto quanto os homens o são. Comparar dor de parto – algo tão subjetivo quanto gostos e preferências pessoais – não ajuda as mulheres e apenas sacraliza preconceitos e mitos.

E não garante nem biscoitos…

Este tipo de ideia, na cabeça de uma menina, pode produzir a imagem de que o parto só ocorre através de dores insuportáveis, dilacerantes e desumanas, deixando claro que apenas masoquistas e heroínas deveriam se submeter a elas. Será que é essa a ideia que desejamos transmitir às garotas sobre os desafios do parto?

A comparação da dor do parto com ossos quebrados e a mensuração da dor por “unidades de dor” é puro delírio e prejudica a compreensão que temos do parto e as leis que o regulam.

Fundamentalismo, em verdade, é acreditar no “mito da dor sobre-humana”, do “sacrifício”, da fantasia do “sofrimento insuportável para dar a vida aos seus filhos”. Isso sim é um fundamentalismo cultural baseado no “mito do amor maternal”, e está baseado num essencialismo que deve ser evitado e combatido. Uma mulher que não teve filhos – por escolha ou contingências – ao ler esse texto pode se achar menos digna, porque nunca passou pelo teste de coragem e de sacrifício das outras. Isso é cruel e injusto.

Não é correto acreditar que o questionamento e a visão crítica de mitos e ideias errôneas significa ser extremista. Não… Eu sou RADICAL, palavra derivada de “raiz”, na medida em que questiono os fundamentos, as raízes desses modelos patriarcais impostos às mulheres para garantir a elas posições estanques na sociedade, impedindo-as de questionar as outras inúmeras posturas e lugares que podem ocupar.

Entendam… esse texto DEPÕE contra as mães. Falseia a realidade, cria pânico em meninas, produz confusão conceitual e deseduca quem quer se aproximar do tema do parto e do nascimento.

Não há desculpa para usar medidas falsas ou as fantasiosas “unidades de dor”. Não duvido que a intenção do texto seja valorizar as mulheres, mas tal escolha não é correta pois se assenta em dados absurdos que não valorizam as mulheres pelo que verdadeiramente são: seres completos, dignos e complexos, cujo valor não pode ser medido tão somente pelo suposto sacrifício de suportar dores acima dos limites humanos. Depois de trabalhar 40 anos com gestantes não é possível olhar para este tipo de informação e ficar impassível.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s