Intervenção intempestiva

Mas afinal, porque o parto sofre tantas intervenções na obstetrícia contemporânea?

É impossível analisar a importância da episiotomia na cultura ocidental sem levar em consideração a emergência da medicina no cenário da atenção e nos cuidados com o parto contrapondo-se à parteira no início do século XX. Para eliminar as parteiras do cenário do parto e tomar para si o cuidado do parto e nascimento fazia-se necessário convencer a sociedade dos perigos terríveis do parto quando deixado à própria sorte ou sob o cuidado das próprias mulheres – mães e parteiras.

Assim, era necessário fazer valer suas técnicas cirúrgicas exclusivas que visavam curar ou consertar um corpo entendido como defectivo. Toda a obstetrícia surge dessa elaboração ideológica que passa a entender as mulheres como intrinsecamente incompetentes e defectivas para as tarefas do parto. Como consequência, a obstetrícia expropria o parto e o nascimento das mulheres – os médicos passam a “fazer” os partos – domesticado sua potencialidade selvagem, por entender necessário impor às mulheres a realização de infinitas intervenções técnicas para deixar esse corpo – defeituoso, mal feito, fraco e perigoso – mais afeito ao nascimento seguro dos bebês, produtos sociais que usam as mães como contêiner temporário.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s