É possível mudar?

Eu não levo muita fé na pretensa mudança da essência profunda do sujeito. Estas são características basilares e formativas que não podem ser mudadas pelo simples confronto com a realidade. Acho difícil – quiçá impossível – as pessoas mudarem os princípios e o caráter; elas mudam tão somente os detalhes da forma, o embrulho que envolve sua estrutura de afetos. O caráter reacionário de Vargas Llhosa estará presente em sua obra, mas ele não precisa aparecer de forma explícita e sim camuflado, como os preconceitos de tanta gente que conhecemos. O racismo de Monteiro Lobato aparece em sua obra, apesar de ser um racismo diferente daquele que vemos hoje, há que contextualizar. Mas estava lá, desde sempre.

As vezes, na juventude, podemos deixar o brilho de algumas ideias mascararem nossa índole, mas na maturidade elas voltam. Reinaldo Azevedo foi trostskista na juventude, e muito reacionário que conheço costuma dizer “até já votei no PT” querendo nos fazer crer que “a maturidade os fez mudar”. Reinaldo nunca foi de esquerda e o voto no Lula de alguns conhecidos meus – se realmente ocorreu – foi por outras razões, e não por uma adesão ao ideário da esquerda.Essas experiências da juventude foram apenas arroubos para produzir outros efeitos até inconscientes (tipo contrariar um pai conservador ou impressionar uma garota de esquerda) mas jamais uma escolha definitiva e plenamente consciente. Confio mais na estabilidade dos valores do sujeito, algo que se forma do nascimento até o fim dos primeiros mil dias.

Deixo aqui uma pergunta: alguém acredita que o Lobão algum dia foi genuinamente de esquerda (para além das aparências e do discurso), maturou sua compreensão da realidade e hoje é esse reacionário icônico? Pois, pela minha tese, a fase “esquerdista” do Lobão era apenas um sintoma, uma forma de dar conta de elementos inconscientes que circunstancialmente o atormentavam.

Isso me lembra uma velha piada.

Um sujeito entra numa mecânica e pergunta ao sujeito deitado de costas embaixo de um fusca.

– O senhor tem leite?

O mecânico olha pro sujeito e diz secamente: “Sr, isso aqui é uma oficina. Vá incomodar outro!!!”

Ele dá de ombros e sai da oficina. Anda alguns metros e para na frente de uma borracharia. Chama o borracheiro e repete a pergunta:

– Por favor, o senhor tem leite?

O borracheiro olha o sujeito de cima a baixo e responde ainda confuso, de forma ríspida: “Isso aqui é uma borracharia. Temos pneus e câmaras. Só isso. Caia fora”.

O nosso herói segue seu caminho mais adiante até parar em uma loja de brinquedos. Abre a porta e faz mais uma vez a pergunta que resume sua busca:

– Por favor, a senhora por acaso teria leite?

A velha senhora, atendente da loja, educadamente explica que na loja não se vende leite e que ali só havia brinquedos, caso desejasse comprar algum ela teria prazer em lhe mostrar.

O senhor então dá de ombros, não diz uma palavra e sai da loja. Anda alguns metros e senta-se no meio fio da calçada. Coloca a mão no bolso do casaco e tira uma pequena garrafa de cachaça. Olha para o céu, suspira e exclama:

– Deus é testemunha do quanto eu tentei.

Para muitos de nós estas são buscas falsas. É o caso do cara que desiste da analise porque o analista é separado, ou chegou atrasado, ou não sorriu da sua piada. Na verdade, a confrontação com sua alienação era o real motivo da desistência. Somos pródigos em dar desculpas e produzir autoenganos, para satisfazer um superego cobrador.

Lobão bem que se esforçou para ser de esquerda, mas diante da primeira dificuldade da práxis política ele voltou para onde sempre esteve mais confortável.”

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s