Arquivo da tag: mudanças

Poderes

Verdadeiras mudanças só ocorrem quando há transferência de poderes. Como em uma balança, para produzirmos equilíbrio é necessário que algum peso seja retirado de um lado e colocado no outro. Isso significa que alguém que se acostumou com impunidade e poder desmesurado terá de abrir mão de seus privilégios para que os desfavorecidos tenham espaço e voz. Esta mudança nunca ocorre através de concessões ou gentilezas, mas apenas com pressões e lutas. Esperar que os poderosos ofereçam algo graciosamente é uma ingenuidade de profunda força destrutiva.

No parto e nascimento – por fazerem parte da vida sexual das mulheres – todas as forças sociais profundas entram em conflito. Ali se vê a significância da estrutura patriarcal em sua expressão mais crua e, da mesma forma, não há como encarar estas disputas por espaço com ingenuidade. Todas as conquistas das mulheres na arena do parto precisam ser conquistadas e jamais serão ofertas generosas. É fundamental que as mulheres tenham consciência da necessidade de lutas coordenadas para terem seus corpos e suas decisões respeitadas.

O empoderamento e a autonomia das mulheres no parto só existirão numa nova economia de poderes, porém quem o perde não o aceitará de forma suave e tranquila e quem o ganha deverá aprender a usá-lo de maneira honesta e digna.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Pensamentos

Silêncio

– Não, Petra, você está enganada. Não há paralisia neste silêncio que paira no ar. Não confunda com apatia a mudez da tempestade que antecede o trovão. Em verdade esse vazio nada mais é que a reverência da vida ao estrondo das mudanças inevitáveis.

Karl Batterman, “The Neverending War”, ed. Capri, pág. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Unanimidade

“Unanimidades são a marca indefectível da mediocridade. Se você faz algo realmente marcante e significativo deverá ameaçar uma legião de pessoas que resistem à mudança que você representa. Não desista pelas críticas ferozes que recebe. Analise seus objetivos com franqueza, refaça seus caminhos se necessário e siga adiante com sua missão.”

Jeremy Ash, “A tree is not a chair”, ed. Pergus pág. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Aventurar-se

mochileiro1

Muitas pessoas que conheço fizeram o árduo percurso de abandonar suas vidas insossas em busca do prazer e da realização pessoal. Largaram facilidades ou carreiras para se dedicarem a uma grande paixão. E isso não é uma opção de “riquinhos” ou “playboys“, mas de pessoas que valorizam suas experiências pessoais acima dos valores mundanos, como dinheiro ou “sucesso”.

Eu fiz esse caminho, mas o desaconselho a todos os desavisados que me perguntam se vale a pena segui-lo. Não estimulo que ninguém embarque nessa trajetória, até porque “quem disse que a chegada é o prêmio maior, e não o próprio caminhar?“. Uso dessa estratégia porque buscar sua própria realização só tem sentido se for natural, e quando essa for a única saída nobre para quem se aventura na busca pelos altos fins de sua existência. Não se força uma opção radical como essa; ela precisa ser livre e espontânea.

O que é preciso entender é o tipo de “escolha” que foi realizada pelo sujeito. Podemos pensar, erradamente, que todos os que escolhem a paixão e a realização pessoal tem “fontes alternativas de renda“, ou um “lugar quentinho para voltar“. Para isso precisamos acreditar, como única possibilidade, o estereótipo do playboy que ganha mesada e cria uma banda de rock para “fazer o que ama”.

Não é verdade, e esta generalização é pobre e injusta; muitos visionários arriscaram TUDO pelos seus sonhos. Albert Schweitzer é um bom exemplo, Nietszche também. Freud abandonou a “medicina” (queria se dedicar à neurologia), e a possibilidade de um trabalho tranquilo e estável com seu mentor Breuer, para se aventurar na Salpetriére com Charcot e estudar as histéricas. Dessa opção pela aventura no desconhecido pariu-se a psicanálise, e descortinou à humanidade os mistérios do inconsciente. Entretanto, Freud com 40 anos não tinha um mísero tostão no bolso, e apesar disso apostou na força que o impulsionava a seguir suas ideias.

Acreditar que é preciso aceitar a mediocridade de seus horizontes é um péssimo guia para a vida. Somos feito da poeira multimilenar das estrelas, e por isso mesmo fomos criados para brilhar. Se é preciso adaptar-se às contas, impostos, dívidas e dias de chuva, mais necessário ainda é exigir de si um compromisso com a paixão e o sonho.

Sem isso somos apenas corpos caminhantes, desprovidos de alma.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos