Dinheiro

Falso dilema. O dinheiro REALMENTE não compra a felicidade, mas dizer isso NÃO significa romantizar a pobreza, e tão somente reconhece que o dinheiro se relaciona aos desejos, os quais são infinitos por definição. Boa comida não é felicidade, apesar de nos propiciar momentos felizes. Pobreza é carência material no nível das “necessidades”, e para eliminá-la pouco dinheiro se faz necessário. A frase que mais bem sintetiza esse conflito vem de Sêneca: “A pobreza não surge pela carência dos recursos, mas pela profusão dos desejos”. Assim, quem muito deseja, muito sofre.

Para não se romantizar a pobreza acabamos seduzidos pelo seu antípoda e romantizamos o dinheiro, como se a riqueza material fosse capaz de dar conta da angústia essencial humana. O número gigantesco de milionários infelizes, adictos ou autocidas, cuja miséria humana se constata no vazio existencial que cultuam no seu mundo cercado de dinheiro e posses, mostra que a capacidade do dinheiro em produzir completude e felicidade é limitada – e talvez inexistente.

Já tive muito dinheiro e hoje tenho uma vida modesta. Não vejo nenhuma diferença de qualidade entre as vida que tive. Em ambas recordo os encontros e todas as coisas gratuitas que a vida me proporcionou. Tenho como ideia de que “todas as coisas na vida realmente valiosas são gratuitas”. O olhar do seu amor, o nascimento dos filhos e dos netos, as conversas com meu pai, o almoço com minha mãe, as brincadeiras com meus irmãos, as piadas, as histórias; todas lembranças feitas de encontro e convívio. Todo o resto, aquilo que pode ser comprado, não me traz nenhuma memória afetiva superior às coisas simples da vida.

Uma vez convidei um amigo para viajar à Europa comigo. Ele estava muito deprimido e declinou do convite. Diante da minha insistência respondeu: “Para quem está deprimido a beleza de Paris desaparece, seu encanto se esconde por detrás da tristeza e do amargor. De que valeria tanto brilho para uma alma incapaz de sentir sua luz?”

Uma pergunta sincera: vale a pena investir no enriquecimento e morrer de cirrose ou infarto aos 40 anos? Com a família destruída e os filhos se matando pela herança? Cheio de amores falsos e interesseiros? Vivendo de aparências? Colocando valor em coisas e objetos ao invés de afetos e relações? Sabendo que todos à sua volta valorizam o que você tem é não quem você é?

Bem… isso se chama romantizar o dinheiro, acreditando numa potencialidade falaciosa que lhe garantiria a compra de algo que – em verdade – não se pode comprar.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s