Arquivo da tag: antissepsia

Reescrever a história do planeta

Primeiramente, vamos deixar claro que concordo com a recente entrevista do Roda Viva com o biólogo Ítalo Iamarino sobre o Covid19, especialmente pelo reforço da ciência diante do ataque insistente do obscurantismo bolsonarista. Todavia, minha única crítica à entrevista do biólogo é que, apesar de reconhecer as origens da pandemia – a insensata e violenta intervenção humana sobre a natureza – ele acredita que a resposta para a humanidade será através de MAIS intervenção tecnológica, na famosa equação do “Punch Theory”, onde o primeiro impulso é nossa ação destruidora sobre o mundo natural e os impulsos subsequentes atuam no sentido de consertar os estragos iniciais, porém sem questionar sua origem com a profundidade necessária.

Evidente que a resposta para a EMERGÊNCIA de agora será tecnológica, mas para evitar que sejamos atacados eternamente por tais ameaças virais a resposta poderia ser outra, muito diversa em sua essência.

Parece que continuamos presos no mesmo paradigma de mais de um século: estamos cercados por seres vivos maldosos cujo único sentido na natureza é destruir os humanos. Darwin se revira na tumba cada vez que alguém fala desse antropocentrismo cafona.

Para ilustrar essa ideia a imagem que me vem à mente é, obviamente, a do parto. Acreditamos que a solução para os transtornos do parto é MAIS intervenção tecnológica: hospitais, drogas, leitos de UTI, cirurgias, antissepsia, antissépticos, antibióticos e profissionais altamente treinados em patologia. Porém, a experiência nos prova que o afastamento sistemático e insidioso da natureza do parto produziu a maior parte dos distúrbios que hoje testemunhamos. Desta forma, nos transformamos em técnicos especializados em consertar os problemas criados pela nossa própria atuação inadequada.

Ao invés de investir pesadamente na proposta de REVER e REESCREVER o roteiro da nossa atuação junto à natureza, parece que ainda não nos convencemos que o verdadeiro vírus destruidor deste planeta somos nós mesmos.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Política

Semmelweis

Ignaz Philipp Semmelweis, o herói que enfrentou sua corporação para salvar as gestantes.

O chefe de Semmelweis na Clínica Obstétrica do Hospital Geral de Viena era o Dr. Klin, que Ignaz considerava “o mais idiota de todos os homens“. Foi ele quem o demitiu após receber em mãos os documentos que mostravam o sucesso de sua política de obrigar os médicos a lavarem as mãos numa bacia colocada na frente da porta de entrada da sua enfermaria. Em um mundo pré Pasteur, que ainda acreditava que as infecções eram determinadas pela direção do vento (entre outras hipóteses), esta ação parecia grosseira e ofensiva aos olhos de seus colegas.

Semmelweis foi duramente perseguido por suas pesquisas sobre o agente causador da febre puerperal e pelas suas conclusões de que os “miasmas” causadores da febre vinham das mãos dos próprios médicos, que levavam os eflúvios da “matéria morta para a matéria viva”. Essa “iluminação” surgiu após a morte de um querido colega patologista causada por um corte no dedo ao realizar uma necrópsia.

“A matéria morta transmite um elemento mórbido à matéria viva através das mãos”, observou Semmelweis. Essa visão da etiologia por trás da morte de mulheres no puerpério o levou a determinar condutas de antissepsia aos médicos da enfermaria que foram por eles consideradas “radicais” e desrespeitosas.

A conduta de obrigar seus colegas à lavagem das mãos em uma bacia com ácido clórico causou primeiramente escárnio e deboche, e posteriormente furor e indignação. Sua condição de húngaro trabalhando como médico no coração do decadente Império Austro-húngaro o colocava na delicada posição de “estrangeiro”, um incômodo invasor, assim visto pela elite vienense em face das aspirações independentistas de boa parte da população da Hungria. Ele não conseguiu viver para testemunhar o que finalmente veio a ocorrer algumas décadas depois, com a morte do Rei Ferdinand em Sarajevo e a eclosão da I Guerra Mundial, que finalmente fragmentou o império austro-húngaro.

Por suas ideias inovadoras sobre a etiologia da febre puerperal e sua condição de “estranho no ninho” na Viena do final do século XIX, ele foi impiedosamente atacado, perseguido e por fim demitido, sendo obrigado a voltar para Budapeste, sua cidade natal, mesmo diante da comprovação da justeza de suas propostas, que levaram à queda vertiginosa da mortalidade materna na enfermaria dos médicos, igualando-se à mortalidade encontrada na enfermaria contígua, comandada pelas enfermeiras.

Associe-se a estas circunstâncias o gênio explosivo e irascível de Semmelweis e temos a imagem perfeita do gênio que virou mártir. Sua personalidade marcante e indômita acabou levando-o à loucura, ao confinamento em um sanatório e à morte prematura por infecção e sépsis, a mesma condição que havia levado ao óbito seu querido amigo Koletchka e que o fez entender a causa infecciosa das febres mortais das puérperas.

Semmelweis ficará para sempre para a história da medicina como o exemplo de coragem, o senso de propósito, a fidelidade às ideias e o compromisso com seus pacientes, mesmo sabendo do preço violento a pagar pela sua determinação em mostrar a verdade.

Hoje em dia ninguém sabe quem foi Klin, mas todos sabem do gênio húngaro que salvou milhões de gestantes pela sua teoria infecciosa da febre puerperal, finalmente entendida como doença iatrogênica de contágio.

Nesses tempos de Corona vírus é sempre bom lembrar que um dos maiores heróis da medicina ofereceu a própria vida em nome de suas ideias e lutou incansavelmente para proteger seus semelhantes.

Veja mais aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Pensamentos