Arquivo da tag: capitalistas

Capengas

William Waack – aquele do comentário racista – afirmou que a ideia expressa por Lula “quem produz é o empregado, não o empresário” foi derrubada há mais de 50 anos. Eu pergunto: quem derrubou isso? Por qual decreto? Qual a lei da produção capitalista foi revogada sem que tenhamos sido informados? Quem é William Waack na fila do pão das teorias do trabalho e capital?

Em verdade o que vem caindo insidiosamente no último meio século é a ideia romântica do empreendedor, do desbravador, do “self made man”, do sujeito que “veio de baixo”, que cria empregos e oferece graciosamente às pessoas, visando o progresso das comunidades. O que desaparece lentamente é a visão desses capitalistas como vetores de progresso e desenvolvimento capitalista, e de que eles seriam a prova da “diferença essencial” que justifica a sociedade de classes. É esse personagem de ficção, montado através dos gigantescos sistemas de propaganda, que está aos poucos erodindo do imaginário social.

O episódio das Lojas Americanas mostra o quanto esses mega empresários não se importaram em levar à falência inúmeras pequenas empresas e seus próprios empregados, maquiando criminosamente balanços da empresa para conseguir mais lucros para si mesmos – sempre às custas da miséria alheia. Mostra também que não passam de aproveitadores, exploradores, cuja única qualidade é o acúmulo de capital.

Sujeitos de moral cambaleante, não tem qualquer pudor em desmerecer o país que produziu o lucro que os enriquece e beneficia, tratando esta nação como um sub-país condenado eternamente à condição de vassalo ou figurante no espetáculo das nações. Beijam as botas do imperialismo sem nenhum pudor, tratando os cães raivosos do capitalismo destruidor como vestais, uma raça superior, onde impera a justiça e a competência. Não se incomodam de se ajoelhar aos senhores do mercado mundial, nem que para isso acabem mostrando suas lustrosas bundas para todos nós.

É chegado o tempo de enxergar esses exploradores como verdadeiramente são. Não passam de abusadores, acumuladores, moralmente capengas, socialmente irresponsáveis e criminosos. É hora de responsabilizá-los pelo mal que fazem ao desenvolvimento do País.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Política

A esquerda que não aprende

Ontem (11/08) ocorreu a leitura da “carta pela democracia“, que foi lida em mais de 20 capitais do país, numa festa pelas liberdades democráticas. Entretanto cabe a pergunta: que democracia é esta que os participantes desejam? Que tipo de manifestação recebe apoio da USP, através do seu Reitor Carlos Alberto Carlotti, Telma Andrade, a secretária da CUT, a representante das lutas antirracistas Beatriz Lourenço Nascimento e muitos militantes de esquerda, mas também Blairo Maggi (homem forte do agronegócio), Guilherme Peirão Leal (o presidente da Natura), Eduardo Vassimon (banqueiro ligado ao BBA), Horácio Piva (da Klabin), Walter Schalka (da Suzano), Roberto Setúbal (do Itaú), Pedro Moreira Salles (da Febraban) e muitos outros bilionários que abrilhantaram com suas fortunas o manifesto lido ontem em nome da democracia e das liberdades constitucionais.

Com esta pluralidade de integrantes cabe a pergunta, que nos parece mais do que natural, mas necessária: a que tipo de “democracia” se referem estas personalidades? Como podemos imaginar que a mesma democracia seja defendida pelos trabalhadores, antirracistas, representantes da universidade e ao mesmo tempo por banqueiros e industriais bilionários que controlam o país e o mantém como eterna esperança de “nação do futuro”?

A resposta triste é que sobra um ilusório fervor patriótico onde falta consciência de classe. A democracia que serve aos banqueiros e industriais não pode ser a mesma que anima a militância de esquerda, pois para aqueles a democracia é o respeito aos seus privilégios intocáveis, enquanto para esta existe o desejo de que as riquezas imensas desse país sirvam para melhoria de vida de sua população. Esta democracia liberal, que interessa à classe burguesa e que acredita nos mecanismos eleitorais para a solução dos grandes dilemas nacionais, não pode ser a motivação da classe trabalhadora. A realidade não nos permite ter dúvidas quanto à potencialidade limitada dos mecanismos eleitorais e representativos para suplantar o capitalismo no Brasil. Mesmo os governos progressistas do Partido dos Trabalhadores, que operaram transformações mínimas na questão da distribuição de renda, se mostraram insuficientes para debelar a tragédia da exclusão, e bastou a chegada de um maníaco à presidência – através de um claro golpe institucional e midiático – para que as conquistas tímidas da esquerda fossem jogadas no ralo.

É necessário que as esquerdas percebam o quanto estas “cartas”, “abaixo-assinados”, “marchas pela paz” e “manifestos” são inócuos para os donos do poder. Tais manifestações servem como “cortina de fumaça”, uma fantasia de democracia para esconder o corpo disforme da tirania. Funcionam como a representatividade negra na cultura, que exalta personalidades e exibe uma “face de diversidade”, mas que jamais desafia o modelo de exclusão que nos atinge através de um rígido sistema de classes que serve se presta à acumulação de dinheiro e poder.

As armadilhas e arapucas da democracia liberal precisam ser expostas e denunciadas. Não há como compor com banqueiros e industriais, pois que os seus interesses são antagônicos àqueles das classes operárias e da imensa maioria da população brasileira. Abandonar a ilusão de uma “frente ampla” com a burguesia é um passo à frente na plena consciência de classe, elemento importante e essencial para as lutas de libertação.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Política

Ainda sobre oligarcas

O texto que escrevi sobre o sistema escolar americano, tocava em um ponto de simples compreensão: a oferta “espontânea” da comunidade para a melhoria da escola do bairro, onde seus filhos estudam. Contribuições (doações) em dinheiro para o aparelhamento de laboratórios, bibliotecas, quadras esportivas, etc. Nada é pedido em troca, mas é claro que se puderem colocar uma placa de agradecimento ao benemérito, ou batizarem a quadra poliesportiva ou a biblioteca com o nome do doador, que mal pode haver? Afinal, uma escola pública que homenageia alguém que lhe oferece dinheiro (cuja origem não lhe cabe perguntar), não deve ser ruim, né?

(Não duvido que existam bibliotecas financiadas por “Jeffrey Epstein”, “Bill Cosby” ou “Harvey Weinstein” que agora se ocupam em apagar o nome na placa…)

Bastou escrever este texto, baseado em uma experiência pessoal, para os liberais atacarem essa ideia dizendo que eu criminalizava a “caridade”, e que estas doações eram uma ideia genial para a participação efetiva da comunidade na educação. Um deles chegou a dizer que “o texto era tão ruim que não conseguiu ler até o fim”, o que diz muito do pânico em se defrontar com ideias contra-hegemônicas. Sequer perceberam que o texto pretendia mostrar que a atitude “caridosa” e “despretensiosa” dos doadores seguia um padrão de valorização dos próprios imóveis (e descontos no imposto de renda), e que não era tão “benevolente” quanto nos faziam acreditar. Também tentava mostrar que essas iniciativas, mesmo que possam oferecer melhorias na escola, acabam trazendo desajustes e desequilíbrios em um sistema que deveria produzir equidade e paridade entre os alunos.

Porém, o que mais me chama a atenção é o culto que as pessoas da classe média devotam a esses beneméritos. Ainda carregamos a mentalidade dos pequenos burgueses que, enquanto olhavam a nobreza com desmedido encantamento, sentiam pelos trabalhadores inegável desprezo e repulsa, sem perceber que estavam muito mais próximos de quem desprezavam do que daqueles por quem nutriam admiração.

Recordo vividamente amigos descrevendo encontros com figuras da “nova nobreza”: os ricos industriais, rentistas, donos de redes de comunicação e proprietários de terra. Puro encantamento. Qualquer gesto, por mais banal que fosse, era descrito como sutil, delicado, sóbrio e magnânimo. Quando estas pessoas – muitas delas sem qualquer brilho intelectual ou moral – lançavam a eles sua atenção isso produzia uma onda de gratidão e plenitude. Pobres almas!!! Via de regra iam solicitar migalhas para os pobres, pão para os famintos, cadeiras e mesas para alunos, e ficavam satisfeitos quando uma fração dos valores acumulados por esta elite lhes era minimamente repassado. A figura de John Rockefeller distribuindo moedinhas para os miseráveis da recessão americana nunca foi tão emblemática para descrever esta relação de subserviência.

É muito triste ver o crescimento da sociedade atrelado à boa vontade de milionários, como se a saúde, a educação, o saneamento básico fossem bênçãos que recebemos de capitalistas, e portanto, deveríamos agradecer a eles por seu desprendimento e sua caridade. Quando é que nossa auto estima vai permitir que a gente se livre da praga dos bilionários? Quem precisa desse tipo de aberração????

Nossa mentalidade não mudou tanto quanto imaginamos. Se a revolução burguesa nos livrou da sujeição à nobreza, o capitalismo ainda nos mantém subservientes aos poderosos que, se não mais ostentam títulos nobiliárquicos, ainda nos oprimem com o capital e suas formas de controle.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos