Arquivo da tag: escolas

Violência e Imprints

Uma pesquisa recente na Finlândia (mas não vejo porque seria diferente no Brasil) mostra que as crianças violentas ou vitimadas pela violência tem uma probabilidade muito maior de se tornarem adultos desajustados e violentos. O primeiro grupo é formado por crianças e adolescentes que foram “saco de pancada” na infância, em especial na escola, aqueles que sofreram bullying, que foram maltratados por serem gordinhos, pequenos, fracos ou pouco “inteligentes”. O outro grupo era o dos seus abusadores, os espancadores, os “bullies“, os “malvadões“, os opressores. O estudo descortina o fato de que tanto os agressores quanto as vítimas de bullying tinham um risco aumentado para crimes violentos, quando comparados às pessoas que não haviam intimidado outras pessoas. O bullying é um assunto de extrema importância, até do ponto de vista da economia dos países industrializados. No Reino Unido 16.000 entre 11 e 15 anos crianças faltam à escola, sendo a principal razão os maus tratos dos colegas, e 78.000 quando o bullying é uma entre outras razões.

Ambos os grupos são marcados pelas duas pontas da violência, seja aplicando-a ou sendo vítima dela; imagina-se que a violência seja replicada nos espancadores pelo gozo recidivante de oprimir e nas suas vítimas pela necessidade de vingança, para limpar de sua história as humilhações do passado.

Mas estas ainda são marcas da infância, do tempo da escola ou do início da socialização. Que marcas ainda mais profundas – que os psicólogos contemporâneos chamam de “imprints” – são produzidas quando a violência ocorre na primeira infância, no período pré-verbal e sendo perpetrada por aqueles que mais confiamos e dependemos, como nossas mães e nossos pais? É lícito imaginar que as cicatrizes dessas experiências precoces são ainda mais profundas e mais facilmente produzem comportamentos violentos, derivados das inúmeras dores recalcadas. Nos últimos cinco anos, 35 mil crianças e adolescentes foram mortos de forma violenta no Brasil, segundo levantamento do Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. No subgrupo de crianças de 0 a 4 anos ocorreu aumento de 27% nos casos. Em 90% dos casos o agressor é da família. Mas, e os sobreviventes? Que tipo de visão de mundo terá uma criança que sofreu agressões durante o período mais frágil de sua vida e ainda por intermédio das pessoas que mais deveriam cuidá-la e protegê-la? Isso sem falar das agressões tão precoces que são capazes de transformar a chegada a este mundo em um trauma poderoso – as violência no parto.

Apesar disso, em uma pesquisa de 2020 realizada com 7038 cuidadores de crianças de 0 a 5 anos residentes em 16 municípios cearenses, incluindo a capital, Fortaleza 84% dos pais acreditam que os castigos físicos e gritos (ou ambos) são importantes e necessários para a educação de crianças. Uma fração enorme dos pais e cuidadores de crianças desta região acreditam na violência como método pedagógico necessário para colocar as crianças no caminho. Acreditam mesmo que a violência, por produzir resultados imediatos como o silêncio e a obediência, seriam capazes de moldar o caráter das crianças, quando na verdade apenas desenvolvem personalidades cujo medo é o sentimento preponderante e a violência sua reação mais natural. Resta-nos questionar como se contrapor a essa proposta, tão arraigada em nossa cultura, que conecta educação e caráter com violência física e psicológica em crianças.

Com o fenômeno do crescimento de organizações de extrema direita fascista no mundo inteiro – onde o estímulo ao armamento e à violência faz parte do ethos desses grupos – é importante questionar de onde estes jovens retiram material subjetivo para sustentar estas ideias. Outro fato marcante é a presença de pessoas de terceira idade nos “acampamentos” em frente aos quartéis pedindo aos militares a decretação de uma nova ditadura. Homens e mulheres de 60-70 anos que certamente foram educados com a severidade das surras, das humilhações e dos castigos, e que hoje afirmam impávidos nas redes sociais “apanhei muito, mas não virei marginal”. A resposta talvez esteja nesta violência muito precoce que sofreram ou impuseram, que ao criar este “imprint” na tessitura maleável da alma infantil, faz desabrochar na juventude e início da vida a opção pela violência física e moral.

Não lhes parece?

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Violência