Arquivo da tag: Violência

Gancho

Fiquei de castigo por 3 dias no Facebook. Tomei um gancho por “discurso de ódio”. Querem saber por quê?

Fiz um breve comentário na foto, colocada em um site de piadas americano, onde se via uma criança negra chorando ao lado do caixão em que jazia seu pai, soldado morto em batalha no Afeganistão. Abaixo da foto se lia a legenda: “Militares americanos mágicos: ficam 3 anos fora de casa e voltam transformados em uma bandeira”.

Pode-se dizer que é uma piada de mau gosto, ou inadequada. Cruel talvez, mas preferi levar a sério o tema. Respondi dizendo:

“Não é difícil descobrir o segredo desta magia. Basta parar de mandar pretos, pobres e latinos para matar outros pobres e periféricos em nome do “Exército Imperial”. Só no governo do democrata Obama foram SETE países destruídos pelos imperialistas. Centenas de milhares de mortos e mutilados, entre eles mulheres e crianças. Enquanto estes sujeitos forem tratados como heróis, e não como marionetes do Império para fazer os ricos ficarem ainda mais ricos, estaremos no caminho errado. E não esqueçam: antes de morrer este pai de família deixou órfãs várias crianças que agora choram também a falta do seu pai. Se é para lamentar pela tragédia e pela tristeza da cena, vamos chorar pela imagem completa, e não só por parte dela”.

Gancho merecido, não?

Deixe um comentário

Arquivado em Violência

À Esquerda

Estas são as “acusações” que a direita faz à esquerda: aborto, drogas e soltura de presos…….. mas qual a dúvida de que estas são três pautas que devemos MESMO apoiar?

A descriminalização do aborto é uma pauta de URGÊNCIA para salvar vidas de mulheres (pobres, claro) que recorrem aos abortos clandestinos, arriscando suas vidas. Sabemos como as mulheres ricas têm acesso a clínicas caras e sofisticadas, mas esta é a razão pela qual os abortos na parcela menos favorecida da sociedade são um grave problema de saúde pública.

O garantismo e o desencarceramento da mesma forma, pois prender jovens (negros e pobres, que surpresa) de NADA adianta e não diminuiu em nenhum lugar do mundo as taxas de criminalidade. Prisões são lugares infectos e fábricas de criminalidade. Abolicionismo penal é uma necessidade social e um avanço civilizatório. Abrir as prisões – e só manter lá quem atenta contra vidas – é um passo fundamental para produzir avanço social e justiça.

Por último, o que dizer da descriminalização das drogas??? E não precisa sequer ser comunista como eu para se entusiasmar, basta ser capitalista como os americanos, onde maconha não é crime e se tornou negócio rentável. Essa é uma atitude simples para acabar com a mortandade de jovens nas periferias, e não tem nada a ver com a esquerda, mas com direitos humanos básicos – uma pauta bem liberal.

Liberação das drogas, sim;
Abolicionismo penal, por certo e
Aborto livre pelo SUS…. mas é claro que os moralistas, os anacrônicos e os fascistas não estão prontos para esta conversa.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Carrefour

“E os brancos que são mortos por negros? Eles não valem nada?”

Suas mortes são igualmente lamentáveis, mas pense bem: eles não morrem POR SEREM brancos. No caso do Carrefour o racismo é o principal elemento da cena, mas por certo não o único. A violência absurda, a covardia e o uso abusivo da força também contam. O poder econômico de uma grande rede de supermercados multinacional atacando a ponta frágil da sociedade – preta e pobre – é inegável e não podemos fechar os olhos para essa face cruel do capitalismo.

Mas a observação da Bebel é certeira e vai no ponto: se fosse branco nada disso teria acontecido. Alguém conversaria com ele, chamaria um responsável da loja e acabaria tudo sem maiores problemas. Vejam os vídeos dos barracos que brancos fazem e perceba a diferença. É a cor da pele, é a cor…

Sim, ele morreu por ser negro, sua condenação estava na escuridão da sua pele. Um negro não tem o mesmo direito de fazer um “barraco” e tudo ser resolvido na conversa, chamando o gerente. Não, com eles é na porrada no mata Leão, na asfixia – há pouco tempo, no chicote. A execução é sem júri, sem advogado; é no chão frio da rua, atrapalhando as “pessoas de bem” que vão fazer suas compras.

Claro que há negros que matam brancos, mas mostre para mim um grupo de negros pulando e asfixiando um branco apenas por ele ter sido inconveniente ou abusado. Onde estão?

A desculpa, quase onipresente aqui e nos Estados Unidos, é bem conhecida por todos nós: Por que ele resistiu? Por que não cooperou com as “autoridades”? Pois eu acho essa pergunta a maior das ofensas, pois no fundo ela significa: “Hei negro, ponha-se no seu lugar. Quando a gente manda, você obedece!”

Para um negro, reagir a uma injustiça é sempre um crime inafiançável. A eles só cabe a resignação e o silêncio.

O racismo fica evidente quando o que para nós brancos é tratado como “exagero” ou “inconveniência” para os negros significa uma sentença de morte.

Os não brancos são 51% desse país. Por quê nossos irmãos são tratados com muito mais crueldade que qualquer animal? Ontem foram 80 tiros. Um pouco antes Amarildo. A juventude negra continua sendo massacrada diariamente pelo Estado racista.

Até quando???

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Violência

Tratamento Indigno

Eu acho que a função de um advogado é defender seu cliente com as armas possíveis dentro da lei. Portanto, sua fala ao atacar a vítima, apesar de absurda e violenta, pode ser entendida como estratégia de quem está sendo pago para defender. Entretanto, existe um juiz cuja função é exatamente IMPEDIR que a estratégia de humilhação e ataques à honra da vítima tenha seguimento. É por isso que ele está presente na audiência, que não pode ser entendida como “terra sem lei” ou como “vale tudo”.

Não se pode admitir isso. Se a ação do advogado foi nojenta e desprezível, a atitude do juiz foi CRIMINOSA, pois permitiu que o teatro macabro e estúpido de uma das partes tivesse espaço dentro de um lugar que deveria ser acolhedor para quem afirma ter sofrido uma violência.

Existem duas questões neste caso, e ambas são estarrecedoras. A primeira é a sentença aberrante e inacreditável, com a criação da entidade “estupro culposo” inédita e bizarra, mas que ainda precisa mais bem entendida, para que sua construção estranha (estupro + culposo) não cause confusão e acirre os debates.

A segunda – e muito mais importante – foi a forma indigna e aviltante de tratar uma depoente, que reclamava ser vítima de violência sexual, em um tribunal, como se fosse ela a abusadora e não aquela que pode ter sofrido o mal em seu corpo e sua alma. A cena nos remete ao circo romano, onde os homens na galeria se regozijavam com o sofrimento da pobre criatura entregue aos leões.

Agora, ao invés de se revoltarem com a carnificina oferecem apenas o ódio que escorre pelos cantos da boca, o deboche, o sarcasmo e a indiferença de quem, diante de tanta barbárie, silencia e permite que a matança continue.

PS: a expressão “estupro culposo” consta de uma fala obtusa e inconsequente do promotor, mas não está presente na sentença. E eu acho que a análise que foi feita por alguns especialistas mostra que a sentença está correta: não há elementos para produzir a convicção de culpa. Mas, mesmo reconhecendo o acerto da sentença, nada justifica o tratamento violento dispensado à menina. Não é necessário – muito menos correto – tratar uma mulher que presta esta queixa com tamanha agressividade.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Privacidade

Parece muito claro que o pessoal ainda não entendeu como funciona a Internet e a abrangência das mídias sociais. Quando você coloca uma foto aqui (em especial Facebook e Instagram) não pode impedir que os milhões de potenciais visualizadores interpretem como quiserem o que estão vendo, e que façam memes ou que critiquem as imagens. Quem não quiser ser criticado que não se exponha.

Há alguns anos uma ex-amiga minha colocou fotos suas, em uma cachoeira, parcialmente nua. Sim, no Facebook e publicamente. Abaixo ela escreveu um texto sobre a beleza dos corpos naturais, não convencionais, a naturalidade da nudez e a importância do empoderamento feminino.

Muito bem, nada a criticar em sua proposta. Admirei sua coragem, seu desprendimento e seu desejo de levar adiante sua mensagem. Cheguei a cumprimentá-la pelo desejo de marcar um ponto importante em sua luta. Todavia, imediatamente depois – porque a postagem era pública – houve uma chuva de críticas, zoações, deboches e brincadeiras por parte de homens que encontraram a foto nas páginas do Facebook.

Pois, ao invés de deixar a cachorrada latir e fazer a caravana passar ela resolveu se indignar e responder agressivamente às piadas machistas e de mau gosto. Quanto mais ela respondia, mais os sujeitos insistiam na zoação, mais baixavam o nível e mais furiosa ela ficava.

Até que ela veio me perguntar o que eu achava, e “como podiam esses idiotas agir dessa forma“. Minha resposta foi seca e direta:

“Mas o que você esperava acontecer colocando uma foto dessas publicamente na Internet, povoada por todo tipo de gente? Eu não aceito as atitude machista desses caras, mas é muita ingenuidade imaginar que todo mundo vai achar lindo e maravilhoso. O mundo não é assim, e você devia saber. Isto é: se vai se expor dessa forma entenda que vai receber pauladas, e é melhor que esteja preparada para elas. A única coisa proibida é surpreender-se com os contragolpes. Eles virão, inexoravelmente, enquanto essa sociedade for regulada pelo patriarcado.”

Ela entendeu essa minha fala como uma crítica às fotos, quando na verdade era uma crítica à sua ingenuidade. Preferiu me associar à malta de lobos que uivavam e grunhiam, mas tudo o que fiz foi sugerir que, quando resolver agredir o machismo vigente, esteja preparada para os inevitáveis ataques em resposta.

Brigou comigo e passou a me atacar desde então. Uma lástima, pois gostava dela. Eu sinto muito, mas continuo com o mesmo posicionamento. As lutas por equidade e justiça não podem permitir inocência e ingenuidade. O mundo lá fora é duro e preparar-se para os combates é mandatório.

Nada a dizer contra a natural indignação que surge da inconformidade. Minha crítica é contra a INGENUIDADE e a sedutora postura vitimista, que oferece graciosamente a narrativa aos cães do machismo e passa a se defender. Quem vai se expor precisa se preparar e não ficar dando explicações ou “criticando a crítica“. Isso é um erro gigantesco que, inclusive, as esquerdas fazem cotidianamente.

Não sejamos tolos; nenhum dos acusadores de internet que debocham e humilham mulheres, negros, trans, gays, etc se modifica com as nossas “lacrações”. Pelo contrário: eles se sentem vitoriosos por conduzirem a narrativa, pois quando o fazem provocaram a reação dos ofendidos, que se obrigaram a obedecer a pauta por eles criada.

Acho que muitos se beneficiariam muito ao escutar Madonna. Ela fez exatamente o oposto da postura vitimista. Chocou, bateu de frente, foi à luta e DITOU A NOVA NARRATIVA. Não ficou respondendo ou indignada quando a chamavam de p*ta. Estava preparada para “matar no peito” o ataque que viria ao propor uma nova estética e um novo padrão. Leila Diniz é outro exemplo da postura altiva: alguém acha que ela ficou se explicando depois de expor a barriga grávida na praia ou apenas sorriu ao ver os cães ladrando?

É sobre ser protagonista. Não tem nada a ver com peitos. É sobre não se diminuir e não aceitar andar a reboque da narrativa alheia. É pegar no timão e determinar o curso.

Indignação reativa é o que toda a esquerda faz, sempre na defensiva. Quando vamos acordar para isso?

Mas… talvez as pessoas ainda não consigam compreender a abrangência dessa ideia. “A vítima é o OPOSTO do militante”. Vítima sempre é objeto, jamais sujeito. Para atuar e ascender à esta nova posição é fundamental abandonar a antiga.

Os grupos de enfrentamento podem – e devem – construir seus caminhos de luta, mas existem trajetórias que a experiência mostra que estão errados. Colocar-se na defensiva oferecendo a primeira voz aos machistas, aos direitistas, aos “pró-vida“, aos fundamentalistas tem se mostrado um equívoco que nos trouxe até aqui.

A atitude da minha ex amiga não lhe garantiu nenhuma vantagem, pois preferiu a posição que lhe parecia mais segura. Infelizmente, esta posição jamais impõe mudança de paradigma.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos