Arquivo da tag: midwives

Entrevista Amanda Nelson

  • What inspired you to become an obstetrician? 
    Many things, but the turning point was the birth of my children when I was a medical student at the age of 22 and 26 years old.
  • What was your training like as an obstetrician?
    Like a regular teaching hospital. Technocracy, focus on pathologies, emotional distance from patients, authoritarian attitude from teachers and preceptors and an interventionist perspective in childbirth.
  • In your area, what is the relationship like between obstetricians and midwives? Is there a collaborative relationship between physicians and midwives? 
    In my area, extreme south of Brazil, midwives are not allowed to assist births. Obstetricians assist almost all births since the complete “annihilation” of midwifery practice in the middle of the 20th century. Around 10 years ago a public hospital in my city opened a midwifery service, but with just a few midwives and with no support from doctors from the community. Midwifery has its real rebirth through the homebirth practice that I myself reinstated around 20 years ago with our team – obstetrician, midwife and doula.
  • If you could change one thing, anything, about maternity care (or healthcare in general) in the U.S., what would it be? 
    The simple modification of birth assistance, creating midwifery schools all over the country to (slowly, but consistently) replace all obstetricians that assist normal birth by midwives, putting all medical doctors and obstetricians to work solely in high risk and emergency obstetrics.
  • What advice do you have for a student midwife? 
    Keep your dreams, envision the best and be prepared for the worst.

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevistas

Estímulo ao Parto Normal

Medico_Dinheiro

Se as últimas iniciativas da ANS – entre elas o pagamento triplicado para o parto em comparação à cesariana – efetivamente produzirem um incentivo ao parto normal, eu tenho algumas preocupações sobre o que acontecerá com a atenção ao parto na classe média, que é a mais afetada pela epidemia operatória na obstetrícia.

Pelo que percebo ainda existe muita falta de vontade e talento para atender partos normais. Partos são processos complexos, demorados, inesperados, com uma configuração absolutamente única e subjetiva, exatamente porque fazem parte da “vida sexual normal das mulheres”, como nos alertava o mestre Odent. Por esta razão não existirão jamais duas mulheres que vão amar, gozar, sorrir, chorar ou parir da mesma maneira.

Assim sendo, sem estabelecer uma leitura absolutamente SUBJETIVA de cada nascimento, como perceber seus ritmos e sua fluidez única? Como olhar para cada mulher como a primeira e última a parir naquele tempo, espaço e formato sem entender a singularidade do momento?

Parto é algo que acontece entre as orelhas“, como diziam as velhas parteiras. A atenção que damos a ele precisa de uma combinação complexa de elementos sutis como conhecimento técnico-científico, atenção, paciência, sensibilidade, disponibilidade e uma inabalável fé nas habilidades femininas de gestar parir. Como diria Max, é fundamental “acreditar que elas podem”.

Por reconhecer as complexidades e dificuldades da atenção ao parto tenho receio das iniciativas que apenas oferecem incentivos econômicos aos profissionais. Não há como se contentar apenas com este aspecto financeiro.

Tenho medo de testemunhar a multiplicação de ocitocina sendo aplicada, o anacronismo da posição de litotomia, o uso inadequado de fórceps, de Kristeller e episiotomias gigantescas. Sem uma importante redefinição do que seja “parto normal”, e sua aproximação com nosso conceito de “Parto Humanizado”, poderemos ter muitos problemas com assistências equivocadas sendo realizadas.

Uma cesariana é como pintar uma parede; um parto é como pintar um quadro“, dizia Max. No primeiro precisamos pincéis, boa técnica e a repetição quase enfadonha de camadas de tinta sobrepostas, assim como na cesariana se repetem as camadas de tecido a recobrir o amnionauta na escuridão do claustro materno. No segundo, para além das tintas e pincéis, precisamos jogar nosso sentimento, nosso tempo, dedicação e alma, e estes elementos não são facilmente ensinados. O parto se configura como uma amálgama de inúmeros outros talentos, que transformam sua execução em algo que se aproxima da manifestação artística.

Espero que as medidas da ANS sejam acompanhadas de um questionamento mais profundo quanto à formação de profissionais e a multiplicação de atores – como obstetrizes e doulas – a compor o novo cenário da assistência ao parto.

Avanços precisam ser comemorados, sem deixar de reconhecer que muito mais há por fazer. Vamos pagar para ver. Minha opinião é que a taxa de cesarianas vai cair na abrangência da ANS. Na verdade eu creio que ela já estava caindo de forma MUITO sutil, quase imperceptível. Entretanto, o resultado – 2 ou 3 pontos percentuais, quem sabe 5 – está longe de ser satisfatório; ainda será vantajoso fazer três cesarianas em duas horas, mesmo ganhando menos. Além do mais, o assunto não se esgota na questão financeira. Existe um elemento essencial, mas dificilmente mensurável: a paixão.

Sem o transcendental é impossível entender o nascimento em sua manifestação plena. Sem o transcendental é impossível entender o nascimento. Sem tesão pelo parto não há solução. Oferecer a atenção ao parto aos profissionais duramente treinados na intervenção é pedir para que a fisiologia sofra a metamorfose para a patologia e essa, por sua vez, se transforme em intervenção.

Por isso peço a mudança da “fotografia”. Precisamos inundar o atendimento ao parto com parteiras profissionais (enfermeiras obstetras), obstetrizes e doulas. Mudar a face da atenção, assegurando às parteiras (midwives) o papel CENTRAL na atenção ao parto fisiológico. Essa atitude, muito mais do que mexer no bolso dos médicos, será capaz de modificar o panorama. De qualquer maneira, a troca da forma de pagamento se configura uma boa medida. Limitada, mas positiva.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

As diferenças

enfermeiras1

“Enquanto o parto humanizado for opção apenas para uma casta seleta, uma parcela da classe média que possui dinheiro e informação, nosso trabalho será incompleto e insuficiente. A humanização do nascimento não é uma moda, uma “onda” ou um capricho de mulheres burguesas. Parto com dignidade é direito fundamental, e faz parte das lutas pela democracia e pela liberdade. Nossa paixão pelo parto digno deve atingir a mulher do campo e da cidade, as ricas e as pobres, sem qualquer distinção. “Para mudar o mundo é preciso mudar a forma de nascer“, e isso precisa ocorrer em todos os níveis.”

Faz parte do processo de transformação em curso os desafios que encontramos agora na atenção oferecida por enfermeiras durante o parto. Mulheres imitaram os homens no raiar do feminismo, achando que elas também podiam usufruir do poder e da glória que o falo inspira. Eu curti o tempo do “unissex”, que nada mais era do que mulheres imitando homens, inclusive – e principalmente – nos seus defeitos. Levou tempo para as mulheres perceberem a verdade na frase que pendurei há muitos anos na parede do meu consultório: “Uma mulher que pretende imitar os homens carece de imaginação“.

Agora as mulheres percebem que, SIM, são diferentes e celebram esta diferença com a valorização de seus corpos sinuosos, suas gestações e mamas que produzem leite. Com as parteiras – as profissionais, mas também as tradicionais – ocorreu o mesmo. Pareceu por um bom tempo que imitar a ilusória superioridade tecnológica dos médicos lhes garantiria maior reconhecimento profissional. Enluvaram-se, enrouparam-se de verde, cobriram o rosto com a mascara do anonimato, usaram o aço que corta e a gaze que seca. Chamaram as mulheres de “maezinhas” e “minha filha“, olhando-as de cima a baixo para mostrar, afinal, quem é que manda.

Só agora as enfermeiras obstetras e obstetrizes percebem que não são “doutoras castradas”, mas profissionais cujo maior diferencial é a especial conexão afetiva e espiritual que protagonizam junto às mulheres. Dessa diferença é que surgirá a parteria do século XXI, que vai aliar conhecimento formal e científico com a ancestral capacidade de cuidar que receberam da linhagem de parteiras que se perde na poeira do tempo.

Quem viver, verá…

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto