Arquivo da tag: oftalmologistas

Especialistas

Nossa ânsia por “especialistas” é uma das piores consequências da segmentação da medicina. Cada vez que uma pessoa com tosse me pedia que eu indicasse um “pneumologista” uma estrelinha no céu se apagava. Eu percebia, nesses pedidos, uma visão distorcida do papel que os especialistas desempenham no cuidado à saúde. Um especialista é um profissional que sabe muito de pouco, mas a imensa maioria dos pacientes precisa de alguém que saiba um pouco de quase tudo.

Os especialistas são isso: “experts” em partes ou funções do corpo, dedicados às questões mais infrequentes, minúsculas, que ocorrem raramente na população e que pela sua relevância merecem uma dedicação exclusiva. São profissionais com uma visão necessariamente limitada sobre a saúde, mas altamente focada em distúrbios específicos. Por isso mesmo, delegar a saúde ou o tratamento dos pacientes àqueles que carecem de uma perspectiva holística do sujeito é um erro. É uma perversão de sua função original.

Hipertensos consultando cardiologistas, gente com urticária consultando dermatologistas, pessoas com conjuntivite lotando consultórios de oftalmologistas, pacientes com prisão de ventre ou azia consultando gastroenterologistas etc, são exemplos de erros na escolha dos profissionais. Estas são alterações da saúde que seriam muito mais bem atendidas por médicos de família e clínicos gerais, num consultório ou posto de saúde. É facilmente comprovável que 80% destes casos são tratados e acompanhados por médicos de formação generalista, que terão muito mais facilidade para uma abordagem bio-psico-social de seus pacientes.

O médico mais apropriado para a vasta maioria da população é o generalista, ou o Médico de Família e Comunidade, que desde 1975 organizou seus primeiros programas de residência médica, mesmo usando denominações diversas. No ano de 1981 passou a ser chamada de Medicina Geral Comunitária por meio de Resolução da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM); e em 2001, passou a receber o nome de Medicina de Família e Comunidade, reconhecida pela CNRM e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) (resoluções CFM 1232/86 e 1634/2002). Esta área da Medicina recebeu um incremento muito grande de profissionais, apesar de ainda estarmos muito aquém de nossas necessidades.

A Declaração de Alma-Ata, que foi formulada no Cazaquistão em 1978, foi um pacto relacionado à saúde de um modo geral e assinado por 134 países participantes. No que diz respeito à Atenção Básica à Saúde, defendeu estes cuidados nos seguintes termos:

“Os cuidados primários de saúde são cuidados essenciais de saúde baseados em métodos e tecnologias práticas, cientificamente bem fundamentadas e socialmente aceitáveis, colocadas ao alcance universal de indivíduos e famílias da comunidade, mediante sua plena participação e a um custo que a comunidade e o país possam manter em cada fase de seu desenvolvimento, no espírito de autoconfiança e autodeterminação. Fazem parte integrante tanto do sistema de saúde do país, do qual constituem a função central e o foco principal, quanto do desenvolvimento social e econômico global da comunidade. Representam o primeiro nível de contato dos indivíduos, da família e da comunidade com o sistema nacional de saúde, pelo qual os cuidados de saúde são levados o mais proximamente possível aos lugares onde pessoas vivem e trabalham, e constituem o primeiro elemento de um continuado processo de assistência à saúde. (Opas/OMS, 1978)”

Para além das vantagens para os pacientes existem inequívocos benefícios econômicos para os sistemas de saúde que investem em uma medicina generalista e na ABS (Atenção Básica à Saúde). Dados epidemiológicos de estudos da revisão sistemática da literatura sobre os riscos de internação associadas por condições sensíveis à Atenção Primária, nos mostram que a melhoria de acesso ao sistema de saúde apontam para a diminuição de internações por “condições sensíveis à ABS”, que são problemas de saúde evitáveis, atendidos por ações típicas no nível mais primário e local de atenção e cuja evolução, na falta de atenção oportuna e efetiva, pode determinar hospitalização desnecessária, como pneumonias bacterianas, complicações da diabete e da hipertensão, asma, entre outros. Tais hospitalizações excessivas produzem um custo muito alto para o Sistema de Saúde além de aumentarem os riscos para os pacientes pelas intervenções em cascata que são realizadas no ambiente hospitalar, levando a problemas de complexidade crescente.

Desta forma fica claro que apenas os quadros não resolvidos pela abordagem clínica simples deveriam ser encaminhadas aos profissionais especializados. É nesse contexto – das doenças mais raras e refratárias aos tratamentos mais simples – que eles são extremamente necessários. É para essa parcela pequena da população, que precisamos do trabalho e da dedicação destes profissionais na medicina. Já para o conjunto da população precisamos de generalistas, médicos capacitados e compassivos, capazes de enxergar por detrás dos véus das doenças evidentes, para perceber o arcabouço psíquico e social que se esconde por trás de qualquer quadro de adoecimento.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Medicina

Medicina Americana

images-42

Uma amiga minha que mora nos Estados Unidos foi acometida de uma dor abdominal violenta que se manteve por alguns dias. Em seu histórico o (ab)uso de remédios, em especial anti-inflamatórios e antidepressivos. Não tinha cobertura de nenhum seguro saúde, mas dentro de 5 dias ela alcançaria o vencimento de sua carência. Sozinha e em pleno desespero decidiu-se por procurar uma emergência, pois teve medo de morrer. Foi admitida e realizaram muitos exames, todos os possíveis em um caso de dor epigástrica aguda sem febre, diarreia ou sintomas sistêmicos.

Durante 5 horas permaneceu na emergência. O diagnóstico final foi “gastrite aguda”. O tratamento foi basicamente aquele para quadros similares: antiácidos e bloqueadores.

Preço do atendimento: 30 mil dólares.
Sim… mais de 90 mil reais. Tudo discriminado. 30 mil dólares por 5 horas de atendimento.
(Se eu cobrasse 20% disso por 20h de atenção ao parto seria chamado de muitas coisas desabonatórias)

No SUS, que está prestes a acabar nas garras de Temer, o valor seria zero. Mas por este tipo de relato podemos entender as forças que atuam nas sombras e que desejam acabar com o sistema universal de assistência à saúde no Brasil.

Outro problema que vamos enfrentarem breve é a transformação da assistência médica em um processo industrial, com a mesma lógica da linha de montagem de uma fábrica comum.

Uma vez conheci um oftalmologista que ganhava fortunas pela Unimed. Ele atendia mais de 300 pacientes por mês. Em função do alto custo uma equipe da Unimed foi avaliar porque suspeitaram de fraude. O resultado da investigação não podia ser pior: não era fraude.

Ele passava pacientes de 10 em 10 para sua sala de exames. Pingava colírio dilatador de pupila em um por um e depois disso pedia que saíssem e esperassem para serem chamados. Chamava outros 10 e repetia as gotinhas dilatadoras. Depois disso chamava a primeira turma novamente e fazia exame de “fundo de olho” em todos, ditando os achados para uma secretaria que copiava ao seu lado. Quando terminava essa fase repetia o exame na segunda turma. Quando finalizava essa etapa chamava de novo a primeira turma e distribuía os diagnósticos e as receitas. E assim ia fazendo, realizando um verdadeiro atendimento oftalmológico fordista, industrial. Máxima eficiência no mínimo de tempo.

Meu comentário na época foi…

Eu entendo porque ele faz este tipo de atendimento, porque aumenta os lucros diminuindo os intervalos entre a saída e a entrada dos pacientes. Mas até hoje não consigo entender as razões que levam um paciente se submeter a tal desumanidade“.

Ah…. era pela Unimed. Se fosse pelo SUS imaginem o que estaríamos falando.

1 comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina