Arquivo da tag: pais e mães

Direito à paternidade

Circula na Internet um texto sobre paternidade escrito por um humorista da minha cidade que faz sucesso entre pessoas que conheço. Acho esse texto um brutal equívoco, mas…. na boa, perco até a vontade de explicar ao me dar conta que isso vai alertar as patrulhas, pois se trata de um texto nutrido pelo mais cristalino preconceito de classe.

Ok, devido aos pedidos incessantes, explico: o articulista, um humorista de rádio, deixa claro que a paternidade só deve ser exercida por aqueles que, como ele, usufruem de boas condições vida, que podem cuidar com atenção e denodo das suas crias. A condição de pai seria vedada ao proletário que carece (entre outras virtudes) de paciência porque suas condições de trabalho são estressantes, ou que precisa dormir aos domingos para recuperar energias gastas durante a semana de trabalho incessante. Para ele a paternidade deve ser garantida apenas àqueles que têm as condições características da burguesia: tempo, dinheiro, disposição, saúde e educação.

Não passa pela cabeça desses “formadores de opinião” que é necessário que as condições sociais melhorarem para todos, para que não seja necessário arbitrar quem pode e quem não pode exercer o direito sagrado de ser pai ou mãe. Sua manifestação parte de uma divisão social estanque, fixa, pétrea, onde os estratos sociais determinariam quem poderia exercer direitos humanos básicos. Como a paternidade.

Mais ainda, o texto coloca a culpa nas pessoas que não tem tempo, estão cansadas, esgotadas, sobrecarregadas, impacientes, neuróticas e angustiadas, ao invés de olhar para o contexto massacrante em que suas vidas estão inseridas. Isso me lembra, com tristeza, o velho papo da burguesia que reclama o fato de que pobres, deseducados e ignorantes também tem (pasmem!!!) o direito de votar.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Chacinas

Todas esses meninos mortos tinham pai e mãe. Um dia, mesmo que tenha sido apenas o primeiro dia em que aqui chegaram, eles foram amados, foram queridos e sobre eles também alguém sonhou. Foram molequinhos pretinhos que jogavam bola na calçada com largos sorrisos brancos e contagiantes. Quando a gente fazia cócegas eles se dobravam de rir. Muitos foram amamentados por suas mães e foram cuidados por seus irmãos e irmãs. Todos eles choraram de medo e algumas vezes de alegria. Ficaram assustados no primeiro dia de aula e quando descobriram sua sexualidade. Olhavam para a vida, essa chama curta a arder em seus peitos, com pânico e excitação.

Todos eles um dia sonharam com o futuro, um carro, uma viagem ou uma promessa de futuro menos duro para suas mães. Todos eles sorriram diante de um gracejo e se emocionaram diante de uma música. Nenhum deles deixou de sentir dor ou frio, calor e alegria. Eles eram em tudo iguais a nós, mas insistimos em olhar para a cor de sua pele, a magreza de seus corpos em contraste com a arma negra na cintura e acreditamos que são feitos de outra matéria, de outra carne, de outra essência.

O que nos intriga e angustia é a semelhança conosco, e não as diferenças.

Desumanizar o corpo morto de meninos na luta miserável de uma sociedade desigual não os torna menos humanos do que nós, mas nos torna mais monstruosos do que imaginamos ser.

Não há nada a comemorar, não há nada a exaltar. Isso é apenas um fracasso, a miséria humana em ação. A desgraça civilizatória e o êxtase do Apartheid social.

Deixe um comentário

Arquivado em Violência