Arquivo da tag: pedra de tropeço

Pedra de tropeço

Durante muitos anos assisti espíritas explicando a “necessidade” da exploração, da iniquidade e da injustiça social como “campo de expiação” para a humanidade. Em outras palavras, tratavam o mal, a ignorância, o erro, a iniquidade e a dor como ações benfazejas do Criador para que, através delas, pudesse o ser humano evoluir e depurar suas falhas e erros. Assim, a “pedra de tropeço” da desigualdade seria “adequada” para as experiências humanas, oferecendo um desnível que, para a trajetória evolutiva, seria essencialmente pedagógico.

Por esta razão (entre tantas outras) é fundamental a crítica incessante contra o conservadorismo inerente às religiões. É preciso colocar o dedo na ferida das posturas alienantes que negam a importância crucial da luta de classes. É inadmissível que uma corrente de pensamento inerentemente progressista como o espiritismo seja vista como um dos principais focos de conservadorismo do cenário religioso brasileiro. A ação humana é sempre propositiva, jamais passiva e alienada. Teremos o futuro que for por nós construído, e não aquele oferecido por Deus ou pelo “andar da humanidade”. Sem esse contraponto, as religiões ocuparão a linha de frente das posições mais reacionárias, impedindo o desenvolvimento social e travando a luta por igualdade. Exatamente o que vemos entre os adeptos do neopentecostalismo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política, Religião

Pedra de Tropeço

O Brasil ameaça cair numa arapuca terrível, uma mistura de intervenção militar, religiosa e fundamentalista da qual não será fácil suplantar, mas condenará o país ao atraso e à obscuridade. O ódio de classe misturado com a manipulação midiática das eleições não poderiam produzir um resultado diferente. Por outro lado, é possível que o descalabro de um governo incompetente, um presidente bufão e a condição de ditadura em pleno século XXI sejam a queda vertiginosa no poço da miséria que possibilitará uma reação popular.

Eu tenho pensado na “pedra de tropeço” ultimamente. Quando vi os alemães se horrorizarem com as palavras do Coiso penso que isso é possível apenas porque sua sociedade conseguiu absorver as lições do horror e da degradação fascistas. A nossa ainda não, e por isso namoramos com o arbítrio e o intolerância.

É forçoso reconhecer que nossa democracia nunca se consolidou. Falhamos com a democracia. O que é impensável em muitos países civilizados para nós é natural. Nunca tivemos instituições fortes. Nosso STF é covarde, o congresso é fisiológico e votamos em sujeitos que são notórios desqualificados.

O Coiso, Tiririca, Alexandre Frota e tantos outros nos fazem pensar sobre nossa educação e nossa ideia de nação. Uma das razões dessas fragilidades institucionais é que jamais tratamos os crimes da ditadura com a energia necessária. Não punimos os assassinatos e as torturas dos anos de chumbo produzidas pelo Estado. Ficaram todos livres e com total impunidade. Ustra não foi tratado como devia e acabou falecendo antes de pagar por seus crimes. Nossa anistia não permitiu o fechamento do ciclo. Ele se manteve aberto e por isso mesmo a sombra da ditadura e do autoritarismo paira sobre nós.

Tenho pensado que a possível eleição de um fascista confesso produzirá – na melhor das hipóteses – um choque de realidade. O caos que por certo vai se instalar a partir de um governo truculento, estúpido, arrogante e desvinculado das necessidades dos pobres poderá produzir uma reação da sociedade – que ainda não ocorreu. Bolsonaro talvez venha a ser a barbárie que nos faça fechar o ciclo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política