Archie Cochrane e a Revolução das Evidências

Cochrane 01

Archibald Leman Cochrane foi um médico escocês, nascido em 1909 na cidade de Galashiels. Ele foi um dos grandes revolucionários da medicina do século XX ao perceber, num movimento semelhante ao que Ignaz Phillip Semmelweiss havia feito na Áustria quase 100 anos antes, que a medicina tinha uma carência crônica de coerência, método e lógica aplicada. Ao invés de mandar seus colegas lavarem as mãos, como o fez o mestre húngaro, Archie pediu que eles estabelecessem protocolos racionais de condutas médicas, baseado em provas concretas experimentais e estudos abrangentes da aplicabilidade, segurança, eficácia e eficiência dos tratamentos. Muito do que aprendeu na medicina, a exemplo de Teofrastus (Paracelso), foi ao lado dos pacientes, sentado ao pé do leito, durante as guerras em que serviu como médico.

Em uma passagem brilhante de sua história, quando era prisioneiro na II Guerra mundial na Grécia, ele solicitou ao oficial alemão que conseguisse mais médicos para ajudá-lo, pois ele era o único para um campo de detenção com mais de 20 mil prisioneiros. Ao ouvir o pedido de Archie, o oficial respondeu: “Nein! Aerzt sind ueberfluessig!” (Não!! Os médicos são supérfluos!). Quando escutou estas palavras ele ficou furioso e até escreveu um poema sobre sua indignação. Algum tempo depois, por ser dotado de um excepcional senso crítico, ele se questionou se o oficial estava sendo sábio ou cruel. Chegou à conclusão de que o alemão estava verdadeiramente correto.

Mas o que me faz emocionar na história de Archie Cochrane é a sua vívida e intensa conexão com seus pacientes, mostrando que a ciência não precisa ser afastada da vida verdadeira, em carne, osso, fibras e lágrimas. Sua visão cristalina e abrangente das práticas médicas NÃO EXCLUI as emoções e o trato direto com os doentes. Sua descrição do trabalho nos campos de concentração nazistas mostra a determinação que ele possuía de dar o melhor que sua capacidade era capaz. Mesmo diante das piores adversidades e dramas, sempre havia a possibilidade de um auxílio real e humano. A história abaixo mostra que, como dizia Max, “os eventos do nascer e morrer são pontas que se tocam“. A mesma lógica de carinho, afeto e amor que ele demonstra por aquele que se vai, nós precisamos oferecer àqueles que chegam, assim como para as mulheres que carregam a tarefa de trazer os viajantes cósmicos para a morada terrena.

Amor e compaixão são as únicas respostas.

(Fragmentos do livro “Effectiveness and Eficiency: Random Reflections on Health Services“, de Archie Cochrane)

“Outro evento em Elsterhorst teve um efeito marcante em mim. Os alemães haviam despejado um jovem prisioneiro soviético em minha ala, tarde da noite. A ala estava cheia, então eu o coloquei em meu próprio quarto porque ele parecia estar moribundo e gritando e eu não queria acordar toda a enfermaria. Examinei-o e percebi que ele tinha uma brutal e óbvia cavitação bilateral , além de um atrito pleural grave. Imaginei que o atrito era a causa da dor e dos gritos. Eu não tinha morfina, apenas a aspirina, que não produziu nenhum efeito.

Senti-me desesperado. Eu sabia muito pouco de russo na época da guerra e não havia ninguém na enfermaria que o soubesse. Finalmente, eu me sentei instintivamente em minha cama e levei-o aos meus braços. Os gritos pararam quase que de imediato e ele morreu pacificamente em meus braços algumas horas mais tarde. Não foi a pleurisia o que causou os gritos e o desespero, mas a solidão. Esta foi uma lição maravilhosa sobre o cuidado com os moribundos. Eu tive vergonha do meu erro de diagnóstico e mantive esta história em segredo”

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s