Não olhe para…. o Japão

Eu (ainda) não vi o filme “Não Olhe para Cima”, por razões pessoais, mas a principal por me dizerem que é um filme oficialista, e se há algo que deploro é a versão oficial, a do grande capital, a que pede a todos que apenas acreditem no que os poderosos dizem, que solicitam submissão ao óbvio – que sempre se trata de uma ideologia muito bem construída e mantida por muito dinheiro.

Nesse debate sobre o sentido último da ciência eu creio que o erro se estabelece sempre quando alguém diz estar “do lado da ciência” como se fosse possível estabelecer uma linha entre “lá e cá”. Como se existisse apenas uma forma de ciência, uma linha de razão, uma forma científica de ler o mundo. Como se o que você chama de “ciência” fosse apenas a forma com a qual o capitalismo reconhece como tal, da mesma forma como o poder determina o que é arte.

“Ah, mas a ciência é objetiva e positiva”.… sério que alguém ainda acredita nisso? Provavelmente os mesmos que acreditam que o Jornal Nacional apenas relata os fatos, sem viés algum, de forma objetiva e crua. Nada poderia ser mais ingênuo, em especial se levarmos em consideração que a Pfizer lucrou 33 bilhões de dólares com a sua vacina – e isso apenas em 2021.

É importante mostrar a verdades contraditórias de qualquer tratamento médico, mas eu acredito que diante da propaganda massiva e brutalizante – e o estímulo ao pânico, elemento necessário para controlar grandes massas – pouca gente vai levar a sério o que a própria ciência diz. Em verdade eu acho mesmo desafiante pedir que as pessoas pensem cientificamente e convivam com dúvidas, refutações, estatísticas e incertezas, quando é sempre muito mais fácil lidar com verdades absolutas, certezas e posturas maniqueístas. Afinal, lidar com o incerto e com verdades parciais, incompletas e vicariantes é algo muito novo na história do pensamento humano. Por isso até hoje as religiões e seus códigos de conduta dogmáticos vigoram com relativo sucesso. Por que lidar com o complexo e o incerto se há formas mais simples e certeiras – e erradas – de compreender os fenômenos?

Assim, dizer que existe uma facção contra a ciência e outra a favor dela é a mais profunda ingenuidade. Existem em verdade múltiplas formas de interpretar os dados dessa pandemia e suas infinitas variações. Quer uma curiosidade? Por que o Japão viu seus casos de Covid despencarem de forma dramática – chegando quase a zero – enquanto a Coreia do Sul (ao lado e com altíssimas taxas de vacinação) continua crescendo de forma assustadora?

Não se observa a ciência na Coreia do Sul? O Japão descobriu algo que ninguém sabe? Ou foi a liberação da Ivermectina, que coincidiu com as quedas? Não, isso é coincidência, porque essa droga foi riscada do mapa. Que foi então?

Leia mais aqui sobre o mistério da Covid no Japão…

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s