Arquivo da tag: cantada

Sedução

Creio mesmo ser verdade que a regra número um para atrair uma mulher desconhecida em um evento público é NÃO lhe dar muita atenção e tratá-la até com certo “desdém”. O mesmo vale para atrair um homem.

Mas veja, esse tipo de atitude tem como função despertar o interesse e a curiosidade no outro, pois coloca o objeto da conquista em uma posição pouco acessível, portanto passível de ser conquistada.

Isso explica o choro e ranger de dentes quando a(o) parceira(o) que tanto desprezamos vai embora. Subitamente o que era “garantido” torna-se novamente conquistável e o interesse retorna. Basta tornar o que era firme em algo “solto”.

O problema todo é o uso do termo “tratar mal”, ao estilo “mulher gosta de homem que a trata mal“. Esta é outra coisa. Ser estúpido(a) ou violento(a) nunca é uma boa estratégia, mesmo sendo capaz de atrair masoquistas e mendigos(as) de afeto. Mas quando “tratar mal” significa apenas desviar e não oferecer o foco da atenção à pessoa (que em verdade desejamos), aí pode ser uma fantástica estratégia. Está no livro “O Jogo” para quem quiser aprender.

Homem gosta de mulher que o trata mal“, pode ser lido como “homem gosta de mulher que não oferece a si mesma como terra conquistada“. Pode parecer um “mal trato”, mas não é; é uma estratégia inteligente para manter o desejo e a conquista como metas a serem alcançadas.

Isso me lembra de uma outra frase manjada, muito usada na minha época, que era: “Eu gosto mesmo é de mulher difícil“, que pode resumir tudo o que escrevi acima. O sujeito sequer gosta da mulher, curte apenas a conquista e a sensação que ela lhe traz.

Como eu sou um humanista não creio que exista diferença moral (ou intelectual) entre homens e mulheres. Não creio que os homens sejam mais grosseiros e estúpidos que as mulheres, e nem mais doces e cândidos que elas. Assim, a gentileza dos homens não deve ser vista como uma virtude suprema, tampouco a das mulheres.

Não esqueça que a “falsa” gentileza dele tem inúmeras contrapartidas do lado de lá….

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Xavecos

A ideia de “cantadas ruins” serve para transas ruins também. Está menos no outro e mais na receptividade do sujeito. Criamos teorias e regras, rotinas e protocolos tentando colocar validade na arte, mas o segredo reside na fantasia subjetiva, na sintonia que a palavra produz com nossas imagens internas, com o eco dos nossos desejos e fantasmas.

Lembrei da história de uma secretária do Pronto Socorro onde eu trabalhava no início da faculdade. Não tinha mais que vinte e poucos anos, era uma moça muito simples e bonitinha. Chegou na segunda feira no Pronto Socorro muito acabrunhada. Enquanto tomávamos nosso café no refeitório eu lhe questionei como foi o fim de semana.

– Um desastre.

Perguntei o que havia ocorrido e ela me descreveu o drama. Havia brigado com seu namorado cabeludo roqueiro porque ele era bruto, grosseiro, machista, violento e envolvido com drogas. Também mulherengo. Havia dado um basta nessa relação havia duas semanas.

Passados alguns dias aceitou o convite de um rapaz para irem a um barzinho conversar. Era um vizinho, trabalhador, conhecido de infância, estoquista num supermercado e que estudava administração à noite. Havia finalmente se declarado a ela ao saber do rompimento do seu namoro.

Assim fizeram. Todavia, a Deusa Álea – a Deusa dos fatos fortuitos – fez mais uma das suas travessuras. Durante o encontro, no barzinho lotado, apareceu o ex namorado. Furioso e indignado chega junto à mesa e, com o dedo em riste, iniciou uma rajada de acusações injuriosas. Logo se formou o bolo. As ironias iniciais deram lugar às ofensas mútuas entre os ex namorados. A tudo o amigo escutava tentando não se envolver, imaginando se tratar de uma questão que envolvia apenas os dois. No entanto o sarcasmo deu lugar às ofensas e essas deram espaço às ameaças explícitas. Foi quando o pretendente se levantou e disse ao cabeludo para que fosse embora, ou ele tomaria uma atitude.

Foi a deixa que faltava para a pancadaria começar. Rolaram sopapos, cadeiras na cabeça, socos, gritos estridentes, sangue no nariz e camisas rasgadas. A barbárie só terminou quando a polícia levou todo mundo para a delegacia onde passaram a noite.

– Lamento por você, disse eu. Você não merecia isso.

Ela fez uma expressão de desânimo e completou.

– Vou pedir demissão do Pronto Socorro. Não tenho mais clima para ficar nessa cidade. Conversei com ele e vamos morar na casa da sua madrinha no interior. Ela está vaga e vamos para lá ainda essa semana.

– Uma pena você ir embora. Vamos sentir sua falta.

Dei um abraço nela e me levantei da mesa do café para começar a trabalhar. Dei três passos em direção à porta e voltei a olhar para ela.

– Com quem você vai se mudar para o interior?

Ela deu um sorriso envergonhado e falou:

– Com o meu cabeludo querido, é claro…

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais