Arquivo da tag: desejo

Teta

Vi há pouco o vídeo da movimentação da língua de um bebê recém-nascido dormindo, simulando os movimentos da amamentação. Minha observação foi:

“Sonhando com teta, um sonho que vai acompanhá-lo por toda a vida”.

A ideia por trás desta observação é de que nesses estratos primitivos pré-verbais é que se alicerça a sexualidade humana. Nessa fase, chamada de “fase oral”, a boca é a grande ferramenta de prazer sexual. Só bem depois, passada a longa infância humana e com a lenta maturação sexual, encontraremos prazer genital, o qual será fundamental para a vida adulta e a reprodução.

Entretanto, as marcas da oralidade manterão resquícios por toda a vida. Arrisco dizer que o beijo é a característica de expressão afetiva mais saliente nas culturas exatamente porque carrega as memórias prazerosas da amamentação. Não fosse por isso – nossa oralidade e a ligação ao seio como fonte de prazer – e teríamos uma humanidade sem bitocas, selinhos ou beijos “desentope-pia“.

É evidente que a amamentação carrega essa carga enorme de erotismo o qual vai entrelaçar de forma amorosa mãe e bebê. “Se amor existe, este é o sentimento de uma mãe pelo seu filho e todos os outros amores são dele derivados“, diria o mestre Freud. É ali na imbricação de mútuos prazeres que uma mãe cumpre seu mais alto fim: ensinar seu filho a amar. Não resta mais muita dúvida sobre esta questão.

Também é óbvio que na mente da criança haverá marcas indeléveis desse período. A fixação ancestral dos humanos pelos seios produziu um fenômeno único entre os mamíferos: as mulheres humanas são os únicos primatas que mantém a turgidez das mamas fora do período de amamentação. Olhe uma fêmea chimpanzé, gorila ou orangotango e se pergunte: “onde estão as mamas?

Ora… do ponto de vista evolutivo as mamas das fêmeas humanas se mantiveram grandes e túrgidas pelo forte apelo atrativo e sexual que desempenham na nossa espécie. Foi um processo seletivo que ocorreu nos últimos milhões de anos. No Museu de história natural de Nova York, Lucy (australopitecus afarensis) é retratada com as mamas murchinhas, dando a entender que a mama como objeto de desejo ainda custaria a aparecer. Quando então começou essa transformação? Homo erectus? Homo rudolphensis? Ou junto com a razão – no Homo sapiens sapiens?

Por isso podemos apostar na ideia de que o sonho dourado desse bebê vai se manter em sua mente por toda a vida. Essa experiência primitiva de prazer vai acompanhá-lo, mesmo que não perceba. A estética graciosa, redonda, macia e voluptuosa das mamas permanecerá como ícone máximo do prazer.

As mamas, no imaginário humano – em especial no Édipo masculino – vão nos seguir, guiando nossas escolhas, direcionando nossos olhares e construindo nossos sonhos – nem que venham disfarçadas, como balões, flores gigantes e até bolas de futebol (as gorduchinhas).

Pois bastou tocar com essa singela frase na questão da eroticidade da amamentação para – de novo – aparecerem ataques no sentido de questionar a “erotização das mamas”. Ataques, como sempre, violentos.

Claro… mea culpa, mea maxima culpa, respondi de forma exagerada aos ataques. Peço perdão por isso. Entretanto, sempre me assombro com a onda puritana da geração atual. A mera menção do desejo relacionado à amamentação faz com que essas pessoas reajam com ferocidade. A simples ideia de que homens (e mulheres) venerem as mamas como sublime objeto de desejo deixa furiosas(os) as(os) jovens ativistas.

Suspeito que o problema é desnudar a própria existência deste desejo e trazer à tona um gozo escondido, recôndito e dissimulado. O que emerge com tanta voluptuosidade é a denegação do prazer que brota quando se amamenta em liberdade.

Aos envolvidos minhas sinceras desculpas.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto, Pensamentos

Cabeça de baixo

“Homem só pensa com a cabeça de baixo”

A frase é usada, em geral, para entender (e não justificar) atitudes irracionais que homens cometem em função da pulsão sexual. Tipo, se envolver com uma mulher “perigosa” apenas por atração irresistível. O que eu acho injusto é dizer que os HOMENS agem assim, quando na verdade mulheres são conduzidas por esta mesma força e com igual volúpia. Eu não acho o termo pejorativo e nem o vejo sendo usado desta forma. Ele é usado como uma confissão do gigantismo de um e a pequenez de outro. Creio ser este seu sentido verdadeiro: reconhecer a potência do desejo diante da insignificância da razão como forças motrizes da humanidade

Eu sempre escutei a frase como um lamento e o reconhecimento de uma espécie de maldição do espírito humano, e nunca como forma de justificar atrocidades. Assim, acho essa frase errada, e acima de tudo injusta. Na verdade ambos, homens e mulheres, quase nunca pensam com a cabeça de cima, como nosso racionalismo arrogante propõe. Somos feito por um núcleo pulsante de temores atávicos, rodeados de crenças irracionais e cobertos por uma fina camada de frágil racionalidade, que mais nos ilude do que orienta.

Somos coordenados pelas “cabeças de baixo”, do submundo de nossos sentimentos de onde brotam nossas pulsões mais profundas, sombrias e egoísticas. Não creio que um gênero esteja menos condenado do que o outro a este aprisionamento.

Por outro lado, de uma certa forma isso é bom. Não fosse por essa brutal irracionalidade nossos encontros seriam muito mais insípidos e nossa população muito menor. O poder do desejo é o que ainda nos mantém por aqui…

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Curar

Antes de curar alguém pergunte se esta pessoa está disposta a abrir mão do gozo de ser doente. A medicina, por não se perguntar dos seus sentidos, é a única forma terapêutica que trata o sujeito a despeito do seu desejo.

Zbigniew Trobowsky, “Cura”, Ed Prometeu, pag 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Desejo maternal

A vontade de ser mãe não é um desejo genuíno? É culturalmente construído? Bem, podemos pensar que o patriarcado tem 100 séculos, portanto muito recente para uma humanidade que tem 200 mil anos de idade. Passamos 95% da nossa existência fora do patriarcado, que é uma criação social razoavelmente nova.

Então eu pergunto: como era antes disso? As mulheres tinham filhos por qual razão? Não havia “pulsão” sexual e desejo de gestar? Todo o desejo de maternar é socialmente construído? Ou, como penso, socialmente “moldado”, mas pertencente à essência de qualquer espécie?

Penso que o desejo de ser mãe é genuíno e constitutivo. É feminino e essencial (da essência, para além da cultura). Não há grupamento animal em que esse instinto não apareça de forma gritante e violenta, irrefreável e inexorável, obedecendo ao único ditame pétreo da vida: a sua perpetuação.

Por outro lado, não aceitar como fato o relógio biológico que a natureza criou nas entranhas femininas não faz nenhum sentido. Como querer negar que uma mulher perde gradativamente sua capacidade reprodutiva ao passar dos 40 anos? E como negar que os homens a mantém indefinidamente? Tenho parentes homens que foram pais depois dos 50, coisa que não ocorreu com nenhuma mulher da minha família. A senescência ovariana, e a consequente perda da capacidade reprodutiva, talvez sirvam mesmo ao que alguns antropólogos chamam de “efeito avó” que aumentaria o sucesso reprodutivo das comunidades primitivas.

Sem dúvida que é possível falar da sociedade que massacra as mulheres com um essencialismo reprodutivo anacrônico. É válido inclusive denunciar uma cultura que coloca a maternidade como única forma de expressão social das mulheres. Todavia, a exaltação de todas as outras potencialidades femininas não pode chegar ao ponto de negar a pulsão de vida inscrita e expressa na maternidade ou não reconhecer a importância do relógio biológico. E este tal “Relógio biológico” apita mesmo e, por isso, as mulheres que desejam gestar e parir precisam levar em conta que o relógio não perdoa. Aí estão as “clínicas de fertilidade” em cada esquina que não me deixam mentir.

Circunscrever a felicidade ou a realização da mulher à maternidade é uma tolice, que aos poucos vai desaparecendo na cultura. Porém, acreditar que na inexistência de um desejo genuíno de gestar, ou que não existe um tempo (curto nos dias de hoje) para parir, é muito pior.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto

Pulsão materna

A vontade de ser mãe não é um desejo genuíno? É culturalmente construído? Bem, podemos pensar que o patriarcado tem 100 séculos, portanto muito recente para uma humanidade que tem 200 mil anos de idade. Passamos 95% da nossa existência fora do patriarcado, que é uma criação social razoavelmente nova.

Entao eu pergunto: como era antes disso? As mulheres tinham filhos por qual razão? Não havia “pulsão” sexual e desejo de gestar? Todo o desejo de maternar é socialmente construído? Ou, como penso, socialmente “moldado”, mas pertencente à essência de qualquer espécie?

Penso que o desejo de ser mãe é genuíno e constitutivo. É feminino e essencial (da essência, para além da cultura). Não há grupamento animal em que esse instinto não apareça de forma gritante e violenta, irrefreável e inexorável, obedecendo ao único ditame pétreo da vida: a sua perpetuação.

Por outro lado, não aceitar como fato o relógio biológico que a natureza criou nas entranhas femininas não faz nenhum sentido. Como querer negar que uma mulher perde gradativamente sua capacidade reprodutiva ao passar dos 40 anos? E como negar que os homens a mantém indefinidamente? Tenho parentes homens que foram pais depois dos 50, coisa que não ocorreu com nenhuma mulher da minha família. A senescência ovariana, e a consequente perda da capacidade reprodutiva, talvez sirvam mesmo ao que alguns antropólogos chamam de “efeito avó” que aumentaria o sucesso reprodutivo das comunidades primitivas.

Sem dúvida que é possível falar da sociedade que massacra as mulheres com um essencialismo reprodutivo anacrônico. É válido inclusive denunciar uma cultura que coloca a maternidade como única forma de expressão social das mulheres. Todavia, a exaltação de todas as outras potencialidades femininas não pode chegar ao ponto de negar a pulsão de vida inscrita e expressa na maternidade ou não reconhecer a importancia do relógio biológico. E este tal “Relógio biológico” apita mesmo e, por isso, as mulheres que desejam gestar e parir precisam levar em conta que o relógio não perdoa. Aí estão as “clínicas de fertilidade” em cada esquina que não me deixam mentir.

Circunscrever a felicidade ou a realização da mulher à maternidade é uma tolice, que aos poucos vai desaparecendo na cultura. Porém, acreditar que na inexistência de um desejo genuíno de gestar, ou que não existe um tempo (curto nos dias de hoje) para parir, é muito pior.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto, Pensamentos