Arquivo da tag: conselhos de medicina

Medicina e medo

Heis aqui algo que denuncio há 30 anos: “Médicos são treinados a SE proteger em primeiro lugar, e só depois disso a resguardar a saúde de seus pacientes“. Este é um problema ético basilar em uma profissão que é regulada pelo medo, pelas pressões e pela mão do capitalismo.

A disfuncionalidade do sistema é evidente e escandalosa. Pacientes, enquanto consumidores de produtos e serviços, são estimulados a um consumo abusivo, insensato e perdulário. Para constatar isso basta ficar 20 minutos sentado na sala de espera de uma emergência. O nível de equívocos por parte de pacientes e médicos é inacreditável.

Os profissionais também estimulam o uso exagerado dos seus próprios serviços ao determinarem regras sem evidências científicas que as embasem, através de chavões como “consulte seu médico regularmente“, ou “não esqueça de fazer o exame preventivo” e mesmo com os famosos Setembro isso, Outubro aquilo, Dezembro etc… colocando aí qualquer cor e fazendo pacientes frequentarem serviços especializados movidos pelo medo culturalmente instilado por estas campanhas publicitárias.

Realmente, a responsabilidade dos administradores dos sistemas de saúde é inequívoca. Aliás a ideia corrente que os chama de “praga” é maldosa, mas não está muito longe da verdade. Entretanto, como direi mais adiante, trocar administradores não resolveria a questão, apenas criaria outra crise. É preciso ir muito mais além, e modificar uma cultura médica anacrônica, alienante, objetualizante e cientificamente defasada.

Médicos são, via de regra, muito medrosos. Se borram de medo dos seus conselhos profissionais. Não ousam arriscar sua pele, e para isso não se importam de arriscar a dos seus pacientes. A cesariana é um bom exemplo dessa disfuncionalidade. Todo obstetra sabe que os riscos são maiores em curto e longo prazo com a realização de uma cesariana – tanto para a mãe quanto para os bebês. Precisaria ser muito alienado – ou inescrupuloso – para negar as evidências claras e insofismável a esse respeito. Entretanto, é inegável – e facilmente constatável – que a cesariana é MUITO MAIS SEGURA para os profissionais, exatamente porque a cultura tecnocrática criou o mito da “transcendência tecnológica” e com isso produziu uma atitude profissional chamada “imperativo tecnológico” que diz que “na existência de uma tecnologia, ela deve ser usada“, inobstante sua inutilidade ou mesmo o aumento dos riscos para o paciente com sua utilização. Médicos são premidos pelo medo a usar recursos para além da natureza, como operar e medicar, mesmo quando as evidências mostram que não fazer nada seria a melhor escolha. O resultado é uma epidemia de cesarianas, uso irrestrito de uma tecnologia que deveria ser usada apenas na exceção, e o aumento de mortes em decorrência dos maiores riscos envolvidos.

Os Conselhos de Medicina (CRMs), por sua vez, são órgão de proteção da corporação, e não dos pacientes ou da boa prática médica, como os próprios clientes dos serviços de saúde são levados a pensar. Para lá afluem médicos sequiosos de poder ou que trabalham em áreas complexas, onde precisam de “carta branca” para atuarem – a qual pode ser conseguida tornando-se um julgador de médicos. Os conselheiros são temidos por usarem seu poder como uma arma apontada contra inimigos ideológicos e contra todo aquele que questione o poder abusivo da medicina. Geralmente os profissionais que trabalham no Conselho são os que falharam no objetivo de conquistar poder através da sua prática, seja na atuação privada ou na academia. São violentos, sem grande brilho profissional e abusam do poder de aterrorizar colegas. São como policiais de ronda, sabedores de suas limitações, mas ávidos para exercer seu poder sobre o cidadão comum. São os tiranos dos “pequenos poderes

Parafraseando Napoleão Bonaparte, “São tantos os detalhes e as questões subjetivas envolvidas num atendimento médico que nenhum profissional está livre de ser massacrado por um conselho que antagoniza suas ideias ou posturas”. (“Há tantas leis que ninguém pode se julgar livre de ser enforcado” – Napoleão). Sem dúvida, a forma como um caso qualquer será visto nestes tribunais profissionais dependerá de fatores extra-médicos como poder, influência, dinheiro e – acima de tudo – o quanto o caso em debate vai ofender os pilares sagrados da relevância social do médico. O que julga os médicos é sempre o sentimento de ameaça que os conselheiros percebem em sua prática, e não o dano que possa causar aos pacientes.

Marco Bobbio no livro “O Doente Imaginado” fala muito dessas questões políticas e econômicas determinando a conduta médica, deixando a saúde e a segurança dos pacientes em plano secundário. A propaganda médica, os medos dos tribunais, a pressão insana a que são submetidos tudo isso produz uma medicina bizarra, onde o elemento chave para a sua compreensão é o MEDO, e a ideia de que médicos e pacientes estão distantes, julgando-se mutuamente como inimigos em uma arena de ameaças.

O grande problema, para mim, é o fato de que não é suficiente que se modifiquem os administradores, e que se lhe capacite a atuação para que seja mais científica e embasada. Isso apenas não funcionaria, assim como a oficialização da “humanização do nascimento” como prática padrão nos hospitais do Brasil poderia gerar caos e até mesmo tragédias, pelo simples fato de que os próprios PACIENTES ainda não estão prontos para uma medicina centrada na ciência e no uso racional de recursos – entre eles a tecnologia.

Para que isso seja realidade é necessário que ocorra uma revolução cultural, de baixo para cima, onde os médicos e administradores serão forçados pelo novo paradigma a revisitar os seus conceitos e práticas.

Para finalizar, o comentário sobre a frase de John Kenneth Galbraith “Toda a revolução é um pontapé em uma porta podre” feita pelo meu amigo, o professor Francisco Ferreira Carmo: “As pessoas acham que a revolução é dar o pontapé… sou da opinião que é fazer apodrecer a porta.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Abusos

Estive circulando na medicina por 39 anos e as atitudes desrespeitosas e abusivas dos estudantes, residentes, preceptores e professores sempre ocorreram. Não acredito que exista uma “crise” real surgida há poucas semanas ou meses, mas apenas uma publicidade maior para um problema centenário. Não há nada que me faça pensar que na minha época de estudante a atitude dos alunos em relação a pacientes e familiares era melhor. Em verdade, lembro de alguns episódios que seriam impensáveis nos dias de hoje, tamanho o desrespeito e o desprezo com as mulheres, em especial.

O que temos agora são mecanismos mais rápidos e eficientes de disseminar a informação e uma cultura mais madura para denunciar abusos, mas o comportamento dos estudantes e médicos continua o mesmo das últimas 4 décadas.

O problema pode ser melhorado com a vigilância sobre a formação e o reforço de conteúdos éticos na faculdade (nada a ver com ética médica, que tem muito mais a ver com Maçonaria e lealdade corporativa), mas nada vai mudar de verdade sem questionarmos quem são os brancos (87%) classe média alta (80%), filhos ou irmãos de médicos (40%) que constituem o corpo discente da maioria das faculdades de medicina do país.

Esse perfil de entrada é a base para entendermos o brutal fosso de valores, ideias, visões de mundo, perspectivas e posturas que separa os médicos do universo de pacientes que são por eles atendidos. Sem que essa distância seja encurtada toda e qualquer transformação será apenas parcial e/ou paliativa.

Não basta aumentar a carga horária da disciplina de deontologia médica para “passar uma cal branca sobre a casa rachada“. Não é com este tipo de atitude que vamos fazer uma revolução paradigmática. Precisamos debater que médicos queremos e quem estamos formando. Como bem sabemos, os médicos chegam à faculdade egressos de um estrato social completamente diverso dos pacientes que virão a atender, mas a escola médica, ao invés de tentar consertar este desvio e esta perversão ainda reforça os preconceitos, assim como a visão classista e excludente dos alunos. Os exemplos vem de cima; o preconceito é uma cátedra sem professor titular, mas que todos os alunos conhecem desde o primeiro dia do curso. É por isso que as pessoas que já conviveram dentro de uma faculdade de medicina não se espantam com o relato de doutores recém formados (ou não) desprezando enfermeiras, doulas e funcionárias(os) ou tendo atitudes absolutamente machistas e abusivas com os pacientes, os mesmos a quem juraram proteger e curar. Esse ainda é o padrão de uma corporação que insiste em se manter na Casa Grande.

Minha sugestão – e desde já deixo claro que ainda utópica e sonhadora – é a criação de uma instituição que existe em outros países, se não me engano a França: a “Ordem dos Pacientes” ou o “Conselho Federal dos Pacientes” que se ocuparia de receber as queixas de pacientes e estaria a serviço da sua proteção contra erros e equívocos de hospitais e profissionais de saúde. Pedir que os médicos façam o controle de seu próprio trabalho é ingenuidade. Os conselhos servem para proteger a medicina e os médicos, e isso não é uma acusação aos conselhos diante dessa importante e essencial função, mas o reconhecimento de que ela não é eficiente para auxiliar os pacientes. O “caso Adelir” é um bom exemplo. Para mim seria importante criar uma instância extrajudicial que pudesse fazer essa mediação antes de que os casos fossem enviados aos tribunais, diminuindo as demandas e fortalecendo as negociações, sem ser movida por um caráter primordialmente punitivo.

Não parece interessante? Eu, por conhecer os tribunais e seus conselheiros, percebo o quanto é ingênuo imaginar que os conselhos  de medicina possam deliberar contra si mesmos, cortar na própria carne e agir contra os poderes estabelecidos, os quais sempre beneficiam a categoria. Não faz sentido. Quando sou confrontado com esta minha desconfiança eu sempre pergunto aos amigos: “Na última eleição para o Conselho de Medicina, em quem você votou?“. Claro que as pessoas sempre respondem que só médicos votam nessa eleição. Então eu respondo: “E por que você acha que os conselheiros médicos favoreceriam os pacientes ao invés dos seus próprios eleitores?

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina, Violência