Arquivo da tag: Fadynha

Esboço de uma historiografia da Humanização do Nascimento

Foi em 1999 eu encontrei pela primeira vez as pessoas da minha tribo. Após atender o parto de Cristina Balzano Guimarães em Porto Alegre ela me contou saber da existência de um congresso que se realizava todos os anos no Rio de Janeiro, apenas com pessoas que desejavam trabalhar com a humanização do nascimento. Nesse congresso apareciam pessoas de várias áreas de conhecimento não apenas da medicina. Suas palavras reforçavam minha ideia, há muito acalentada, de que o parto não era um ato médico como fui levado a acreditar na Escola de Medicina, mas um evento para muito além dessa caixa pequena da medicina. Parto era um evento humano, onde concorriam muitas formas de saber, e cuja complexidade não poderia jamais ser amarrada a uma forma apenas de entendimento.

Até o aparecimento desse convite de Cristina foram 13 anos da mais absurda solidão, sem contato com nenhum outro profissional que tivesse ideias semelhantes às minhas. Nunca houve durante a minha formação profissional qualquer médico que ousasse questionar a exclusividade da atenção ao parto na mão dos médicos. Jamais algum profissional – entre professores e colegas – questionou as múltiplas intervenções sobre o corpo da gestante, quanto mais o direito de recusa e consentimento informados por parte dela ou da família. Toda forma dissidente de compreensão do parto era tratada com escárnio, deboche e menosprezo. Não havia sequer espaço para a contestação: o parto humanizado era o terraplanismo da obstetrícia.

Por certo que nos meus anos de formação não havia internet, nem redes sociais. “Rede social” era “rádio corredor”, que era a “fofoca institucionalizada”. Aliás, o nível tóxico de maledicência, vaidade, luta por poder e fogueira de vaidades durante a minha passagem pela universidade foram parte das razões por ter fugido da vida acadêmica, apesar dos inúmeros convites para fazê-lo. Para além disso, eu reconhecia a maldição que meu pai havia vaticinado há muitos anos sobre a minha pessoa: a marca da rebeldia. Não, não tomem como elogio, era algo realmente maldito, uma força compulsiva de questionar os poderes estabelecidos, a incapacidade de receber ordens, a fúria pelas injustiças e a sede de transformação. Todavia, pelos relatos até de familiares meus que ingressaram nessa carreira, a vida acadêmica se mostrava muito mais próxima de uma organização eclesiástica do que com uma fonte de ideias renovadoras e criativas. Não foi difícil para mim perceber a característica conservadora da Academia e, mais ainda, seu sistema de poderes. Achei que viver sob a pressão que se produzia nas Universidades não se encaixava no meu temperamento, mas ainda hoje tenho profunda admiração por muitos colegas que lá trabalham e militam.

Nos “anos heroicos” da humanização do nascimento o “congresso da Fadynha” era o nosso porto seguro. Eu sempre comparei minhas idas a este encontro anual como um jovem homossexual que, vivendo numa cidade do interior, pela primeira vez entra num “club gay” e descobre que existem outros que pensam e sentem como ele. O congresso era muito pequeno, talvez 100 e no máximo 200 pessoas, absolutamente artesanal. Tudo recaía nas costas da organizadora, Maria de Lourdes, chamada carinhosamente de Fadynha, uma hippie sobrevivente dos anos “paz e amor”, que dedicou sua vida na defesa do parto livre. O ambiente era absolutamente “bicho grilo”, o que para mim era desconfortável na época, mas que nas memórias aparece como uma das características mais deliciosas dos encontros. Sim, tinha Hare Krishna, tinha gente de manto, tinha turbante, tinha culto ecumênico, tinha sessão de Yôga. Era um clima de abertura sensorial, como um pedido aberto para os participante se questionarem “se o parto pudesse ser diferente, abra sua mente e imagine o cenário perfeito“.

Na época as viagens eram muito mais complicadas. A gente marcava hotel por telefone, comprava passagem de avião na loja da Varig no centro da cidade, pagava o congresso na hora (em dinheiro ou cheque) mas era sagrado participar do congresso da Fadynha. Não tinha dinheiro para estadia ou para pagar a viagem, e os palestrantes tinham que pagar sua inscrição também. Os temas eram simples, muito mais depoimentos de profissionais que estavam atuando de forma mais “fisiológica” do que debates técnicos com autoridades nacionais ou internacionais. Éramos muito singelos na forma de pensar, e os congressos funcionavam como uma catarse em grupo para desovar indignações e sonhos. Alguns temas seriam considerados absurdos hoje em dia. Lembro uma vez que uma advogada do grupo “SOS Erro Médico” foi chamada a palestrar e o tema de sua fala foi “processar médicos que deixam passar da hora e não fazem cesariana por cordão enrolado no pescoço“. Ai, ai, ai… Ficava claro que a pura indignação diante dos desmandos da obstetrícia contemporânea e da falta de vinculação com as evidências científicas eram insuficientes para levar adiante um projeto de renovação na atenção ao nascimento.

Neste tempo, início do milênio, também não havia uma clareza sobre partos conduzidos por enfermeiras e o tema do parto domiciliar era quase desconhecido. Vivíamos o debate ainda da “Casa de Parto 9 Luas”, uma experiência interessante mas que sucumbiu por questões administrativas – foi assim que lembro até hoje – mas que não era uma Casa de Parto (no conceito de parteria que temos hoje), e sim uma clínica de nascimentos que tinha até bloco cirúrgico.

Parto domiciliar era tabu, e a grande estrela desse tema uma moça que morava na Itália e pariu no Rio de Janeiro com uma obstetra chamada Stella. Certamente que ela teve sua importância na emergência desse debate. Éramos todos entusiasmados e profundamente ingênuos. Sabíamos o que não queríamos, mas não exatamente qual era o nosso Norte. Não se falava em “protagonismo” da mulher – essa vinculação com o conceito de autonomia estava ainda muito embrionário – mas em boas práticas, como abolir episiotomias, diminuir cesarianas, parto de cócoras, marido presente, etc.

O movimento de doulas (apesar de já existirem doulas, como Fadynha e Lucia Caldeyro, entre outras) surgiu em 2002 quando Maria Helena Bastos trouxe a Debra Pascali-Bonaro para um curso de formadoras no Rio, e a partir deste ponto o movimento explodiu como um rastilho chegando no barril de pólvora. A partir da entrada de um gigantesco contingente de mulheres leigas, fora do mundo da assistência ao parto, o movimento ganhou as ruas, as vozes se multiplicaram e as mulheres foram finalmente incorporadas mais diretamente ao debate. Depois disso, a criação da Escola de Obstetrizes da EACH (USP Leste) foi outro grande passo, protagonizado pela professora Dulce Gualda.

A criação dessa história corria paralelo nas listas de discussão nesta ferramenta fantástica criada pelos List Servers. Ali se brigava, se xingava, se debatia, se conhecia gente, se exibia, se crescia nos conceitos. Foi outro fabuloso propagador da boa nova, no alvorecer do milênio.

Já está na hora da história da humanização do nascimento ser escrita, mas o medo que sempre tive foi com a parcialidade dos relatos. O que escrevi acima é um bom exemplo. Está foi a minha perspectiva, de um profissional da medicina, do sul do país, isolado e numa época em que os contatos pessoais eram muito difíceis. Essa história poderia ser coordenada por alguém de qualquer área ou latitude, mas precisaria contemplar as múltiplas perspectivas deste movimento nascente. Como aconteceu esse movimento nos diferentes estados, quais as diferenças locais que produziram entraves e facilitações? Quais as personalidades que produziram mudanças reais e quais não – e por quê?

Esta historiografia seria fundamental para que nossa experiência acumulada de lutas pudesse frutificar, mas precisaria ser um trabalho coletivo. Nesse aspecto, esquecer nomes pode ter um efeito dramático. Como eu disse anteriormente, somos dotados dessa capacidade (única na espécie humana) de acreditar sermos mais importantes do que realmente somos, e isso faz com que pequenos esquecimentos possam produzir grandes transtornos e mágoas.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Doulas e tretas

Não acredito que haja muita “treta” nos debates contemporâneos sobre os cursos de doulas que se espalharam pelo Brasil. Em verdade eu vejo quase um consenso. O problema é que quando nós começamos a dar cursos no Brasil no início desse século havia dois polos de formação. Havia o grupo da ANDO que eu ajudei a criar com Fadynha, Lucia, Cristina, Renata e Zeza (que depois se desmembrou) e o grupo do GAMA – Ana Cris – no qual eu mesmo cheguei a dar aulas no início. Só isso para todo o Brasil, há 15 anos atrás. Era muito pouco, mas era o desbravamento de um campo completamente novo.

Hoje em dia existem dezenas de cursos proliferando pelo Brasil, o que não é ruim. Não vejo mal algum que possamos capacitar doulas para que elas estejam disponíveis em cada canto do Brasil. Por mim pode haver centenas de cursos, desde que não desvirtuem o papel da doula, retirando ou acrescentando as funções reconhecidas de sua prática.

Lembrando: doula não verifica sinais vitais, não avalia dilatação, não atende parto e não dá assistência médica ou de enfermagem ao recém-nascido ou à mãe. Doula é uma acompanhante de parto treinada par a dar conforto à parturiente.

Vou apenas acrescentar que doula pode ser analfabeta, velha ou adolescente (menor de idade eu faria restrições por causa dos partos hospitalares), homem ou mulher (já briguei muito por causa disso), cis ou trans, bonita, feia, gorda, magra, forte, fraca. Tímida ou espalhafatosa.

Quem escolhe é a mulher.

O problema que surge agora é a disputa por espaço. Criou-se a ideia de que os cursos “longos” são melhores, o que não condiz com a verdade das pesquisas. Também surgiu a ideia de que estágios são “essenciais”. Não creio nisso, apesar de que essa será uma ideia boa quando houver campo de estágio onde ocorram partos minimamente respeitosos. Levar doulas para assistir parto violento, episiotomia, parto deitado, puxo dirigido e Kristeller no SUS (e no privado) não ajuda ninguém.

Portanto, o choque que testemunhamos agora é o resultado natural de uma ideia de sucesso. Só há conflito porque o modelo contagia a todos. Resta a todo mundo que participa dessa história lutar para que não se repitam as lutas intestinas por poder típicas das velhas corporações.

E que assim seja.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto

Os Frutos

Há muitos anos eu imaginava que a verdadeira revolução na assistência ao parto seria uma modificação da estrutura da sociedade, em seus aspectos mais profundos. As condutas médicas durante o parto nada mais eram do que a ponta final de um processo que emergia das profundezas da estrutura social. A violência obstétrica era, no meu ver, como um osso de dinossauro na superfície do deserto, que tanto nos permitia perceber o gigantismo do animal quanto a tarefa hercúlea de desenterrá-lo.

Muito cedo me dei conta que a tarefa de reescrever a história do nascimento jamais se daria através da simples ampliação da consciência dos profissionais, seja pela alteração nas “práticas médicas” ou pela transformação das estruturas hospitalares. Isso seria reconhecer os poderes instituídos e tão somente suavizar sua opressão. Na época eu chamava este modelo de “sofisticação de tutela”.

Eu sabia que para mudar a forma de nascer precisávamos mudar a sociedade. Essa sociedade, assim consciente dos sentidos profundos do nascer, não mais permitiria que o parto se tornasse um foco disseminador de violência, exclusão e opressão, envolto na dura carapaça da misoginia. Sabia também que as vias de transformação se dariam através da medicina baseada em evidências e da interdisciplinaridade para enfim chegarmos ao pleno protagonismo do parto garantido às mulheres.

Para isso acontecer deveríamos contemplar 4 pontos essenciais:

A sociedade
Os profissionais
A mídia
Os operadores do direito

Nossa luta com junto à sociedade se dá há quase 30 anos, não só pela nossa ONG mais importante – a Rehuna Humanização Do Parto – como por tantos outros organismos surgidos espontaneamente. Citarei a Parto do Princípio e o GAMA como exemplos dessas instituições. Assim a sociedade – em especial as mulheres – sempre foram o foco primordial de nosso ideário. Se uma revolução no nascimento pode acontecer só será se forem as mulheres a conduzi-la.

Os profissionais humanizados se reúnem há mais de 20 anos para debater, questionar, construir um novo paradigma e disseminar sua visão renovadora através de artigos científicos e livros “à mancheia”, mostrando que temos, sim, muito a dizer e oferecer para esta luta. Dos encontros da Fadynha Doula, até os grandes congressos internacionais e o Siaparto, construimos uma rede segura e forte de disseminação de conhecimento embasado em evidências, reunindo profissionais de vários campos nesse debate.

A mídia ao poucos “vira o fio”. Se antes nos tratava como “malucos” ou “românticos” aos poucos reconhece que os partos humanizados são a ponta de lança da atenção qualificada. Os meios de comunicação hoje reconhecem que o combate ao intervencionismo é uma batalha que rompeu todas as fronteiras, que o excesso de medicalização prejudica a saúde da população e que o caminho é pela suavidade, pela “slow medicine” e pelo respeito aos direitos reprodutivos e sexuais. O sucesso de “O Renascimento do Parto”, a espera “angustiante” pela sua continuação e a produção de tantos outros documentários mostram que a visão da mídia sobre nossas palavras está mudando de uma forma bastante positiva.

O último elemento, o qual me motivou a escrever esta resenha, é a participação dos operadores do direito. Hoje a ReHuNa fez-se ouvir na Organização dos Estados Americanos, em Buenos Aires – através da brilhante advogada Ana Lucia Keunecke – que foi levar aos delegados desta instituição a voz dos ativistas do parto do Brasil junto com nossas denúncias de violência obstétrica. Tivemos a oportunidade de mostrar às Américas como se dá a perseguição sórdida protagonizada por corporações contra médicos, enfermeiras obstetras e doulas que lutam por partos mais dignos e menos violentos. Pudemos sensibilizar os delegados de muitos países irmãos para a nossa luta contra a violência institucional aplicada às gestantes, numa violação inaceitável de tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Importante também salientar a importância da Artemis como participante das lutas pela dignidade garantida às gestantes, mostrando que nossa paixão invadiu o universo do direito e lançou sementes que aos poucos mostram seus frutos.

Assim, minhas previsões todas estão se cumprindo. Entretanto, erra quem pensar que esta tarefa está próxima de seu término. “Longo é o caminho de quem deseja trazer luz e discernimento“. Humanizar o Nascimento é garantir o protagonismo à mulher e, enquanto nossa missão não for cumprida, haverá sempre razão para continuarmos firmes nesta trajetória.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

As Cores da Humanização

deuses-indianos

A humanização do nascimento é um movimento gestado a partir dos questionamentos sobre a sexualidade surgidos nos anos 60 e 70. Apesar dos trabalhos de Grantly Dick-Read terem sido produzidos nos anos 40 e Robert Bradley ter começado seu trabalho de “desmedicalização do parto” e a inserção do parceiro no ambiente do nascimento nos anos 50, foi após a publicação de “Birth Without Violence” de Fréderick Leboyer que a discussão de uma nova abordagem no parto tomou um forte impulso. Se o lema dos hippies era “Faça amor e não faça a guerra” – numa crítica aberta a participação americana na guerra do Vietnã – e a atitude era de franca liberação sexual, a abordagem não violenta do parto proposta por Leboyer estabelecia uma clara consonância com tais pressupostos.

Não por acaso a inquietação com a intervenção desmedida e a violência implícita nos atos médicos que ocorria em ambientes hospitalares disseminou-se pelo mundo inteiro com a força de uma “nova ordem”. Entretanto, a forma como estas ideias eram adaptadas a cada contexto cultural variava enormemente. Por exemplo: o termo “humanização do nascimento”, muito usado no Brasil, é quase desconhecido nos Estados Unidos. Lá a ideia se disseminou com os termos “amigáveis”: “Motherbaby Friendly Childbirth Initiative”, é como o movimento de humanização se chama por lá. Na Inglaterra, por seu turno, a associação que luta por partos mais suaves é “AIMS”, uma associação que luta pela melhoria dos serviços de maternidade, e a forma mais comum de se tratar do parto humanizado é chamando-o de “Parto Ativo”. Cada país imprime suas características específicas para estas ideias.

Por razões históricas a humanização entrou no Brasil junto com a contracultura hippie, que veio acoplada com o orientalismo que impregnou todo esse movimento, a começar pela aproximação dos próprios Beatles com Maharishi Mahesh Yogi. Aqui, o Yoga deixou o movimento com as cores do misticismo e das práticas orientais indianas. A introdutora desta discussão no Brasil foi uma professora de Yoga chamada Maria de Lurdes Teixeira, mas que atende pelo apelido de Fadynha. Em meados dos anos 80 ela criou um instituto de Yoga no Rio de Janeiro chamado “Instituto Aurora” que realizava encontros com casais grávidos de preparação para o parto natural. Desses encontros surgiu a necessidade de um encontro nacional de “parto natural e consciente”, que já está na sua 23ª edição. Estes encontros foram a porta de entrada para os debates sobre as humanização do nascimento, e foi dele que surgiu no ano de 1993, em Campinas, a ReHuNa – Rede pela Humanização do Parto e Nascimento. A partir destes encontros foram se agregando ao movimento de humanização profissionais de várias áreas – obstetras, pediatras, enfermeiras, parteiras, obstetrizes, doulas, etc. – em torno de uma série de reivindicações que estruturam o ideário do movimento. De início eram ideias centradas nos problemas do excesso de intervenções e a necessidade de “suavizar” a prática médica. Não havia ainda uma clara noção do que deveria ser feito, mas uma indignação compartilhada do que não deveria continuar ocorrendo.

No final do século passado surgiu um novo fenômeno na cultura mundial que acabou por modificar de maneira inquestionável todas as relações sociais, inclusive a forma como entendíamos a humanização do nascimento. A Internet diminuiu distâncias e aproximou pessoas com ideias semelhantes. Um pouco antes da virada do século surgiram os “list servers” que eram listas de discussão temática na internet e que abordavam infinitos assuntos. A primeira de lista de discussão de nascimentos chamava-se “Parto Natural”, e ainda está ativa. Seguiram-se a ela a “Amigas do Parto” (nome criado para criar semelhança com o grupo Amigas do Peito, que luta pela amamentação livre) que depois viria a se chamar  Parto Nosso”, ainda em atividade. Estas listas foram multiplicadoras de vozes sobre o tema da humanização, congregando, como por encanto, ativistas distantes milhares de quilômetros, em diversas partes do Brasil. A entropia gerada pelas listas de discussão acabou por fomentar um amadurecimento sem precedentes da estrutura ideológica dos movimentos de humanização do parto. Aquilo que anteriormente era indignação e desassossego com a tecnocracia obstétrica passou a oferecer alternativas de atenção centradas em um modelo de nascimento mais moderno e mais em sintonia com os desejos das mulheres. O surgimento, ainda nos ano 90, da “Casa de Parto 9 Luas” no Rio de Janeiro foi um exemplo desta nova atitude propositiva. Apesar da ideia não ter vingado – por problemas na própria concepção da casa de parto, que em verdade era uma pequena clínica e não uma Casa de Parto – este foi um dos primeiros modelos alternativos de atenção apresentados à sociedade. Se não continuou a oferecer atendimentos, pelo menos serviu como um exemplo de que muitas coisas eram possíveis de fazer em se tratando de modelos de atenção centrados na família, no afeto e no parto fisiológico.

A internet mudou a cara da humanização. Médicos obstetras, enfermeiras, doulas, psicólogas, pediatras, epidemiologistas e – principalmente – mulheres gestantes e seus companheiros juntaram-se no país inteiro através do espaço cibernético. As listas de discussão criaram um espaço amplo e democrático de encontro de ideias, e dos choques e embates gerados pelo conflito natural de propostas diferentes – por vezes divergentes – surgiu uma estrutura muito mais sólida, mesmo sem se pretender monolítica, que embasa as propostas de humanização do nascimento.

Em função de suas raízes, e da personalidade quem introduziu de forma sistemática este movimento, o Yoga impregnou a humanização do parto com as cores do misticismo e das práticas orientais indianas. Para alguns colegas de outros países isso soa muito estranho, talvez tão estranho quanto a relação estreita entre homeopatia e espiritismo, que entraram no Brasil pela mesma via, o médico lionês Benoit Mure, e acabaram se confundindo por muito tempo, o que causa uma rara estranheza em colegas franceses e alemães.

O que se questiona por ora é se essa específica vinculação entre a humanização do nascimento com sua origem ligada ao Yoga é natural, necessária ou deletéria. Para algumas pessoas, a humanização do nascimento caminha na mesma direção das ações “desmedicalizantes” do Yoga e outras práticas alternativas, e não é à toa que muitas mulheres que procuram partos humanizados também criticam o modelo médico contemporâneo ocidental e procuram formas de tratamento mais “suaves” e menos drogais. O Yoga é uma destas formas de procurar saúde sem a inserção de drogas no organismo.

Entretanto, para muitas mulheres cosmopolitas, a vinculação com essas práticas NÃO É natural e sequer desejada. Se acreditarmos que os pressupostos básicos da humanização sejam o protagonismo restituído, a visão interdisciplinar e a vinculação com a medicina baseada em evidências então nenhuma vinculação necessária existe com práticas não ortodoxas para a assistência humanizada ao parto. Podemos ser absolutamente ligados a uma medicina tradicional, alopática e endorcista sem ferir qualquer dos pressupostos fundamentais da humanização.

Isto parece certo, e parece não haver dúvidas quanto a este fato. Por outro lado, não vejo porque rechaçar a visão plural que estas práticas podem acrescentar, desde que entendamos que partos humanizados não significam (da forma como pejorativamente falam seus opositores) partos “naturebas”, em que se estimula um rechaço sistemático e dogmático à ciência oficial e aos tratamentos drogais e invasivos.

Assim, creio que a humanização do nascimento é uma casa grande e cheia de portas, por onde podem entrar várias formas de expressão do nascimento. Se as paredes forem mantidas de pé, com os pilares do protagonismo, a visão interdisciplinar e a vinculação com a medicina baseada em evidências, então as cores locais da humanização, sejam da Yoga, do budismo, ou até de um agnosticismo crítico, serão bem vindas.

A pluralidade das visões e o respeito às perspectivas diferentes devem ser pressupostos centrais no debate sobre o nascimento. Se existem infinitas maneiras de parir, tantas quantas forem as mulheres no mundo, então a forma como entendemos este movimento e suas expressões também precisa ser de incontáveis maneiras, tantas quantas forem as cabeças e mãos a construi-lo.

1 comentário

Arquivado em Ativismo, Parto