Arquivo da tag: necropolítica

Bate boca

A ação do Zé de Abreu foi mesmo exagerada, mas foi reativa. Ele escreveu como quem “bate boca” na rua, baixando o nível, atacando a pessoa mais do que as ideias. Porém, em sua defesa, creio que não há como esperar a mesma civilidade do torturado e do torturador. São pontos diferentes no espectro do debate. O governo atual nos ataca – as minorias em especial – todos os dias, com desrespeito e violência; alguma reação destemperada tinha que surgir, mais cedo ou mais tarde.

Eu também cobro coerência da esquerda, dos negros, das mulheres e dos pobres, mas são eles que estão sendo espancados e mortos pela necropolítica dos fascistas. É natural que as respostas mais indignadas surjam de quem mais sofre, e a classe artística nunca foi tão humilhada quanto agora.

Não basta ter vagina mesmo para exigir ser respeitada. Joice, Bia, Zambelli, Winter e tantas outras bolsonaristas que o digam. Qual a novidade? O mesmo se pode dizer sobre um deputado negro que ataca a comunidade negra. Ele é Capitão do Mato mesmo, pois essa figura representa o negro que combatia ao lado dos opressores escravagistas para manter seus irmãos de cor em cativeiro. A imagem é dura, mas correta. Não basta também ser “homem de cor” para ser digno; é preciso ser consciente e encarar a realidade do genocídio negro no país como uma emergência. É necessário abandonar a farda neoliberal que coisifica seres humanos e os submete aos interesses econômicos da elite financeira branca e lutar pelos seus iguais. Estamos em um momento de crise humanitária. Ficar calado é submeter-se.

Pior do que achar que agora “todos são fascistas” é não enxergar o fascista quando ele dissemina, fomenta, estimula e aplaude o arbítrio e a tortura; o preconceito e o fanatismo. Faltaram exagerados como Ciro e Zé de Abreu na ascenção de Hitler na Alemanha. Houvesse mais como eles e não teríamos sentido na carne o horror que o nazismo produziu por lá.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Tripas

Durante meus 30 anos de medicina algumas pacientes me traziam à consulta uma pergunta curiosa e reveladora após uma cirurgia ginecológica abdominal: “Doutor, me conte: como estou por dentro?“. A pergunta desvelava o desejo de conhecer algo que era dela, estava dentro de si, produzia ruídos, barulhos e alguns dissabores, mas que ela não conseguia ver com clareza. Minha resposta era algo como “está tudo bem“, seguida de um sorriso.

Bolsonaro filho é o deputado mais votado da história do Brasil. Gostaria de dizer que ele foi votado desta forma apesar de ter um histórico de ameaças contra a vida de sua namorada e de inúmeras demonstrações de machismo, racismo e lgbtfobia. Entretanto, isso não é verdade; ele foi eleito PORQUE é um fascista, racista e misógino. Ele foi escolhido PORQUE disse que as mulheres de direita são mais higiênicas. Ele foi eleito desta forma consagradora PORQUE exalta a violência e as soluções simplistas para a criminalidade. Ele foi eleito PORQUE debocha do assassinato de Marielle. Ele foi eleito PORQUE é filho do homem que representa o fascismo na sua forma mais crua e corrosiva, a reprise aterradora de uma história de horror e violência

Essa eleição nos deu a oportunidade de olhar para o ventre do Brasil. Vimos a cidadania em pedaços como carne dilacerada, a humanidade escorregando pelos nossos dedos feito nossas tripas. O respeito pelo semelhante se esvaindo como o sangre escuro de uma hemorragia. Vimos também as manchas do machismo, as úlceras do desrespeito às minorias, os nódulos necrosados do racismo, as gangrenas e os infartos da exclusão e do arbítrio. O que antes estava escondido hoje fica evidente aos olhos; o paciente jaz à nossa frente, o ventre aberto e as vísceras expostas e não conseguimos conter a lágrima que escorre pela dor de tanta aflição.

O pulso ainda pulsa, o coração frágil ainda bate, a face lívida, de onde brotam dois olhos esbugalhados, nos fuzila e o paciente – entre atônito e desesperado – pergunta: “Como estou por dentro“, e só posso dizer que a nossa esperança se manterá, mesmo que este corpo se esfacele, se consuma e se despedace pelos tumores que cresceram longe dos nossos olhos. Entretanto, enquanto houver força, seguiremos com esperança; enquanto houver certeza do raiar de um novo dia lutaremos em pé.

Deixe um comentário

Arquivado em Política