Arquivo da tag: paixões

Trolls

Não há abordagem sobre um qualquer tema polêmico na internet que não seja passível de deturpação. Acreditem, somos presas de nossas emoções mais primitivas e nossa racionalidade é um verniz de intelectualidade que serve mais como disfarce do que como roupagem. Não importa o quanto um sujeito explique seu ponto de vista com os detalhes mais redundantes e objetivos possíveis; ainda assim será possível – com um pouco de retórica e uma boa dose de perversidade – duvidar do que ele disse e argumentar que estava a dizer exatamente o oposto.

Não existe clareza suficiente para quem fecha os olhos e se nega a ver a luz. As pessoas não enxergam o argumento; enxergam a pessoa atrás dele e decidem – com base nos afetos e identificações – se ele merece apoio ou repúdio. A razão sempre perde essa batalha para as paixões.

O exemplo mais clássico comigo é debater coisas como cesarianas, parto domiciliar, socialismo, Palestina, etc. Basta esperar alguns minutos e…. voilá!!!! Nunca falha de aparecer alguém para escrever: “Ok, mas você é homeopata e eu não acredito em homeopatia, seu embusteiro!!!“.

O movimento óbvio desse sujeito foi: “Ok, eu entendi o que você disse, e creio que pode estar certo – ou não. Todavia, não vou aceitar que fale desse assunto pois não gostei de você. Como não conheço bem o tema vou atacá-lo pessoalmente – o que é bem mais fácil – e para isso valerá qualquer coisa que achar na sua história pessoal.

Está montada a treta. Depois do ad hominem não resta mais nada a fazer, só desejar boa sorte e dar block sem dó. Convencer pela razão quem assumiu uma posição sem fazer uso dela é a mais tola das arrogâncias.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Passientes

Passientes

A forma como chamamos as pessoas a quem atendemos sempre foi motivo de debates porque sabemos que a maneira como as nominamos carrega valores simbólicos que inevitavelmente levam a atitudes e modulam relacionamentos, mesmo que inconscientes.

Algumas pessoas da área psi os chamam de “analisandos”, que poderia ser usado por psicanalistas, mas não por médicos. Outras formas foram propostas, como “interagentes”, mas nenhuma me seduziu. Sempre que eu era criticado por continuar usando a palavra paciente – que remeterá à passividade deste – eu respondia com um “me ofereça uma alternativa”.

Outra proposta surgida há tempos foi o uso da palavra “clientes” que para mim soava muito pior, pois mercantilizava a relação. Colocava a relação médico-paciente no “código do consumidor”, com todos os parefeitos que isso possa ocasionar.

Desta forma, enquanto não me oferecerem uma palavra melhor ficarei com a tradicional, tentando oferecer-lhe novos conceitos e entendimentos, e com a consciência de que, se a sua origem um dia nos remeteu a um olhar de atividade sobre uma alma passiva, é tempo de  subverter está esta lógica e colocá-lo como condutor de seu destino e sua saúde, questionando sua passividade, o que deve ser o objetivo de um cuidador consciente.

Por outro lado, “paciente” sempre me ofereceu a conexão possível com outra palavra latina: “passion“, e esta forma de ver aquele que nos busca me interessou e cativou.

Afinal o que é um “paciente” senão aquele que nos encontra para trazer à tona suas paixões? Como um tesouro, ele as entrega à nossa visão com-passiva, esperando que as trataremos com a devida consideração, carinho respeito e atenção.

1 comentário

Arquivado em Medicina

Paixões, prisões

Paixão, prisão

Paixões são prisões autoimpostas, cárceres da alma onde o Império dos Desejos exerce sua tirania. Mas sem reconhecer o profundo significado destas pulsões fica impossível entender a trajetória humana que, despida de tais impulsos, não seria mais do que uma escrava das forças da natureza.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos