Abençoadas e Feridas

Foto tirada por Vanda Laurentino para ilustrar uma matéria sobre as doulas comunitárias (voluntárias) que atuam no Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD). As “modelos” na foto, Pollyana Sena e Caroline Ribeiro são doulas e também voluntárias no hospital.

Existem, a grosso modo, dois tipos especiais de doulas: as que entram nesta seara porque foram abençoadas por partos maravilhosos e aquelas marcadas pela violência no momento mais significativo de suas vidas. As primeiras querem espalhar sua experiência positiva para suas irmãs de maternidade, enquanto as últimas querem evitar nestas as dores, humilhações e traumas que outrora sofreram.

Para as primeiras é necessário um choque de realidade. Nem todo parto será pleno de luz e realização. É preciso preparo emocional para lidar com as inevitáveis frustrações que o trato com o nascimento produz. Sem isso, cada resultado negativo terá um impacto por demais violento sobre o ânimo de quem assiste. Pés no chão e pensamento positivo. Preparar-se para o pior, enquanto mentaliza o melhor.

Para as “doulas feridas”, é fundamental que, antes de cuidar da tessitura delicada do nascimento, consigam curar os traumas que carregam, para que cada nascimento não seja uma revivescência das dores, das humilhações e da impotência impostas a ela no passado. Sem esse mergulho em sua história de mãe cada experiência de doulagem poderá produzir uma identificação com suas experiências pregressas, o que em nada ajuda a mãe que está para parir.

Doulas não devem brilhar e nem tomar para si as responsabilidades do parto; elas devem tão somente refletir a luz que emana da mulher em seu maior momento.

As ações das doulas devem levar em consideração não apenas a mulher a quem atendem, mas todas as mulheres que precisam de uma imagem positiva das doulas para, a partir disso, confiarem no seu trabalho.

O movimento das doulas tem duas décadas no Brasil mas a ignorância de muitas mulheres – e algumas doulas – sobre os limites da atuação destas durante a atenção ao parto é preocupante. A confusão, que alertávamos há 20 anos, entre ativismo e atendimento direto à parturiente ainda se mantém. Esse tipo de fragilidade conceitual já produziu alguns atritos desnecessários e atrasou a implantação mais abrangente da proposta.

Não se faz ativismo em sala de parto; o ativismo só pode ser feito antes ou depois. Expor uma mulher em trabalho de parto a uma disputa de poderes é indecente. Doulas não podem usar o parto de suas clientes para resolver seus traumas com a assistência médica. Essa ação precisa ser feita em outras instâncias e tempos, sem envolver as parturiente e o momento do nascimento.

Criticar o ego inflado dos médicos transformando as doulas em adversárias destes pelo controle das mulheres é o avesso do que se espera de uma função transformadora para o parto e nascimento.

Com a multiplicação de cursos de capacitação de doulas, resultado de sua popularização e a disseminação dessa função no imaginário coletivo, creio que precisamos reforçar os aspectos éticos da atuação destas na assistência ao parto hospitalar. A existência de pessoas que usam esta função milenar para fazer ativismo intra-parto, desafiar autoridades, resolver dramas pessoais e atacar desafetos é inaceitável. Nenhum sistema de saúde vai facilitar a entrada dessas auxiliares sem que haja um compromisso de respeito ao local de parto.

Ativismo se faz em todos os outros lugares, menos na maternidade e na sala de parto, às custas do ambiente adequado da maternidade. Doulas não são fiscais de comportamento médico; são agentes para o bem-estar das gestantes. O ativismo necessário deverá ser feito sem colocar em risco o bom resultado dos partos e da atuação das doulas. Esse é um aspecto que deve ser salientado em todo é qualquer curso de capacitação.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s