Arquivo da tag: Bulgária

Les Mystéres des Voix Bulgares

Já que estão falando de música sertaneja e seus desdobramentos na cultura permitam-me que eu fale um pouco dos meus gostos estranhos para música. Sempre gostei de música vocal, acapella, corais, etc. Por certo que foi herança do meu pai que curtia músicas religiosas “gospel” tipo “Kings Heralds” ou “Arautos do Rei” – sua versão brasileira – e também música alemã de coral. Por causa dessa influência muito cedo descobri Joseph Shabalala – falecido em fevereiro 2020 – e os “Ladysmith Black Mambazo”, e o fiz antes de Paul Simon. Também curtia “Take 6”, “Boca Livre” e até “Da Boca pra Fora”, do meu amigo Lúcio Santos.

Entretanto, há uns 25 anos atrás meu caiu às mãos uma crônica de Tárik de Souza (escrita na Veja, quando esta revista ainda era um semanário de qualidade) sobre “Les Mystere des Voix Bulgares”, um grupo de mulheres que cantam músicas folclóricas da Bulgária. Poderia ser mais uma coluna de crítica musical elogiosa a um grupo que mantém intactas as tradições de seu país, ou sobre o ressurgimento de músicas folclóricas e tal. Mas não… Tárik falava de uma “sonoridade diferente” daquela conhecida no ocidente. Algo estranho de escutar. Falava de uma música chamada “Sekoj Fali” como “a entrada em uma nave espacial que, solta pelo éter, produz uma forma especial de conjugar sons e palavras, timbres e silêncios” (é o que minha memória reteve de suas palavras).

Fiquei muito intrigado com sua descrição, e totalmente tomado de curiosidade. “Como pode haver uma sonoridade desconhecida, que poderia até soar agressiva aos nossos ouvidos?‘. Li também que se tratava de um grupo formado apenas por mulheres, sem vozes masculinas. Comecei a procurar o CD (sim, já existiam) até que encontrei um lugar que os vendia, que mandei buscar fora do Estado.

As músicas me arrebataram por completo. Realmente, uma viagem lisérgica e estranha. Fiquei completamente chocado pela emoção que as músicas – cujas letras eu não entendia uma palavra sequer – me transmitiam. Foi uma descoberta impressionante.

Muitos anos depois, em 2012, recebi o email de uma querida parteira búlgara chamada Olga Ducat que havia lido o capítulo que escrevi no livro de Robbie Davis-Floyd (chamado “Team Work”) e desejava conhecer o modelo de trabalho transdisciplinar que havíamos implantado em Porto Alegre, com parteiras, obstetras e doulas trabalhando em horizontalidade e de forma cooperativa. Olga ficou sabendo que eu estaria dando um curso de Educadoras Perinatais em Portugal e assim solicitou que déssemos uma “espichada” até Sófia, na Bulgária, para apresentar um workshop e uma série de palestras no congresso que estava organizando.

Evidentemente que aceitei sem pestanejar, e a primeira coisa que me veio à mente foi a possibilidade que conhecer o “Mistério das Vozes Búlgaras“. Pedi para Olga e sua amiga Liubomira Lilova para verem da possibilidade de conseguir ingressos para um show delas, caso houvesse algum durante nossa estada de apenas 1 semana na capital búlgara.

Foi exatamente o que aconteceu. Mal descemos do avião e lá estava Olga para nos receber. Fomos ao hotel, deixamos as roupas e malas sobre a cama e rumamos céleres para um gigantesco teatro no centro de Sófia. Com Liubomira ao nosso lado, assistimos eu e Zeza à apresentação das mulheres de vozes misteriosas e belas. Não consegui parar de chorar durante toda a apresentação, o que é constrangedor e ridículo, mas honesto.

Perguntei para Liubomira se é comum elas se apresentarem em Sófia, ao que ela me respondeu: “Pelo contrário. Faz uns 4 anos que elas não tinham apresentações públicas. Foi muita sorte de vocês“.

Não foi sorte, foi um milagre….

Deixo aqui a música Izlel e Délio Hajdutin, uma música de amor, que fala do romance entre Délio, líder da guerrilha búlgara, por Gyulsumé, torturada pelos exércitos otomanos, mas que se manteve fiel ao seu amor pelo guerreiro libertador.

Existem muitas lendas sobre Délio. Esta música se refere à lenda sobre sua morte, embora seu fim trágico não seja mencionado diretamente. Acreditava-se que Délio era invencível – nem bala nem espada poderia matá-lo. Assim, seus inimigos, os anciãos de Zlatogrado, subornaram (ou forçaram) uma velha a implorar (ou roubar) dele uma moeda de prata. A bala de prata forjada com aquela moeda matou Délio enquanto ele relaxava ao pé de sua pedra favorita, junto ao rio. Sua amada, Gyulsumé, o alertou sobre a emboscada, mas ele não deu atenção ao seu aviso, pois pensava estar protegido pela anistia do sultão, anunciada recentemente.

Diz-se que a rocha, chamada Pedra de Délio, sangra – fica coberta por orvalho sangrento – todas as manhãs de sexta-feira

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Humanizar é…

Parteira Tradicional

Existe, inequivocamente, um crescente desconforto dos médicos quando se trata da palavra (ou do tema) humanização. Há alguns dias vi um médico fazer uma defesa apaixonada da medicina, quase às lágrimas, reclamando do uso da palavra humanização. Dizia ele que salvar pessoas, fazer cirurgias, aplicar o tratamento adequado, dar o remédio correto, dedicar-se ao estudo e atender seus pacientes com respeito e carinho era a VERDADEIRA humanização. Infelizmente esta é ainda a reação de muitas pessoas, mas este desconforto se baseia na incapacidade dos profissionais que trabalham com o parto de compreender a essência da humanização do nascimento. Essa dificuldade é notória em especial nos médicos, e muito menos presente nos profissionais das outras áreas (antropólogos, sociólogos, psicólogos, psicanalistas, etc.). O “black spot” da humanização se refere à incapacidade de reconhecer o paciente como SUJEITO, mantendo-se atrelado a uma postura que o considera como um objeto da nossa ação.

A postura que alguns médicos assumem diante dos pacientes muitas vezes me parece com aquela dos escravagistas, e com o mesmo tipo de surpresa honesta diante das queixas. “Como assim desumanos? Nós tiramos estes negros da África, onde estavam passando fome, e lhes demos roupas, comida, casa, um nome, um país e segurança. Como podem estar reclamando? O que mais podem querer?” Outro comportamento que me lembra esta situação é a queixa do marido dos anos 40 quando sua mulher lhe dizia que pretendia deixá-lo: “Mas porquê? Eu trago tudo para dentro de casa, não bato em você e não bebo! O que mais pode querer?“. Jamais passaria pela cabeça dessas pessoas (escravagistas conscientes e maridos) que eles – escravos e mulheres – pudessem desejar algo a mais do que aquilo que lhes era oferecido. Tal fato pode ser entendido porque a relação com tais personagens era objetual. Nunca se perguntava a um negro o quê desejava, o que almejava para sua vida e quais os seus valores. Para uma mulher os critérios eram sempre os masculinos, enquanto ela pudesse servi-lo, mas sem questionar suas aspirações e desejos.

Os pacientes são igualmente jogados neste lugar: patologias que precisam ser curadas, tumores a serem extirpados, bebês conduzidos à vida pela melhor via e remédios para todos males, mas através de uma visão que não leva em consideração o sujeito doente ou, no caso do parto, a mulher que está em sua travessia para o universo da maternidade.

Qualquer preocupação a respeito dos limites da autonomia de uma mulher é respeitável e compreensível. Entretanto, a tendência mundial é sempre permitir que as pessoas possam fazer escolhas baseadas em seus valores, sua visão de mundo e seus desejos. Essas histórias de “mulher que não quis deixar o médico fazer X ou Y“, questionando a autoridade médica, existem por aí, mas normalmente são um pouco diferentes do que se propaga. De qualquer maneira a existência de “radicais” nos deveria fazer pensar no tipo de atendimento que oferecemos em que uma mulher prefere parir SEM assistência do que com aquela que nós oferecemos. Um exemplo típico eu testemunhei em uma recente visita à Bulgária, quando conheci seu sistema de atenção ao parto. O movimento de humanização de lá precisa lidar com um número preocupante de mulheres que preferem parir escondidas com o auxílio de amigas do que enfrentar o sistema público (o único existente) de atenção ao parto, que obedece o modelo autoritário, punitivo e violento da medicina comunista. Mais do que criticá-las (e podemos fazer isso, sem problema) é preciso saber porque elas fogem da assistência oferecida. Assim sendo, nunca é demais repetir: se nós tivéssemos Casas de Parto e hospitais que respeitassem a autonomia e a autodeterminação das mulheres o número de gestantes optando por parto domiciliar cairia imediatamente, talvez para menos da metade, pois que boa parte delas quer um parto digno e sem violência, o que é difícil de encontrar na atualidade.

O caso Adelir traduz esta inabilidade nas suas últimas consequências. As doutoras que a atenderam até hoje acreditam piamente que fizeram o que era melhor, mas jamais pensaram na possibilidade de garantir à mulher o poder de decidir sobre como seu filho viria a nascer. Mesmo com todos os papéis e documentos assinados à gestante jamais foi oferecido o direito de decidir sobre seu parto.

Humanizar o nascimento é garantir o protagonismo à mulher. Sem isso teremos apenas tutela, a mesma que oferecemos às crianças e aos incapazes“.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto