Arquivo da tag: magia

Ludopédio

O futebol, além dos seus elementos estéticos e anticapitalistas (como disse Túlio Ceci Villaça), mais um fator importante, que eu poderia chamar de decisivo para que seja considerado o rei dos esportes: seu caráter democrático, que inexiste no basquete, no vôlei e até no tênis: você pode ser um gênio da bola e ter apenas 1.70m de altura, como Pelé, Maradona, Messi e Romário. Também dois pares de Havaianas já fazem um campo, ou mesmo se pode armar uma cancha em lugares improváveis, como o famoso jogo improvisado entre alemães e ingleses na trégua das batalhas da 2a Guerra Mundial. Por certo que isso seria muito pouco provável nos outros esportes, com suas redes e cestas nas alturas.

Em todos os outros esportes com bola a qualidade superior dos poucos atletas em quadra fará o resultado na maioria das vezes. As zebras são muito mais raras. Já no futebol o medíocre por vezes ganha do excelente e, exatamente por isso, faz história. O “maracanaço“, nosso mais amargo insucesso, foi a derrota para um time tecnicamente inferior, mas com uma garra e determinação invejáveis, elementos “mágicos” do futebol. Nossa derrota ofereceu ao Uruguai o mito fundador de uma escola inacreditável de craques, impossível de imaginar para um país que não é maior do que alguns poucos bairros da cidade de São Paulo.

E paro por aqui para não falar da “Batalha dos Aflitos”, o acontecimento mais épico da história do futebol. Só este esporte é capaz de tamanha magia…

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Mágica

Existe uma brincadeira que todo tio ou avô já fez com seu sobrinho ou neto. Eu até acho que como pai eu não fazia, mas agora velho acho irresistível: dar um tapinha no ombro contrário do meu neto e me fazer de maluco. Enquanto ele olha para o lado oposto em que estou tenho tempo de me recompor e fazer cara de paisagem. Aí ele me diz com uma graça irresistível: “Eu sei que foi tu, vovô!!”,  ao que eu respondo com surpresa e indignação.

Talvez algum psicólogo critique esta brincadeira, analisando-a sob a ótica das novas concepções do desenvolvimento emocional infantil, mas não consigo resistir, em especial porque depois ele tenta fazer o mesmo comigo e preciso encenar uma atuação espetacular para mostrar a ele que também estou sendo terrivelmente ludibriado.

Entretanto, no último domingo aconteceu um fato interessante. Estávamos almoçando em um restaurante e o Oliver sentou ao meu lado. Na TV à frente passava um jogo de futebol. Oliver comia uma fatia de pizza despreocupadamente e num momento de distração cutuquei seu ombro. Ele se voltou para o lado oposto onde eu estava, como esperado, e eu tive tempo de retornar para minha posição estática, sério e de olhos vidrados na TV.

Foi então que ele me surpreendeu. Quando me viu de braços cruzados, sério, compenetrado e olhando a TV…. ele chorou. Fez um muxoxo e disse “Não gostei”. Imediatamente sua mãe ralhou comigo, mas eu fiquei intrigado com o seu pranto. Comecei a falar com ele e notei que intercalava risadas envergonhadas com muxoxos. Fiquei intrigado pois queria entender a razão de chorar diante da brincadeira que era comum entre nós.

A resposta para esta indagação veio mais tarde quando pude reconhecer que o problema – perdão pela petulância – foi a excelência da “performance”. Sim, ao contrário das outras vezes, onde o criminoso é sempre um tanto óbvio, meus braços cruzados, o olhar fixo na TV e minha cara séria o desconcertaram. Eu o coloquei em contato com uma angústia bem primitiva: o medo do desconhecido.

Talvez este seja o mesmo fator que faz as crianças em especial (mas também os adultos) adorarem mágica. Existe uma regra básica na performance: o mágico é o elo entre o real e sua expressão aos sentidos. É por  ele que o truque passa, e a nossa ansiedade é controlada por esse conhecimento. “É tudo uma ilusão,  mesmo que eu não saiba como se produziu”. O mágico fez aquilo, de alguma forma.

Para Oliver o toque no ombro é obra de alguém, e isso lhe permite confiar nas leis do universo e transitar por ele com alguma segurança. Entretanto, se o avô estava tão distante do fato, com um comportamento tão alheio… poderia não ser ele – pelo menos desta vez. Quem seria? Que outra realidade poderia existir? Seria possível uma “mágica” real, verdadeira, um efeito sem causa?

Talvez isso tenha deixado Oliver com medo: a possibilidade de eventos que não podem ser explicados e traduzidos pela sua lógica, algo que lhe foge à compreensão. O “erro” cometido foi ser competente demais, não fazer uma boca torta ou um sorriso contido que denunciasse o truque e mostrasse o culpado. Isso o aliviaria “Ufa, foi o vovô de novo“.

Lembrei disso essa semana ao debater alguns temas no Facebook e perceber a angústia que desperta nas pessoas a apresentação de formas alternativas de abordar a realidade. Esta é a mesma angústia que sofrem os religiosos quando confrontados com a possibilidade de um mundo governado por leis outras que não a autoridade máxima de um Deus antropomórfico. Diante de uma ordem cósmica incompreensível – à primeira vista – a atitude natural é a negação e o combate visceral, como se aquela forma diferente de interpretar o mundo fosse uma ameaça à sua sanidade. Acontece na Medicina e em qualquer área do conhecimento.

Todavia, crescer é, acima de tudo, enfrentar esse desafio e encarar o abismo que se apresenta quando abrimos a porta para o universo e nos deixamos impregnar pela escuridão do infinito.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais