Arquivo da tag: Max

Polícia

Meu amigo Max ligou hoje como faz regularmente de vez em quando, ou mais provavelmente quando lhe dá na telha. Parecia agitado, como quem acordou e teve um sonho muito louco. No meio da conversa ele me disse que teve uma visão, e que precisava me contar.

– Diga…
Max pigarreou e começou a me contar sobre seu devaneio.
– Cara, é o seguinte. Imagine que as polícias de uma hora para outra acabassem. Escolha o método: epidemia, terremoto, desistência, demissão, ataque externo, ETs etc. Não importa a forma do desaparecimento para minha ideia; elas apenas desapareceram. O que ocorreria?
– Caos…
– Ok, eu concordo. Seria caótico. Saques em supermercados, ataques a concessionárias de carros. Roubo de postos e estoque de gasolina. Mais ou menos como na distopia de “Ensaio sobre a cegueira”. Mas e depois? Conte como seria o “day after” dessa catástrofe.
– Bem, as pessoas teriam que se proteger de alguma forma contra aqueles que tentam roubar o que é seu. Sua casa, seu carro, sua loja, sua comida.
– Sim, mas as pessoas não fariam isso sozinhas, certo? Logo depois eles pediram ajuda do companheiro, da esposa, dos filhos, dos amigos, dos parentes; depois dos vizinhos da rua do bairro, etc. Todos juntos com tacos de beisebol, armas, facas, defendendo as suas coisas. Barbárie explícita, ao estilo “Walking Dead”.
– Exato…
– Mas lá pelas tantas grupos maiores iriam se organizar, não apenas para guardar suas coisas, mas pela via da força pegar e garantir a propriedade de tudo que fosse possível pegar. Pura sobrevivência.
– Sim, pode ser…
– As cidades então seriam divididas em grandes grupos de milícias, que garantiriam a posse para seus líderes. Estes controlariam as propriedades saqueadas da cidade, tornada sem lei, pois que a força e a organização das milícias seria a única regra neste mundo distópico.
– Sim, parece plausível.
– Mas imagine que, eventualmente, alguém tem a ideia de unificar as milícias para que o saque seja repartido entre os líderes, com menos disputas e mortes, mas mantendo a garantia da posse do saque para o grupo de líderes. As propriedades saqueadas estariam na mão dos líderes que mais bem se organizaram no caos e as milícias unificadas seriam a proteção do que foi recolhido de todos durante o período de rapina.
– Sim, como um cartel de milicianos controlando tudo sob o mando dos líderes.
– Exato…
– E daí?
– Sabe como seria o nome dado a estas milícias?
– Hummm, não sei… qualquer um…
– Ora, como se chamaria a instituição criada para evitar que as grandes massas reclamem o que é seu e para proteger as posses saqueadas pelos líderes que as tiraram o povo?
– Bem, você quer dizer que…
– ……
– Max, você está aí? Alô?

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Biografia

Quando eu lançar minhas memórias definitivas as publicarei com um pseudônimo charmoso (pensei algo como “Bertrand du Belmont”) e com o subtítulo “biografia não autorizada”. Mais ainda, vou inserir algumas passagens falsas (ou verdadeiras) para irritar, causar escândalo e posteriormente ser cancelado por grupos identitários. Espero que com essa estratégia será possível transformar um retumbante e espetacular fracasso em um sucesso editorial, alavancado pelos meus próprios inimigos, a quem ficarei eternamente agradecido.

Max, comunicação pessoal, ontem pela manhã, enquanto chovia

Deixe um comentário

Arquivado em Humor

Mãezinhas

Entre as expressões mais comumente utilizadas em centros obstétricos (e em lojas de roupas para bebês) está uma que ainda encerra certa divisão nas opiniões.  

Para alguns, trata-se de uma expressão carinhosa; para outros uma espécie de armadilha linguística, que cairia na categoria que Maximilian definiu como “verbose”. A expressão é “mãezinha”, tão utilizada pelas pessoas que atendem mulheres cujo volume abdominal denuncia um nascimento que se aproxima celeremente. Entretanto, sabendo que existe muito mais por trás das palavras do que a mera superficialidade de sua intenção, eu prefiro me filiar à tese das “intenções recônditas”, vendo nestas expressões jogos verbais que camuflam os verdadeiros propósitos a que servem. 

“Mãezinha” nos apresenta um duplo código:   O primeiro é a presença óbvia e ostensiva do diminutivo, que serve para infantilizar a gestante, tal qual o discurso feminino das “coisinhas, pequeninhas e bonitinhas“, que é utilizado para desmerecer as ações e o universo de significantes de meninas e mulheres.   Isso se produz desde a infância, onde a delicadeza e a fragilidade são expressões valorizadas no comportamento feminino, e onde a força e a imposição são por vezes intoleráveis. A “mãezinha”, assim tornada criança, é mais facilmente manipulável e condicionada a aceitar as ordem que lhe são dadas. Além disso, com menos culpa suprimimos as suas vontades e solicitamos que obedeça o sistema, com suas regras e protocolos. O segundo sentido oculto – e para muitos totalmente inconsciente – é a liquefação do sujeito, a amálgama deste no tecido social, como diria Max.

Tal situação se percebe em todas as circunstâncias em que a individualidade e a subjetividade precisam ser abolidas e amordaçadas. Um exemplo típico, em outra instituição de contenção social, é nas forças armadas.   Quando fui oficial médico na aeronáutica tal era a prática estimulada: jamais chamar pelo nome, e sempre pela inserção funcional do sujeito na instituição. Chamávamos pelo que determinado militar fazia, como se o sujeito fosse reduzido à sua função, sua utilidade. Assim eram os “soldados”, “sargentos”, “cabos” ou mesmo “capitães”.  

Não havia “sujeito”, apenas sua ação. Mãezinha serve a este fim: a supressão da individualidade e a infantilização de um sujeito tornado objeto.”

Deixe um comentário

Arquivado em Parto