Arquivo da tag: perspectiva

Parto e Privacidade

Diante da explosão de emoções suscitadas por um parto me parece justo que a equipe possa descrevê-lo a partir de SUA perspectiva, até porque um parto sempre terá inúmeras interpretações. Sem dúvida que as mais importantes são as “de dentro” e todas as outras “de fora”.

Uma equipe pode falar que um parto foi maravilhoso ou problemático, desde que o descreva do ponto de vista da atenção prestada. Só uma mulher pode falar de como se sentiu ou como digeriu sua experiência de parir.

Para além disso, nem a descrição que a mulher faz do próprio parto pode ser considerada “a definitiva”. Apesar da primazia de suas percepções – já que é a óbvia protagonista – suas expectativas e projeções subjetivas podem obscurecer a realidade dos fatos, fazendo com que muitas vezes ela descreva seu parto de uma forma completamente diferente de outras perspectivas.

Um parto, por ser um evento humano e multifacetado, sempre comportará várias interpretações e vieses. Além disso, é um dos eventos mais complexos da existência humana, que conjuga em sua essência vida, morte e sexualidade. Exatamente por essas características o nascimento será um processo sensível e reservado. As pessoas convidadas a participar dele precisam entender a importância de resguardar sua privacidade. Assim, não faz sentido que aqueles que o testemunham revelem suas particularidades sem a aquiescência da protagonista, e isso deve ser um consenso entre os cuidadores.

Não se trata de determinar a existência de uma única verdade no parto, a perspectiva justa e certa, pois que isso não existe. Parto só pode ser entendido pela paralaxe de múltiplas visões, em que todas completam o todo interpretativo de um evento múltiplo. Porém, as características pessoais de cada nascimento impõem a reserva e o respeito de todos os que dele participam.

Resguardar a sacralidade do parto depende do preparo dos assistentes e da capacidade de entender sua posição subjetiva como auxiliares de um evento cujas repercussões estão muito além da nossa compreensão.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

A necessidade da transcendência

nausea

Olha, qualquer um pode enxergar de forma negativa até mesmo o sexo, quanto mais uma gravidez. Todavia, as descrições negativas sobre a gravidez que frequentemente encontramos na Internet não descrevem as agruras e problemas em si, mas as dificuldades de pessoas que não conseguem perceber sentido no conjunto de transformações pelas quais uma mulher passa durante sua gestação. Quando focamos no negativo e no problema ele se torna absolutamente evidente; quando voltamos nosso olhar para outro lado, ele desaparece.

Para quem está cego à transcendência é impossível perceber a luz. Podemos, sem muito esforço, descrever uma rosa como uma “vara cheia de espinhos que facilmente perfuram dedos desavisados“. Podemos descrever o nascimento de uma criança em termos econômicos, fazendo cálculos que começam nas fraldas e terminam na universidade particular. Podemos enumerar os transtornos físicos, os edemas, o peso alterado, as náuseas e tantas outras coisas. É uma questão de viés e, portanto, de escolha. Um momento mágico e glorioso como a gestação (para o meu olhar, admito) pode ser entendido e traduzido apenas pelos desconfortos que frequentemente se apresentam à grávida. Um período curto de 9 meses pode ser visto como uma “longa e torturante jornada”. O natural e charmoso crescimento do útero pode ser visto como um transtorno sem precedentes e até uma perda de feminilidade. Porém, quanto mais as mulheres se afastam de sua essência feminina, onde a gestação e a maternagem tem lugar de destaque, mais elas perdem seu valor específico.

Para nós, homens, é fácil abstrair a magia e nos focar nos pés inchados, na ciatalgia e nas cãibras. Já para uma mulher, que mergulhou nas águas misteriosas de uma gestação, é muito mais difícil manter-se alheia à intensidade inebriante de suas transformações. Por isso mesmo as descrições negativas e até pejorativas da gravidez são para mim espantosas. Eu respeito qualquer forma de olhar para a gestação e o nascimento, até partindo daqueles que pretendem artificializá-los ad infinitum. Entretanto, se existe algo da essência humana que vale a pena manter, creio que esta chama tímida se esconde no nascimento. Toda a história de nossa espécie foi escrita pela ligação entre uma mãe e seu filhos. Max adora repetir o adágio freudiano de que “Se o amor existe, ele é o amor de uma mãe por seu filho, e todas as outras formas de amor são dele derivadas“. Portanto, esse amor – que é fruto da extremada dependência do filhote humano ao nascer – esculpiu o que somos. Somos filhos dessa fissura cósmica, o inexplicável, o não planejado. Somos o que somos por causa do amor, e ele apenas pode nos definir. E se isso é verdade, qualquer mudança nas delicadas tessituras deste envolvimento primitivo poderá ter consequências funestas para todos nós. Talvez, num futuro distante, teremos a triste nostalgia do tempo em que uma mulher podia sentir alegria, contentamento e plenitude na sua gravidez, mesmo rodeada de pequenos desconfortos passageiros.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto