Arquivo da tag: anticoncepção

Duas vidas

“Ahhh, mas são duas vidas, e cabe proteger ambas. Para evitar basta se cuidar”.

Não é simples assim no mundo concreto. Vai depender do seu conceito de aborto e da época da gravidez em que ele foi realizado. No mais, é por haver vida – mesmo em potencialidade – que sou contra o aborto; prefiro preservá-la sempre. Porém, todas as vidas, e encarando sua manifestação concreta.

Portanto, a REALIDADE é outra, diferente das visões idealistas. No mundo REAL as mulheres vão acabar procurando métodos ilegais – portanto, perigosos – para interromper as gestações e vão correr sérios riscos; muitas delas vão terminar morrendo no auge da sua juventude.

Ser a favor da descriminalização do aborto e permitir que seja incorporado pelo sistema de saúde significa encarar o mundo como ele é, sem visões idealistas e aprendendo com as experiências REAIS de sua aplicação. As mortes evitáveis de mulheres em abortos clandestinos não nos permitem mais perder tempo debatendo aspectos metafísicos da vida e seu valor; é preciso agir com a ideia de “menor dano”, tirando milhares de mulheres do destino terrível da morte por abortos insalubres.

Em todos os países onde o aborto seguro foi instituído pelo sistema público houve diminuição da mortalidade materna e são essas vidas de mães e mulheres que nos cabe proteger, acima de qualquer outra consideração. Isso não invalida a ideia de manter e incentivar a educação de meninos e meninas sobre a anticoncepção e gestação conscientes, mas sim interromper o massacre sobre mulheres pobres que se submetem a métodos cruéis de interrupção da gravidez.

Aceitar a REALIDADE acima de nossas crenças e ideais é um passo importante para produzir uma sociedade de paz, onde as gestações sejam uma benção e não um peso ou uma sentença de morte.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Assuntos Médicos

Eu não considero aborto um assunto médico, com exceção dos pequenos detalhes da intervenção como anestesia, antibióticos e posicionamento. Acho que a opinião do ginecologista sobre esse assunto – numa concepção abrangente – é igual a de qualquer outra pessoa da comunidade onde se insere. As questões médicas relacionadas ao procedimento são simples, técnicas e até desimportantes quando se analisam os grandes pontos de tensão.

Aborto é uma questão social e o médico é um dos participantes menos importantes nesse debate. Aliás, os médicos – via-de-regra – são fiéis representantes dos modelos sociais patriarcais. A medicina como instituição é um braço do patriarcado, responsável por sua manutenção e disseminação. Por isso a corporação médica está sempre ao lado das classes mais abastadas em qualquer debate, como os que temos na atualidade.

Eu não acredito numa visão “médica” sobre temas como anticoncepcão, parto humanizado e aborto. As opiniões médicas são as o reflexo de suas visões de CLASSE. Os médicos tem opiniões de classe média alta, que é a classe que (ainda) pertencem. Quando um médico dá sua opinião sobre aborto sua formação técnica não terá nenhuma relevância. O que vai contar é sua formação pessoal e a classe onde está inserido. Muito mais significativa será sua estrutura pessoal, social e emocional do que qualquer aprendizado técnico recebido na Universidade.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina