Arquivo da tag: Berlusconi

Política de estimação

É também curioso o malabarismo para criminalizar a política, como se os políticos fossem uma espécie diferente de ser humano e fossem corruptos em essência. Tratar os políticos todos como criminosos apenas abre as portas para ditaduras e “outsiders”, que se acham “gestores”, mas que fazem dissimuladamente política à direita do espectro ideológico.

É bem sabido o desastre que advém do descrédito com a política. Esse discurso produziu Berlusconi, Trump, Bolsonaro e poderia ter produzido Moro não fosse a Vaza Jato. A solução para os maus políticos é mais política, mais crítica, mais vigilância e um sistema mais justo.

Eu não cultuo”políticos” de estimação, mas por certo tenho uma POLÍTICA DE ESTIMAÇÃO.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

O Discurso da Direita

Vejo duas características sobressaindo no discurso de direita, em especial naqueles mais “exaltados” ou cuja revolta os faz pensar em “intervenções”. Em primeiro lugar a ideia do gestor “apolítico”, o empresário sem filiação partidária (ou cujo nome seja maior que o do partido), o cara tão rico que nao precise roubar (minha fantasia predileta) e o sujeito acima das “divisões” ideológicas para assim insinuar figuras grotescas que adentram a coisa pública, como Dória, Berlusconi, Silvio Santos, Huck ou mesmo Bolsonaro (que é político, mas que em 26 anos nada fez além de esbravejar e disseminar ofensas). A via da administração “sem ideologia” – a exemplo da “escola sem partido” – é uma tentativa de consagrar a visão conservadora como a visão “correta” da sociedade, contra a qual se insurgem as outras, que desestabilizam a “ordem natural das coisas“.

A segunda característica é a fantasia de políticos impolutos e honestos eleitos por uma população que é famosa por dar “jeitinho” e em que a corrupção das pequenas coisas faz parte do seu cotidiano, sendo financiados por uma canalha empresarial escravagista, racista e elitista. Esse tipo de proposta nos leva ao cinismo e diretamente a um voto nas aparências. Quem mentir melhor, ganha. Falar de “franciscanos” no poder também me remete a um período em que a direita brasileira mais se identifica: a idade média. Fanáticos religiosos no poder, como o prefeito do Rio, é o mergulho mais certeiro na idade das trevas.

Essas propostas da direita se enquadram dentro de uma visão de combate à corrupção que é plantada na população toda vez que os partidos de esquerda obtém o poder e insinuam uma mudança nas classes sociais. Portanto, nada mais são do que cortinas de fumaça para afastar a todos da luta verdadeira: a justiça social e o combate à iniquidade.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

O Fim da Política

photo

Mais cedo ou mais tarde apareceria alguém pedindo o desaparecimento das ideologias e o surgimento de um “positivismo político cientificista”, algo para além dos partidos em que a “competência” administrativa “comprovada” por um currículo “acadêmico” pudesse depurar a política dos tolos, oportunistas, ignorantes e todos os sujeitos movidos por interesses espúrios. Uma espécie de aristocracia ao estilo “Nosso Lar”. Seria a negação do conflito e a superação do contraditório. Governantes seriam eleitos através de concurso público realizado em prova direta de múltipla escolha.

Quem pede isso esquece que a humanidade sempre foi governada assim e que a modernidade nos ofereceu a alternativa mais justa ao oferecer a escolha dos seus representantes a todos os cidadãos. Ao invés de provas acadêmicas para selecionar os mais aptos tínhamos o DNA dos governantes, herdado de sua família nobre, em cujo currículo constava um aprendizado de uma vida inteira na “arte de governar o povo”.

A verdade é que a falta de partidos daquela época e a supressão das ideologias já era, por si só, a ideologia dominante, que vagava invisível no campo simbólico, e determinava a cada componente da sociedade seu lugar eterno e imutável de servo ou senhor.

Aos que desejam um mundo sem partidos e sem ideologias, sem conflitos e sem disputas, sugiro que voltem no tempo e se abriguem mas brumas de Avalon, ou em qualquer lugar paradisíaco do século XIV. Aqui no século XXI o extermínio dos partidos e o aniquilamento das formas distintas de pensar o coletivo significaria um passo definitivo em direção à barbárie e à anulação do pensamento.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

A Destruição da Política

images-1

O discurso destrutivo contra a política e os políticos nós reconhecemos facilmente nas ditaduras militares da minha juventude e nas ditaduras midiáticas contemporâneas.  Berlusconi, Doria, Trump e tantos outros “anti-políticos” são o resultado direto da desmoralização da política pelas forças conservadoras, com o discurso raso de que “os políticos são todos uns ladrões” e com a concepção tosca de que os cidadãos comuns (eu e você) somos mais honestos do que eles. Uma busca rápida e superficial de nossa própria consciência prova exatamente o contrário.

Os políticos são o espelho dos valores sociais medianos, o campo simbólico por onde todos circulamos. Não nasceram em outro planeta e seguem os mesmos valores do que nós. Pior, ao atacar a política e seus atores, criamos a falsa noção de que o empresariado e seus sequazes são “honestos”, “dinâmicos” e “progressistas”, quando na verdade são tão corruptos e virtuosos quanto qualquer outro sujeito social, mas que governarão a partir de seu especial viés de lucro e de capital. 

A tentativa de destruir a política e aniquilar a representatividade social se alinha com os piores movimentos fascistas e autoritários que conhecemos, de hoje e de sempre.

Deixe um comentário

Arquivado em Política