Arquivo da tag: Soros

Antissistema

É curioso como – sou forçado a reconhecer – é a extrema direita quem está alertando sobre os perigos de abrir mão das liberdades individuais em nome de uma “tecno-pharma-medical tirany“. A ideia de confinamentos, guetos, passaportes e acusações sobre grupos específicos é um grave alerta para as consequências óbvias da radicalização de posições.

Os resultados desse tipo de estratégia – que promete salvar vidas – é o aprofundamento acelerado da miséria, do neoliberalismo, da concentração de riqueza e de inúmeros paraefeitos (inclusive depressão e suicídio) causados pelo “novo padrão de distanciamento” imposto às populações do mundo inteiro pelas novas regras da Covid.

Ao invés de percebermos que o Sistema – aqui incluída a própria ciência capitalista – é a fonte primária do distúrbio planetário e sistêmico acreditamos que o culpado é o nosso vizinho, um velho chato que teima em não aceitar o que as autoridades “isentas” determinam para nós.

Nessa guerra a esquerda saiu às ruas vestindo a camiseta da Pfizer, da Moderna, da BigPharma e do grande capital internacional, tratando notórios bandidos como Koch, Soros, Buffet, Bezos, Bill Gates e Fauci como se fossem arautos da Verdade Celestial. Porém, em verdade, em verdade vos digo… mais fácil um camelo passar por um buraco de agulha do que qualquer desses pulhas chegar ao Reino dos Céus.

Nessa disputa de narrativas a esquerda é a voz do sistema capitalista internacional, enquanto a extrema direita – mesmo chamando isso tolamente de “comunismo” – adota uma postura antissistema. E depois acham estranhas as vitórias de Trump e Bozo, sem se dar conta de que foram eleitos com um discurso que prometia acabar com “tudissdaí, taokey?”

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Esquerda, volver

Por tudissdaê que estamos passando que eu não posso perdoar essa esquerda conformista, que torce pelo Alexandre “Temer” de Morais, que adora decisão do Gilmar Mendes (que foi o responsável pelo impedimento de Lula), que admira o STF (!!!!), que adora a turma identitária sectária, que aplaude Bill Gates, Jeff Bezos, Koch, Soros e Zuckerberg, que chorou pelo frouxo identitário “nova esquerda” imperialista do Boric (anti Cuba, anti Venezuela), que adora empresas farmacêuticas bandidas (com um imenso histórico de fraudes, crimes, mortes, manipulações e corrupção), que respeita um criminoso de guerra como Joe Biden e que não enxerga como estamos sendo dominados pelo grande capital, pelo sistema financeiro transnacional, pelas BigTech e BigPharma e pela manipulação midiática dominada hoje pelo Vale do Silício.

É com tristeza que vejo uma boa parte do pensamento de esquerda se curvando ao liberalismo sem perceber que o desastre que hoje enfrentamos se deu também pela frouxidão de nossas posturas diante do monstro que se formava. Temos uma esquerda cooptada pela mídia monopolista, que precisa reinventar-se com urgência para retomar sua destinação revolucionária e contra hegemônica.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Anticapitalistas

Na série de artigos que escrevi ultimamente sobre George Soros e a “benemerência colorida” era exatamente sobre essa perspectiva que eu me debruçava. Muitos de nós, tão fortemente estamos aprisionados na perspectiva capitalista, que sequer percebemos as armadilhas do realismo capitalista para a captura de consciências. Por isso eu vi com um certo horror a passividade com que grupos de assistência ao parto saudavam a intromissão da “Open Society” – uma organização internacional com tentáculos em todo o planeta e gerenciada pelo bilionário Soros – nas nossas organizações, e a justificativa dada era de que “bem, não há como combater a perversidade desse sistema; assim, nada mais nos resta a não ser jogar a toalha, mas pelo menos vamos nos aproveitar um pouquinho destes valores para mitigar os efeitos devastadores do capitalismo na cultura, nos povos, nos trabalhadores e nas minorias”. Neste momento testemunhamos a busca por auxiliar as vítimas do capitalismo usando os próprios recursos dos capitalistas, mas reforçando seus pressupostos.

Como seria possível deixar que o capitalismo curasse as feridas que ele mesmo produz pela adoção de uma sociedade dividida em classes?

“De acordo com Fisher, o realismo capitalista conquistou de tal modo o pensamento público que a ideia de anticapitalismo não mais atua como a antítese do capitalismo. Em vez disso, é implantado como um meio de reforçar o capitalismo. Isso é feito por meio da mídia que visa fornecer um meio seguro de consumir ideias anticapitalistas sem realmente desafiar o sistema. A falta de alternativas coerentes, conforme apresentadas através das lentes do realismo capitalista, leva muitos movimentos anticapitalistas a deixarem de visar o fim do capitalismo, mas em vez disso mitigar seus piores efeitos, muitas vezes por meio de atividades individuais baseadas no consumo.”

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo