Arquivo da tag: identitarismo

Divisionismos

Filho nunca vai ser o atraso pra quem gosta de trabalhar… mulheres guerreiras tem meu respeito.”

A legenda dessa foto na internet, escrita por um homem, foi: “Filho nunca vai ser o atraso pra quem gosta de trabalhar… mulheres guerreiras tem meu respeito”.

A resposta de uma internauta indignada foi: “Sempre tem um macho que…”

A manifestação desse sujeito é obviamente idiota, e realmente está romantizando o trabalho escravo e desumano ao qual as mulheres se submetem. Não há nada de romântico ou nobre em trazer um filho pequeno para seu trabalho por absoluta falta de suporte, seja de creches ou de licenças especiais para a maternagem. Não há dúvida que esta mulher merece todo o nosso respeito, mas não apenas isso; ela merece justiça e valorização do seu trabalho. Não é sobre o respeito que devemos debater…

Entretanto, me incomoda muito quando alguém diz que isso foi dito por um “macho”, como se a motivação para escrever esta tolice foi pelo fato de pertencer ao gênero masculino. Aliás, por acaso causaria surpresa se essa frase fosse escrita por uma mulher? Por certo que não… E por que usar a palavra “macho”? Seria “macho” uma “acusação”, um humano com uma maneira equivocada e violenta de ser no mundo? Pois na minha perspectiva essa legenda não foi escrita porque seu autor é homem, mas porque foi a expressão de alguém que se deixa seduzir pela ideia da “meritocracia subserviente”, e foi escrita pelos mesmos que aplaudem quando meninos de 10 ou 12 anos saem para trabalhar na rua para sustentar suas famílias. Chamam a estes personagens de “trabalhadores”, “heróis”, “bravos guerreiros”, e deixam de enxergar o quanto de exploração e abuso criminoso existe nestas atitudes.

Acreditam mesmo que são os homens os inimigos, aqueles que estão na origem da iniquidade? Seriam eles a causa primeira desse problema? Quando vamos entender que no momento em que essa foto foi tirada havia um homem morrendo ao cair de um andaime, sendo baleado pela polícia, morrendo no trânsito, sofrendo um acidente de trabalho, mergulhando a 100 metros de profundidade para consertar um cano ou subindo a 200 metros de altura para ajustar um cabo de alta tensão? Alguns mergulham no esgoto, outros carregam o seu lixo nas ruas, sem falar nas guerras onde 99% dos mortos são homens ou nos suicídios em que 80% são cometidos por homens jovens. Esse tipo de ideia – de que o sofrimento das mulheres é causado pelos homens – é tolo, sem base, sem sentido e divisionista. Da mesma forma o sofrimento desses homens não pode recair sobre as mulheres, tão vitimadas quanto eles por um modelo cruel.

Esse desequilíbrio, essa dor, essa injustiça são causados por um sistema injusto que atinge a todos e se chama capitalismo, um modelo social perverso que divide as sociedades em classes, onde quem determina é o capital e não o sexo, o talento, a competência, a orientação sexual ou a capacidade. Culpar os homens – como se o fato de ser homem fosse crime – é indecente e errado, tão equivocado quanto ver um miserável negro apontando o dedo para o seu vizinho branco – e tão f*dido quanto ele – chamando-o de “opressor”. Esse tipo de acusação faz os ricos, os rentistas e a elite financeira darem gargalhadas. “Enquanto eles se acusam entre si não percebem que ferramos a todos”.

O identitarismo é um movimento de direita, importado dos imperialistas do partido democrata americano, cujo grande objetivo é dividir as sociedades em grupos de identidade, fazendo-os cegos à realidade das classes. Apostar nessa perspectiva de mundo é aceitar a dominação e a divisão e permitir que a subserviência ao imperialismo e ao capital sejam determinantes imutáveis.

A imagem mostra uma vitima das sociedade de classes, e não dos homens. Os homens são igualmente vítimas desse modelo e ficar debatendo quem é “mais vítima” é inútil quando temos uma tarefa muito mais nobre e importante pela frente: o fim do capitalismo e de toda a ideia de castas na sociedade.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Pensamentos

Exijam o impossível

Uma verdade difícil de aceitar, mas extremamente importante para as esquerdas, é que Bolsonaro conquistou seu eleitorado com a promessa do antissistema. Os pobres do Brasil não votaram em Bolsonaro porque ele prometia a venda da Petrobrás ou de qualquer estatal; também não votaram para desinchar o executivo ou azeitar a máquina. As pessoas votaram porque Bolsonaro representava a revolta contra uma política que parecia não afetar em nada as suas vidas. Os escândalos, os roubos, a falta de leitos hospitalares e as escolas sem material continuavam acontecendo, e parecia uma boa ideia votar em alguém que prometia acabar com “tudissdaê“.

Enquanto a direita assumia uma postura proativa e de enfrentamento ao status quo, a esquerda perdia seu espírito revolucionário, acostumando-se com o exercício do poder. Perdemos as ruas, e compramos com facilidade – e docilmente – o discurso dos leftists americanos, que nada mais são do que que a direita domesticada pelo mercado. Os partidos de esquerda no Brasil aceitaram o palanque identitário que contaminou e destruiu o discurso de enfrentamento que sempre foi sua marca de ação social. Começamos a discutir pronomes e aceitar a censura como nossas bandeiras. O discurso dos “sentimentos ofendidos” começou a tomar conta do que antes era uma defesa aberta contra qualquer tipo de obstrução à livre expressão.

Ao invés de lutarmos pela melhoria da vida do trabalhador aceitamos de forma passiva a divisão do proletariado em identidades, que nada mais fizeram que tornar inimigos sujeitos igualmente precarizados, que deveriam estar unidos em uma mesma luta de libertação.

A mensagem revolucionária, antissistema, libertária e socialista precisa ser a voz do novo governo. Sem que a esquerda retorne para o caminho da confrontação, sem reativar a luta anticapitalista e sem depurar o identitarismo de suas fileiras será muito difícil sustentar um governo de esquerda eternamente prisioneiro da direita.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Porteira aberta

Nossa esquerda identitária, que aplaudiu a cassação abusiva do idiota do “Mamãe Falei”, agora precisa fazer malabarismos retóricos e acrobacias legais para defender o vereador Renato, de Curitiba, que corre o risco de também ser cassado da Câmara de Vereadores de Curitiba. Para estas que fizeram vídeos comemorando a queda o Arthur do Val eu digo: era muito mais simples e justo defender todos os mandatos como princípio, e jamais permitir que o recurso extremo da cassação pudesse ser usado como vingança ou retaliação – mesmo que defender o bostinha do Arthur machuque o coração.

Postura e discursos machistas e asquerosos em privado, ou invasão pacífica de uma igreja – ambas ações tolas e impensadas – seriam atos para guardar na memória e repensar o voto nas eleições, talvez até para uma bela punição promovida pelo parlamento. Entretanto, não justifica a punição abusiva de expurgar um representante do povo. Esta ação deveria ser reservada às coisas extremamente graves…

Spoiler: para cada prazerzinho fugaz de ver o Mamãe Falei se ferrando teremos que suportar dezenas de ataques que virão contra parlamentares e outros representantes da esquerda. O mesmo ocorre quando batemos palmas para ações ilegais da polícia; como sempre, quando um bacana sofre esse tipo de ação (e soltamos gritinhos de excitação) ao mesmo tempo há dezenas de policiais chutando porta de barraco, sem qualquer mandato, arrombado a lei em nome dos interesses burgueses, batendo e matando gente preta e pobre.

Na minha opinião o parlamento não é um lugar para ser educado e comedido; pelo contrário. É um lugar de arriscar os limites da sua força com seu discurso. E para mim punir um parlamentar significa calar milhares – no caso da Dilma milhões – de cidadãos, e isso só poderia ocorrer em faltas gravíssimas. Nenhuma das que eu escrevi aqui merecia isso.

Para mim a democracia é (muito) mais importante do que chiliques morais ou sentimentos ofendidos. O estrago dessas cassações é deixar parlamentares acuados e amedrontados, temendo ferir sentimentos de minorias. Acho isso deplorável. O que pegou mesmo foi o Arthur do Val dizer “são fáceis porque são pobres”. O resto é interpretação subjetiva, e isso vai ser inexoravelmente usado contra a esquerda, porque no caso do Renato também pode ser feita uma interpretação viciosa e inclusive JÁ FOI, por isso perdeu na comissão de ética. O malabarismo é para provar que uma ligação telefônica privada, com conversa de garoto de 5a série (ou “locker room chat”) é algo gravíssimo, mas invadir uma igreja, desrespeitando a religião alheia não é. Quem deixa essa porta aberta agora vai ter dificuldade de fechar.

Sempre tem como achar um buraco, quando se quer encontrar. Minha queixa não é no mérito, mas na desproporcionalidade flagrante que agride o princípio democrático. O problema é a porteira aberta. A mesma falta de proporção no caso Daniel, e agora que os políticos (e o STF) perceberam que podem punir e cassar por vingança isso vai se tornar lugar comum nos parlamentos. Para mim, um abuso criminoso e oportunista.

Manter a escrita dura da lei é sempre bom para a esquerda e os oprimidos. Burlar a ordem, mesmo que para atacar notórios sacanas, sempre trará resultados negativos para as populações oprimidas.

PS: em São Paulo passar a mão na parlamentar durante uma sessão da Câmara de deputados vale 6 meses de suspensão. Já falar de forma privada ao telefone com a sua galera, dizendo bobagens sobre as mulheres… ah, isso é crime hediondo, precisa ser extirpado. Ou seja, quando a palavra se torna mais grave do que os atos é porque se pode fazer qualquer coisa na intenção de punir, e sobre quem quisermos. E nesse contexto, quem pagará a conta mais salgada seremos nós da esquerda, como sempre

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Sobre censura, abusos e filmes ruins

Percebo que nesse assunto – a censura de um filme do Danilo Gentili – estamos tocando na ferida moralista desse país. Nunca vi o filme e nem pretendo ver, mas proibições lembram a minha infância na ditadura militar e acho que o debate sobre a veiculação desse filme serviu apenas para tirar do esquecimento um filme chato pra caramba. Como princípio não aceito censura de jeito nenhum, e se o problema são as crianças, proíbam-no para menores de idade, mas permitam que as pessoas adultas façam suas escolhas, por mais estúpidas que sejam.

Ainda lembro uma manchete do Pasquim do início dos anos 80: “Estaremos maduros o suficiente para pentelhos?” na época em que os filmes no Brasil censuravam o “nu frontal”. Essa foi uma manchete sensacional que debochava da nossa infantilidade cultural e nossa renitente exaltação à censura. Posso apostar que deve haver documentos da época que justificavam essa censura afirmando que a liberação dos “pentelhos” poderia “estimular a violência sexual”. Hoje sabemos o quanto é tola a ideia de que algum pervertido vai realizar um estupro apenas por ver um filme miseravelmente erótico.

O mesmo eu posso dizer de alguém que vai praticar um crime – como abuso sexual da infância – apenas por ver uma porcaria de filme do Danilo Gentili. O ser humano não é tão facilmente condicionado assim. Fosse verdade, bastaria condicionar a todos contra cigarro, bebida, fumo e homossexualidade e todas essas manifestações desapareceriam, para a alegria dos moralistas e o desespero dos pastores evangélicos, que veriam seu mercado de curas milagrosas murchar da noite para o dia. Sabemos o quanto isso é ridículo.

Portanto, proibir este filme é um erro duplo: por abrir as porteiras – de novo!! – da censura por razões morais, e porque esta ação é absolutamente inútil. Nenhum efeito positivo pode surgir do proibicionismo – não esqueçam da Lei Seca e seu retumbante fracasso!! – a não ser fazer crescer o interesse por aquilo entendido como interdito. Os psicanalistas bem sabem o quanto uma porta trancada é importante para fomentar o desejo e as fantasias sexuais na infância. Querem apostar como um filme esquecido voltou a ser visto agora?

O problema é que o moralismo canhestro, uma das manifestações características do identitarismo, deixa claro que se você defende que obras ruins e sem graça tenham o direito de ser apresentadas (guardadas as limitações etárias) você estará fatalmente concordando com o conteúdo delas. Ou seja: se você se posiciona contra a censura de um filme que contém cenas que insinuam abusos você é a favor desses abusos, o que é simplesmente absurdo. Esses moralistas não conseguem entender uma defesa “em tese”, e confundem a “defesa do princípio” com a “defesa da causa”. Bastaria conhecer a frase de Evelyn Beatrice Hall que nos diz “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-las” para entender que expressar-se livremente é um direito sagrado. Mutatis mutandis, posso discordar profundamente do filme chato do Gentili, mas acredito no seu direito de apresentá-lo para quem se interessa por assistir.

Para finalizar, eu me associo à indignação com a esquerda que pede cancelamentos, censura e apoia nazistas, mas sei o quanto este tipo de discurso autoritário é difícil de retirar das mentes contemporâneas.

PS: Eu avisei, mas os moralistas dessa nação formada por hordas infinitas de “irmãs Cajazeiras” não quiseram escutar. O filme, de tanto criticarem, agora está bombando, enchendo os bolsos de quem eles tanto criticavam. Lembro ainda do cancelamento massivo que recebi quando pedi para não ficarem fazendo propaganda enviesada do Rodrigo Constantino. Tem gente que custa a aprender.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Democracia liberal burguesa

O partido Republicano nos Estados Unidos tornou-se um partido de extrema direita, financiado pelo lobby de Israel, conectado com grupos de supremacia branca e ligado ao meio-oeste conservador, evangélico e profundamente conectado aos valores tradicionais.

Já o partido Democrata assumiu o posto antigamente ocupado pelo partido Republicano: um partido de direita, liberal, com uma política externa violenta. Ambos são irmanados na sua postura imperialista, apesar do partido de Obama, Clinton e Biden ser muito mais agressivo em sua política externa. É como Israel, onde os partidos se odeiam em todos os temas, mas se abraçam no suporte ao apartheid sionista. Nos Estados Unidos a política imperialista une Democratas e Republicanos com paixão.

Curiosamente, as diferenças chamativas não são políticas ou econômicas, mas estão na pauta dos costumes. Os identitários estão ligados aos democratas, que por isso são chamados “liberais” – mesmo que ambos partidos assumam o liberalismo econômico. É o partido de judeus, negros, da comunidade queer e da “diversidade”. É daí que veio o identitarismo brasileiro: direto da direita americana liberal. Por isso “leftist” nos Estados Unidos não tem, via de regra, nenhuma vinculação com ideias socialistas, mas com o identitarismo.

A esquerda americana é diminuta, quase inexistente, mas ela despreza tanto republicanos quanto democratas, assim como critica incansavelmente a geração “woke”.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Política