Arquivo da tag: Charlie Hebdo

De novo, Charlie

De novo fatos semelhantes ao episódio do Charlie Hebdo sacodem a França, um país que, após uma história de colonialismo espoliador e cruel, hoje recebe milhões de imigrantes do Magreb, numa curiosa reversão de fluxo humano.

Um professor mostra a caricatura do profeta Maomé em aula, o que causa revolta dos alunos e seus pais muçulmanos. A atitude dele foi temerária. Riscou fósforo em um paiol de pólvora étnica. A questão é que não se trata apenas de debater a liberdade de expressão (da qual sou amplamente favorável) mas sobre o uso dela como veículo de racismo e exclusão em um país cuja ação criminosa na África ainda não teve todas as cicatrizes curadas.

Se o seu assassinato é condenável pela motivação religiosa, por sua estupidez e barbarismo, as publicações que se escondem por trás da liberdade de expressão para fomentar racismo também deveriam ser questionadas.

Todavia, qualquer que seja o questionamento, não é mais admissível que estas questões sejam solucionadas com violência desmedida e covarde.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Política, Violência

Primeira Emenda

Liberdade e escravidao

Percebo com pesar que no meio onde vivo apenas duas pessoas consideram o “First Amendment” uma peça civilizatória altamente correta e sofisticada: eu e o meu pai. Creio que esta coincidência se dá pelo fato de termos sido queimados em fogueiras vizinhas em um passado não muito distante por dizermos coisas que desagradaram certos poderosos. Apesar do tempo ter confirmado a correção de nossas afirmações a Verdade ainda é uma prova insuficiente para arrefecer as chamas inclementes.

Aqui, na parte de baixo do planeta, defender o direito sagrado que um idiota tem de dizer o que pensa significa o mesmo que associar-se à sua idiotia. Para a maioria das pessoas Charlie Hebdo devia ser calado porque – para elas – esculachar uma religião é errado; para mim não se pode calar a crítica e muito menos cercear a liberdade de expressão, mesmo que o preço seja alto e custoso. Defender Charlie NÃO é o mesmo que defender a islamofobia, mas significa a defesa da livre manifestação crítica, e o respeito ao direito de se expressar, mesmo de forma jocosa, sobre qualquer questão.

Talvez as minhas queimaduras tenham me proporcionado uma visão radical e mais firme sobre a importância fundamental da liberdade como propulsora da cultura, mas a verdade é que ainda não encontrei argumentos suficientemente fortes para me demover da opinião de que nenhum governo ou instância social pode proibir a livre manifestação de pensamentos, por piores que eles possam parecer. Prefiro o pagamento de qualquer preço, mas não posso aceitar que uma sociedade tenha possibilidade de evoluir amarrada por dogmatismos de qualquer natureza.

Mas, por aqui, só me cabe a resignação e o reconhecimento de que minha visão é francamente minoritária. As condenações que vejo às idiotias não tem o tom democrático que eu admiro. Eu acho que não se evolui nas ideias impedindo os outros de se manifestarem. O que devemos fazer é produzir um posicionamento FORTE e INTENSO contra posturas misóginas, racistas ou sexistas, mas não impedir a manifestação do contraditório, seja ele qual for. Não esqueça que o debate sobre o heliocentrismo já levou pessoas que o defendiam à fogueira apenas por pensarem de forma diversa do modelo hegemônico.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Política

Iconoclastia

Jorodowsky

Para alguns a “moral”, com sua essência cambiante, humanamente mutante e instável, é superior à “liberdade”, que é um valor absoluto, a estrela ao redor da qual nossa alma gravita e a cada circunvolução mais dela se aproxima. É ponto no infinito que nosso espírito foi construído para almejar.

Eu não aceito tal ponto de vista.

Posso suportar as piores “imoralidades” – como uma mulher casando duas vezes, uma gestante reconhecendo o prazer de parir, ou pessoas do mesmo sexo se amando – porque sei que o tempo dará conta do nosso assombro, mas não tolero qualquer ofensa ao inescapável destino de sermos livres. Pode parecer, para alguns menos avisados, que defender a iconoclastia de Charlie ou de alguns “comediantes radicais” significa aceitar por completo suas ideias ou concordar com seus pressupostos. Jamais. Entretanto, estas vias de escape da indignação social quando fechadas significam a morte da liberdade dentro de cada um de nós. Calar a boca de alguém porque achamos que suas palavras estão erradas é um crime contra nossa própria alma.

O mundo seria um pedaço de merda inabitável sem a iconoclastia, a ousadia e a loucura. Toda a vez que penso nos ataques ao Charlie Hebdo percebo que a maioria das pessoas que habitam este mundo ainda não estão preparadas para a liberdade e a autonomia. Somos, de forma geral, pré-adolescentes da Vida. Gritamos e lutamos para ganhar, como parte da mesada, a sonhada liberdade, mas moramos e comemos por obra de nossos pais. Cruzamos o país para estudar e posamos de “livres”, mas ligamos pra casa quando o dinheiro acaba.

Liberdade é bem mais do que isso; é fazer o que é preciso ser feito sem ferir a liberdade do outro. Quando alguns se ofendem com a ferocidade do ataque e com a violência contra a liberdade de imprensa rapidamente se esquecem de violações semelhantes que suportam ou aceitam, em nome da “moral”, dos “costumes” ou do respeito às outras religiões. Ha poucos anos nos calamos diante da proibição de um filme de Troufaud que mostrava uma Maria humana e mulher, e há menos tempo ainda silenciamos quando a Igreja impediu um “Cristo pobre” na avenida. Deveríamos fazer o dever de casa, aceitar visões discordantes e assegurar a liberdade de expressão, mesmo quando ela contém tolices ou quando afronta nossa visão de mundo.

Sempre que eu cito alguma censura oficial que ainda perdura no Brasil existe alguém que descobre uma ótima desculpa. Eu mantenho minha fé na liberdade e repito que não há tema suficientemente sagrado sobre o qual não possa recair uma piada. Suportar exageros faz parte do combate incessante ao obscurantismo. Para os que reclamam daqueles que ultrapassam dos limites lembro que a genialidade de Voltaire se expressava exatamente pela constante vigilância contra a sacralidade de qualquer pessoa ou assunto. Ele sempre pagou um alto preço por sua iconoclastia sistemática, mas seu legado para a história é inestimável.

Sim, Leonardo Boff, je suis Charlie. Acho que o texto que ele escreveu, que traduz de forma razoável a sua visão sobre o atentado contra o Charlie Hebdo, deixou transparecer a sua formação clerical e mostrou que ainda é um padre, um “servo de Deus”, e que admite a existência de temas “sagrados”.

Eu não admito isso. Eu não acho que nem mesmo a mãe de alguém é sagrada. Ela é apenas uma pessoa, e por isso é possível, sim, falar dela. Sem este tipo de “ofensa” não há entropia. Não vejo como sair de um paradigma qualquer sem que haja algum nível de provocação, alguma violação, algum movimento. Não há como construir cultura sem destruição, por isso precisamos de iconoclastas como Voltaire, Nietzsche e tantos. Não se muda uma sociedade sem a matéria prima sofisticada da inconformidade. O porraloquismo é fundamental para que uma cultura cresça e se depure de elementos obscurantistas. Qualquer construção social necessita uma destruição, e quanto maior a força e a importância cultural de um valor, maior será o estrondo de sua queda.

Charlie Hebdo utilizava sua arte e sua indignação como uma forma de fazer pensar. A sátira tem esse formato desde os gregos, e Voltaire foi mestre no seu uso. Moliére aussi. Ridicularizar, reduzir à essência, mostrar o lado bizarro, destituir, fazer tombar tudo isso está no humor. Se vc não acha graça, não consuma, mas é injusto dizer que que o deboche é inútil. As próprias manifestações de apoio à liberdade de expressão no mundo inteiro provam o contrário.

Uma caricatura não precisa ser engraçada. Existem cartoons que prezam exatamente por uma ironia fina, que nos incita à reavaliação de nossos conceitos. Charlie tentava isso, assim como o Pasquim, que foi importante via de expressão da indignação contra a ditadura no Brasil. Impedir isso é tolo ou suicida. Não é necessário gostar das piadas, mas não reclame da sua existência, pois elas são absolutamente indispensáveis para a existencia da democracia.

O humor debochado e satírico é uma das mais eficientes ferramentas de combate à tirania e ao despotismo, assim como ao obscurantismo religioso retrógrado e anacrônico.

Não é admissível se curvar ao simbolismo de outras culturas que não sejam a nossa, no estado de direito por nós definido. Se na Nigéria se faz clitoridectomia, e não fazê-la é uma ofensa à cultura e aos ancestrais, é problema da Nigéria mas aqui não reconhecemos seus santos. E podem ficar ofendidos, pois aqui não vamos mutilar mulheres em nome da fé alheia. O respeito que devemos é às pessoas, mas não curvamos nossas cabeças aos seus símbolos e valores. O simbolismo tem valor para quem o aceita, mas não para mim. Moisés era terrorista, Maomé sanguinário, os Papas corruptos, o clero pecador e assim por diante. Está ofendido? Eu também me ofendo com a danação a que sou submetido por todas as religiões – por não segui-las – mas isso não me faz tentar silenciar nenhuma delas. O nome disso é razão e civilização

Mesmo que as piadas agridam nossas crenças – e ultrapassem os limites do bom gosto – ainda vale a pena investir na liberdade de expressão. Criar sujeitos e temas blindados à crítica nos remete aos porões mais obscuros da história humana.

Deixe um comentário

Arquivado em Política