Arquivo da tag: convicções

Moro e o espetáculo sobre nada

Talvez Moro tenha calculado tudo isso que agora acontece com ele. Pode ser, mas subestimar a inteligência dessa gente (Moro, Bolsonaro e seus seguidores verde-amarelistas) é tão errado quanto superestimá-la.

Talvez Moro seja mesmo um jeca subletrado interiorano e arrogante como parece ser. Pode ser mesmo um sujeito levado a uma posição de destaque por ser o “idiota necessário” naquele momento histórico. O ex juiz traiu a confiança do presidente e mostra que durante todo esse tempo o espionava. Agora apresenta “evidências”, que ao mesmo tempo o incriminam. Depois do espetáculo (que superou o ridículo das “provas” que Collor apresentou contra Sarney) constrangedor do seu depoimento na Polícia federal, resta a Moro pedir para ser esquecido, o melhor que poderia fazer com o que resta de sua figura pública.

Moro já perdeu a magistratura, perdeu qualquer admiração dos juristas, perdeu respeitabilidade internacional, perdeu a indicação sonhada ao STF, perdeu o Ministério da Justiça, perdeu a confiança do chefe e perdeu boa parte dos políticos que o apoiavam. Quem teria coragem de abrigar Moro em um partido sabendo que terá suas conversas gravadas e que o ex ministro joga somente para si? Quem se atreve a confiar em alguém que trai seus pares quando se sente acuado?

Terá Moro uma carta na manga para usar até 2022? Será o conluio frutífero com a Globo seu pulo do gato? E a Vênus Platinada se manterá fiel ao seu funcionário ou teme ser delatada também por ele?

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Antigos amores

A cada dia que passa me despeço com pesar de uma das minhas antigas convicções. Algumas delas simplesmente me abandonam, deixam um recado em cima da mesa, rabiscado com caneta Bic num papel amassado, e avisam que voltam para buscar os CDs. “Você mudou, não me ama mais como antes. Não devota mais tanta atenção à mim. Com o tempo fomos nos afastando, e a dor dessas distância dói demais. Sabe, é dos nossos planos que tenho mais saudade. Lembra quando andávamos de mãos dadas e olhávamos juntos na mesma direção? Pois é, Renato sabia que um dia isso sempre acontece”.

Outras vezes somos nós que dizemos adeus. Um dia a gente acorda de um sono inquieto e quando viramos para o lado nos deparamos com aquela certeza ao nosso lado. Porém, aquela mesma convicção que há tantos anos nos acalentara a cada amanhecer de súbito nos parece diferente, envelhecida. Logo percebemos que algo aconteceu, não com a ideia à nossa frente, mas com a forma de encará-la. Algo se quebra, se parte, e a construção que por tantos anos sustentou nossa forma de ver o mundo se perde.

Antigos amores, perdidos no tempo, despedidas necessárias. Passa um tempo e você encontra aquela antiga certeza de braços com um jovem rapaz. Ele a acaricia e beija, com seus olhos brilhando como duas estrelas cadentes. Ela lhe devolve os afagos com palavras doces e cheias de carinho. Quando ela cruza seu olhar com o seu não fica constrangida, mas lhe envia um sorriso de lembranças e momentos.

Não há dúvidas que houve amor, uma paixão que teve seu tempo.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Epifanias

Vulcão04

A gente sempre tenta estabelecer uma data, um marco, um linha divisória entre dois momentos da nossa vida. Falar do momento exato em que acordamos para uma realidade pode ser difícil, e as vezes impossível. Eu costumo citar o nascimento dos meus filhos como este momento definitivo, mas por certo que quando eles nasceram não havia nenhuma noção clara de humanização do nascimento em minha mente. Sobrou apenas uma espécie de indignação e dor pelo que poderia ter sido. Quando atendi uma paciente no chão da sala de exames do hospital esta indignação tomou a forma de uma vergonha. Não era apenas um mal que existia; era uma mal que dependia de mim para existir.

Todavia, esses eventos são artificialmente construídos, e o são sempre a posteriori. Na verdade o que te leva a mudar de paradigma é um sequência de minúsculos fatos, muitos deles insignificantes quando vistos de forma isolada, mas que adquirem sentido quando formam um conjunto coerente. Essas mudanças estão frequentemente escondidas de nossa percepção mais grosseira mas as epifanias as expõe pelo intenso afluxo emocional que propiciam.

Nossas mudanças são determinadas pelo trabalho diário e subterrâneo da lava incandescente de nossas experiências cotidianas. Uma pequena fissura na crosta das convicções é capaz de fazer uma erupção transformadora em nossas vidas.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Parto