Arquivo da tag: Ministério Público

Intocáveis

Eu vi sem surpresa as imagens da carreata fracassada e melancólica protagonizada por Deltan Dalanhol em Curitiba após ser defenestrado do seu mandato de deputado. Vi também a minguada manifestação que contou com ícones do direitismo fascistoide brasileiro convocada para a mesma cidade. Ao ver as cenas constrangedoras eu pensei que esta é a imagem mais completa e definitiva da debacle da Lava Jato. Quem imaginou que haveria milhares de pessoas nas ruas apoiando o líder, outrora poderoso, da Lava Jato também sucumbiu à ilusão que durante anos foi estimulada pela mídia sobre os promotores “intocáveis” do Ministério Público de Curitiba.

Eu tenho uma perspectiva bem pessoal sobre o fato. Quando vejo Deltan indignado, gritando para ninguém em cima daquele carro de som, eu lembro da pergunta que ele fez ao público do Jô Soares quando convidado ao seu programa, ainda no auge da popularidade da operação. Disse ele, dirigindo-se à plateia: “Quem acredita que a Lava Jato vai mudar o Brasil?”. Quase ninguém levantou o braço, assim como quase ninguém estava na rua a lhe dar suporte depois de sua queda. Deltan é vítima de uma ilusão sobre si mesmo, sobre seu poder e também sobre a transcendência de sua “missão”.

Deltan foi vitimado por um ego inflado que fugiu do controle. Ele se acreditava um mensageiro de Deus, um “messias”, um templário da Ordem de Cristo para combater os monstros da corrupção. Para isso – uma tarefa inquestionavelmente nobre – não seria errado atropelar as regras, descumprir as leis, burlar as normas, fazer acertos espúrios com nações estrangeiras, aceitar bilhões para a criação de um “instituto” de combate à corrupção e atacar inimigos políticos com as armas da lei e o poder que lhes foi delegado – leia-se lawfare. Vejo esse personagem recente do drama polìtico do Brasil como alguém que se acreditava um “intocável” – uma referência ao filme de Brian de Palma de 1987 sobre os promotores que prenderam Al Capone em Chicago. A diferença é que o alvo dos ataques dos intocáveis tupiniquins era o maior estadista do mundo contemporâneo, e os crimes a ele imputados eram criações fraudulentas com motivação política. Não sobrou pedra sobre pedra do PowerPoint mais infame da história recente do Brasil

Não vejo Deltan como um bandido, apesar de acreditar que cometeu vários crimes. Vejo-o principalmente como um fanático, alguém cuja visão em túnel lhe retirou a perspectiva do compromisso com as leis. Entendo-o guiado por uma crença cega em sua Verdade, certo de estar lutando pela limpeza de nossa sociedade das impurezas da corrupção. Desta forma, a imagem que mais me parece adequada para entender sua trajetória é de um Torquemada, um sujeito cuja fixação nos dogmas e no combate ao pecado o levou às maiores crueldades e atrocidades contra seus semelhantes. Assim, quanto mais pretendia lutar contra o Mal e o Erro mais se aproximava deles, da mesma forma que o sujeito puritano se sente atraído e magnetizado pelas obscenidades que acredita combater.

Não tenho nenhuma alegria em ver a destruição pública de ninguém, incluindo esse rapaz de bochechas rosadas. Meu sentimento foi de genuína tristeza ao ver no que se transformou alguém outrora tão poderoso – e, vejam, seu calvário ainda está apenas no início. Por outro lado, jamais haverá uma verdadeira depuração do mal causado pela operação Lava Jato sem que esses promotores e o juiz que estiveram à sua frente sejam devidamente punidos. Também acredito que sem colocar a corrupção da imprensa Corporativa como partícipe ativa nessa fraude não haverá real progresso civilizatório. Por mais triste que seja esta queda não há como seguir em frente sem corrigir o erro e a destruição que estes indivíduos causaram ao país e a tantas pessoas por eles indevidamente atacadas.

Que esta tragédia brasileira sirva de lição a todos nós.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Política

Jogatina

Eu suspeito que a invasão das “bets” vai destruir o futebol tal como o conhecemos. Os sites de apostas, que conheci pelas publicidades insuportáveis em sites na Internet, agora invadem todos os recantos do futebol, das primeiras às últimas séries, em campeonatos distribuídos por todo o mundo. Não deveria causar surpresa que a primeira ação dessas empresas que gerenciam apostas foi comprar os jornalistas esportivos e os programas de esportes. Agora a publicidade nos chega através deles, em todos os espaços – em especial no YouTube. Em função desse controle sobre a narrativa, pelo controle dos meios de comunicação, ninguém fala nada sobre a imoralidade das apostas. Os formadores de opinião muito rápido se venderam para a ciranda milionária das apostas no futebol

Tenho pessoas da minha família que me deram a imagem real sobre o tema. Um deles, torcedor do Internacional, me disse quando lhe perguntei se ia “secar” meu time no domingo. Sua resposta foi: “Espero que o Grêmio ganhe no fim de semana. Apostei 100 reais na vitória de vocês”.

Ou seja, hoje as pessoas torcem para suas apostas e não para seu time – ou pela arte de secar o rival. Além disso, existem essas apostas bizarras de apostar em pênalti, em escanteios ou em expulsões ocorrências dentro da dinâmica de uma partida de futebol que podem ser manipuladas sem necessariamente alterar o resultado dos jogos. Isso é gravíssimo e os escândalos já começaram a ocorrer em várias partes do mundo. Mas, com a imprensa literalmente comprada e silenciada, quem ousaria denunciar? Quem ousaria colocar no lixo esse filão maravilhoso de renda oferecendo opiniões contrárias a ele? O Ministério público? Só quando o escândalo não puder mais ser contornado…

Hoje em dia todos os jornalistas esportivos são patrocinados por estas empresas, sem exceção. Não só carregam no seu boné e nas camisetas a publicidade (como os antigos homens de perna de pau carregando cartazes) como falam das “odds” – anglicismo horroroso introduzido para falar das chances de vitória nas apostas – e dão dicas sobre “barbadas” a serem feitas nos jogos da Europa e daqui. Como se diz nas comunidades, “tá dominado, tá tudo dominado”. Eu ainda não vi nenhum jornalista dessa área fazer a denúncia dessa prática, e do quanto ela pode vir a destruir o futebol tal como o conhecemos. E não acredito que isso venha a melhorar em curto prazo.

Por esta razão, e pelo fato de que proibir estas apostas é caro e complicado – as empresas todas tem sede em países onde o jogo é legalizado – é melhor que se tribute essa prática pesadamente para, ao menos, o povo ter a possibilidade de abocanhar um pouco do dinheiro arrecadado por essa jogatina.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Pensamentos

Denúncias e Fanatismo

moro-globo

Aos poucos a Internet se dá conta do fiasco absurdo e inédito dos patetas do Ministério Público Anti-Lula. É inacreditável que operadores do direito que um dia pisaram numa faculdade como estes procuradores (eu não tenho provas disso, mas tenho convicção) tenham sido capazes de tamanha irresponsabilidade. Fazer um show midiático e terminar assumindo publicamente a inexistência de provas ficará para a historia como o maior vexame dessa instituição.

E eu achava que nada poderia… ser mais vergonhoso e primário do que confundir Hegel com Engels… ou Carlos Magno com o rei Arthur. A desmoralização que esses jovens produziram no MPF entra no anedotário nacional e mancha a sua seriedade. Que Deus nos livre um dia de sermos acusados com tamanha leviandade e desonestidade como Lula e sua família foram. Se essa é a verdadeira face da instituição então estamos todos correndo o risco de recebermos denúncias vazias e carregadas de desejos e motivações políticas. Espero que essa vergonha seja o golpe definitivo contra a partidarização dos espaços jurídicos da nação.  

Por favor… essa é a pior demonstração de nosso subdesenvolvimento. Tentem imaginar um Ministro da Suprema Corte americana – ou mesmo o juiz que julgou o caso O. J. Simpson – dizendo em frente às câmeras: “Não temos as provas de que esse crime foi cometido mas, bolas… Foda-se, eu tenho convicção. Vamos condená-lo!!!”.

Conseguem entender como isso é escandaloso?

 Conseguem perceber como esse tipo de brincadeira com a justiça rebaixa o Brasil aos olhos do mundo? Conseguem perceber que não é por acaso que sofremos um golpe e agora o governo se esforça ao máximo para caçar aquele que simboliza a reação a essa barbárie contra a democracia? Moro é contestado, por seu partidarismo e seus métodos, em todo o mundo civilizado. Mas… se você procurar publicações de países com vocação ditatorial ele será certamente tratado como um “homem forte”. Este tipo de personagem é sempre deletério em médio e longo prazos. O poder concentrado mais cedo ou mais tarde se torna despótico e corrupto. Por isso mesmo eu votaria contra o PT nas próximas eleições: para arejar o poder. Moro não passa de um autoritário com costas quentes, pois em qualquer país decente do mundo ele estaria preso.

Para quem acha que “vale a pena para acabar com a corrupção” lembrem que TODAS as ditaduras, das mais suaves às mais cruéis, começam com essa retórica. Depois de estabelecidas elas descambam para o terror e, por vezes, o genocídio. A democracia levada a sério, por mais lenta e custosa que pareça, é sempre o caminho mais seguro. Infelizmente a “torcida organizada” pelo juiz Moro (torcida que há pouco tempo era para o esquecido Barbosa, lembram?) oferece o campo ideal para ações afastadas da legalidade e da equidade.

Repetindo: em que país civilizado se permitiria a escuta privada (mesmo que não fosse ela o objeto inicial) de um presidente?

Deixe um comentário

Arquivado em Política