Arquivo da tag: inimigos

Cria cuervos

A Rede Globo está fazendo um ataque violento e demolidor contra um vereador midiático do Rio de Janeiro por prováveis crimes graves – que vão de fraude a estupro e abuso de menores. Conheço o sujeito pelos vídeos que o tornaram famoso, e penso se trata da nata do Bolsofascismo. Acho-o desprezível, um típico dissimulador, criador de um personagem que mistura a imagem de salvador, bom coração, justiceiro, ético e soldado anticorrupção, a capa perfeita que encanta o fascismo. Tudo falso e encenado, um bom exemplo do que pode ocorrer com o empoderamento dado a este tipo de miliciano.

Porém, acho que mais uma vez estamos dando corda e plateia para a Rede Globo criar narrativas que destroem a imagem publica de seus inimigos. O que hoje está sendo feito com esse “direitista incômodo” pode ser (e será) facilmente realizado mais tarde com qualquer expoente da esquerda. Percebam que a estratégia da Globo é a mesma da Lava Jato: acusações vagas, delações sem provas, depoimentos cheios de dramaticidade e a falta de evidências claras dose crimes cometidos – pelo menos até agora.

Ninguém sabe sobre os detalhes dos casos em que está envolvido; eles estão em segredo de justiça. Inobstante, parte da esquerda já grita “Cadeia pra ele” que é o discurso da direita punitivista. Minha preocupação com este caso é que pode ser apenas mais um da larga história de manipulações da Rede Globo e a crença acrítica na narrativa criada por essa empresa para destruir seus desafetos.

Hoje podemos nos sentir vingados porque o miliciano bad boy está sendo atacado e desmascarado, mas pode ser – mais uma vez – chocar o ovo da serpente. E para quem não acredita que a Globo cria narrativas, sugiro observar o que foi feito para destruir a imagem pública do PT e de Lula, usando as mesmas ferramentas de agora – repetição exaustiva das acusações, recursos visuais, delações soltas, acusações, insinuações de pedofilia, abusos e quase todos estes fatos sem materialidade. Acho que a ação do jornalismo investigativo é essencial para a própria democracia, mas precisamos ter cuidado para não permitir que uma empresa maléfica como a Globo controle as mentes de todos através da manipulação e da espetacularização, condenando pessoas antes de serem julgadas.

Reforço a ideia de que não se pode aceitar que empresas de mídia usem seu poder para destruir pessoas. Já vimos isso acontecer e, aceitar que se repita diante dos nossos olhos, é pura tolice. Achar justo com Gabriel e errado com Lula é oportunismo. Abuso é abuso, seja com quem for. O fato de ele ser um fascista padrão não nos autoriza a suprimir todo o devido processo legal para fazer uma condenação pública antes da sentença transitada em julgado.

Em nenhum momento pretendo fazer a defesa desse reacionário direitista e bolsonarista, mas um pedido de ceticismo em relação à qualquer coisa proveniente da Globo. Acreditar agora – porque nos favorece – será autorizar que seja feito no futuro contra nós, e aí não teremos moral para denunciar. Exatamente a mesma postura que devemos ter quando o STF manda prender arbitrariamente pessoas – ou quando impediu que Lula assumisse um ministério.

“Cria cuervos y te sacarán los ojos”

Quem pode, em sã consciência, garantir que tais depoimentos não foram comprados pelos múltiplos inimigos que o vereador justiceiro adquiriu nas suas fanfarronices de YouTube? Quem pode asseverar com certeza que não se trata de uma vingança patrocinada por grupos que se sentiram prejudicados por ele? Repito: empoderar instituições golpistas como a Globo é o mesmo que saudar os ataques do Alexandre de Morais ou os exaltar os editorias do Jornal Nacional contra Bolsonaro. Como diz o antigo ditado espanhol (e fabuloso filme de Carlos Saura), “Cria cuervos y te sacarán los ojos”. Estas empresas são corvos; quanto mais os alimentamos mais eles crescem e, passado pouco tempo, tentarão voltar para comer nossos olhos.

Muitos agora afirmam que figuras como ele – e outros artistas – deveriam ser censurados há muito tempo. A ideia – que desgraçadamente viceja na esquerda – é de que existe censura do bem, ou seja: coisas que precisam ser censuradas, matérias que não podem ser publicadas e expressões que não podem ser ditas para, com isso, atingirmos nobres objetivos. É preciso entender uma coisa simples: “Se a liberdade significa alguma coisa será sobretudo o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir” (George Orwell); mais ainda: imprensa livre é publicar algo que incomoda pessoas ou grupos.

Liberdade não tem sentido onde o direito de expressar seus pensamentos e opiniões deixou de existir. Esse, de todos os direitos, é o terror dos tiranos. É o direito que eles primeiro derrubam. Eles conhecem seu poder. Tronos, domínios , principados e potestades, fundados na injustiça e no erro, certamente tremerão, se os homens puderem raciocinar sobre a retidão, a temperança e o julgamento que virá em sua presença. A escravidão não pode tolerar a liberdade de expressão.” – Frederick Douglass “The Dread of Tyrants”.

Não existe imprensa livre com censura. Eu defendo a liberdade plena de expressão, mesmo que isso signifique ter que suportar algumas figuras abomináveis que representam o fascismo no Brasil e no mundo. Se queremos Lula com liberdade para falar de aborto (que inclusive, pasmem, ainda é crime) precisamos aceitar o direito de Constantino, Gentili ou Augusto Nunes falarem; é o preço. Liberdade de expressão é exatamente isso: aceitar que nossos inimigos possam falar. Para se contrapor às palavras ruins o remédio é oferecer palavras melhores, e não oferecer discursos moralistas, sectários e de caráter dogmático, muito menos acreditar que um “bem maior” pode (ou deve) ser protegido através da censura.

Lutei na juventude contra a ditadura e pela liberdade plena de expressão, e não poderei aceitar que os identitários possam calar as vozes daqueles que tentam proteger a democracia. Criticar o silenciamento das vozes não poderá jamais ser entendido como compactuar com estas opiniões ou com estas personalidades, mas reconhecer que o silenciamento e o justiciamento que muitos defendem mais cedo ou mais tarde se voltará contra a esquerda e os progressistas.

A solução? Investigações sérias, o imperativo da prova, a inocência até transitado em julgado, polícia honesta, judiciário isento e jornalismo responsável. Eu cultivo um claro ceticismo: não acredito em nada que a Rede Globo apresenta em seus noticiários até que apareçam evidências claras que corroborem sua posição. Neste aspecto sigo Brizola: “Quando vocês tiverem dúvidas quanto a que posição tomar diante de qualquer situação, atentem; se a Rede Globo for a favor, somos contra, se for contra, somos a favor!”. Essa foi minha postura quando atacavam Lula sem qualquer prova e, por coerência, preciso fazer o mesmo quando ocorre esse tipo de linchamento contra um adversário político, por mais desprezível que ele seja.

Que esse vereador seja julgado com todo direito ao contraditório e que seja punido caso tenha realmente cometido crimes.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Diabo

Como enxergas o diabo? À frente ou ao teu lado?

Há muito se diz que o valor de um homem se mede pelos inimigos que produz durante sua trajetória. Não há como fazer omelete sem quebrar ovos; da mesma forma não há como mexer nas estruturas calcinadas da sociedade sem esbarrar nos velhos paradigmas.

Quando encontrares alguém que por muitos é atacado pense apenas em qual vespeiro ele pode ter mexido. A verdade não é democrática, e o fato de muitos o criticarem não significa que está errado; ele pode estar apenas questionando velhos conceitos e ameaçando podres poderes.

Nenhum zagueiro de respeito ganha troféu Belfort Duarte” e nenhum grande jornalista passa a vida sem ser processado por poderosos que se sentem atingidos por seu trabalho. “Jornalista não tem amigo, ele só gosta da verdade”, já dizia Joseph Pulitzer. Posso dizer o mesmo para outras profissões; um profissional que não esbarrar no diabo durante sua trajetória de vida é porque o tem ao seu lado.

Desconfie daquele que é amado por todos; somente os tolos o são. O verdadeiro gênio transformador sabe que durante a vida vai cultivar inimizades e não será aceito por muitos, às vezes pela maioria. Todavia, como diria Nietzsche, o verdadeiro brilhantismo não aparece em vida, e muitas vezes um século é necessário para que a névoa do tempo se dissipe e sua luz se torne visível.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Paralaxe

Paralaxe

Alguém escreveu uma frase a respeito de um tema que sempre me interessou, e ultimamente de uma forma mais intensa e profunda. Disse ela:

“Assim, se você opta por acreditar que um lado é bom e o outro é mau, que só há dois extremos, que só existem dois lados, então você automaticamente exclui todas as infinitas nuances e possibilidades com que a vida nos contempla.”

Concordei de pronto com a manifestação de minha amiga. Entretanto, alguns minutos depois outra amiga escreveu um post declarando que em algumas circunstâncias – em especial na necessidade de “sobrevivência” – é importante “não perdoar“, e adequado “não compreender“. Não posso reproduzir o que ela escreveu, mas a tese central era a de que em momentos especiais temos que fazer escolhas e optar por um lado, colocando o outro lado como inimigo e aceitando “não compreendê-lo“.

Achei confusa a manifestação e respondi indagando se eu tinha entendido de forma correta, mas acabei sendo bloqueado, provavelmente por questões passadas. Mas o que eu queria dizer, e acho que isso sim tem importância, é que a visão compreensiva sobre a posição do outro, e a possibilidade de analisar um fenômeno por diferentes perspectivas, permite fugir do reducionismo maniqueísta e injusto no qual frequentemente incorremos. A busca de uma “paralaxe”, o olhar múltiplo sobre o mesmo objeto, enriquece nossa compreensão sobre qualquer fenômeno. “Para combater o racismo e o nazismo é preciso entender porque eles foram (e são) tão populares…”, disse eu.

Simplesmente eleger os nazistas, xenófobos, homofóbicos, racistas e coxinhas (mas poderiam ser os esquerdopatas, ok) como inimigos, desreconhecendo as razões que os motivam, impede que possamos defender nossas ideias com determinação e abrangência. Não é necessário concordar com tais atitudes, por certo, mas perceber que elas são expressões legítimas do pensamento humano é importante até para que um dia possam, finalmente, desaparecer.

Eu respondi à amiga: “Mas, abrir mão de uma visão imparcial e abrangente em nome do quê? Compreendo que se deva tomar partido e fazer escolhas, mas daí a reduzir o adversário à sua condição de “inimigo” e aceitar “não compreendê-lo” como uma desculpa para não aceitar suas razões é demais para mim. Não entender as razões do outro pode ser considerado certo? Por quê? Pois é exatamente no momento da “sobrevivência” que essa compreensão se torna uma ferramenta fundamental! Revoltar-se é legítimo e necessário, até no que diz respeito à violência obstétrica, entre outras mazelas. Mas “não entender” as razões daqueles que perpetuam estas atitudes seria o mais inaceitável dos erros.”

Olhar para o outro como igual, na infinitude de diferenças que a vida nos contempla, é tarefa árdua. Entretanto, sem esta mirada respeitosa com a experiência alheia jamais poderemos absorver as verdades que o adversário graciosamente nos propicia com a oferta do contraditório.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto, Violência