Arquivo da tag: ideais

DNA

Não, o socialismo não veio no meu DNA. A minha família é toda de conservadores direitistas e pseudo aristocratas, infelizmente. Mas o triste é perceber que boa parte dela nunca entendeu o que eu escrevi aqui no Facebook. Não sou petista e Lula nem é meu candidato. Sou socialista e o PT não é;  o PT é um partido de centro-esquerda. Meus ideais socialistas não tem plena expressão nesse partido o qual tenho muita admiração, apesar de ter sido vítima dele em um episódio difamatório.

Minha defesa de Lula, entretanto, se dá pela importância do Estado Democrático de Direito e pela defesa de um julgamento justo para qualquer cidadão. Lula é vítima de um massacre injusto e cruel, conduzido por pessoas que o condenam por ter ofendido o sistema de classes brasileiro e ter questionado a divisão entre Senzala e Casa Grande. Poderia ter sido o Aécio ou até o Cunha, e eu os defenderia igualmente.

Eu me solidarizo com sujeitos que lutam por seus ideais e, em especial, aqueles que descobriram que existe um outro Brasil, que precisa ter voz e vez, e que não faz parte dessa burguesia atrasada, burra, incompetente, racista e fascista a qual eu pertenço. Se não criarmos a oportunidade para que este outro Brasil tenha chances teremos convulsão social, ou melhor, teremos um estado policial e uma constante luta pela dignidade dos esquecidos. Isso já vemos agora e só podemos esperar uma piora se membros dessa burguesia – atrasada e raquítica, que usa botox, slogans anacrônicos e atitudes dissimuladas – continuar a controlar a vida de milhões de pessoas.

Sim… eu me preocupo com isso enquanto boa parte da minha família se detém em difamar um sujeito cuja acusação é ser dono de um triplex vagabundo em uma praia decadente cujas provas apontam claramente de que não lhe pertence. Sim, enquanto minha família apoia um sujeito de camisa preta que planeja a destruição da representação dos trabalhadores eu me solidarizo com quem sai à rua para lutar por justiça e pelo direito de sonhar com equidade e uma vida digna.

Lula pode ter todos os defeitos do mundo, como ser humano e como líder político, mas nesse momento ele simboliza os direitos sociais, as liberdades civis e a resistência do povo brasileiro.”

Luis Felipe Miguel 

Precisamos de símbolos para tudo, assim como de rituais. A perseguição infame a Lula SIMBOLIZA que qualquer um de nós pode ser caçado covardemente por ousar questionar a perversidade da estrutura social brasileira. Lula é o símbolo de uma resistência corajosa e nobre contra o arbítrio. 

Por isso não é preciso gostar dele como pessoa ou como político, basta respeitar o lugar que ocupa nos nossos sonhos por liberdade e justiça social. Pela mesma razão, não é preciso gostar da pessoa do Ronaldinho ou Neymar para, mesmo assim, torcer pela seleção.

Lula, neste momento, incorpora a luta do povo contra um judiciário corrupto – pelo partidarismo – e um governo canalha – pelo golpe e pela entrega imoral de nossas riquezas.

Força Lula!!!

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Madre Teresa

Mother-Teresa

Há alguns minutos Madre Teresa de Calcutá apareceu na minha frente para conversar comigo. Era um pedido que há muito tempo eu fazia: “uma aparição, uma visão”, para que eu pudesse comunicar a ela meus dissabores. Pois eu fui finalmente agraciado com a materialização que ocorreu aqui, na minha frente.

Anjezë Gonxhe Bojaxhiu, a beata de Calcutá, vestia seu hábito de freira e tinha o corpo encarquilhado que costumamos reconhecer. Sua face enrugada e sua compleição pequena a tornavam inconfundível. Não podia ser um engano, e disso eu estava certo. Se você acha que isso não é verdade, pode parar de ler por aqui mesmo.

Quando a vi resolvi que era o momento de dizer a ela algumas verdades que estavam entaladas em a minha garganta e que eu pretendia dizer há muito tempo, mas nunca tinha tido a oportunidade. Esta chance chegou, finalmente, agora…

– Sra. Teresa, muito me impressiona o fato de ser tão reverenciada pelas suas ações “ditas humanizadas”. Não que sejam vazias ou inúteis, pois posso reconhecer virtude em tais atitudes. Entretanto acredito que elas, na verdade, escondem preconceito e desconsideração. Sim, se puder me escutar falarei o que tenho guardado em meu coração, mesmo que isso possa lhe ferir.

A velhinha apenas levantou a sobrancelha esquerda e continuou a me fitar de longe.

– Continuando, a senhora ajudou centenas de crianças na Índia, o que a fez merecedora do Prêmio Nobel, o que é algo que reconheço ter valor. Porém eu lhe pergunto: porque este elitismo? O que a senhora fez pelas crianças negras da Nigéria? E as crianças vítimas de Napalm no Vietnã? Qual foi sua ação para interromper a guerra que lá ocorria? Qual sua atitude para acabar com o Apartheid? Por que a senhora dedicou-se a uma determinada etnia e desprezou as outras? Por acaso as crianças indianas são melhores do que as demais? Mais limpas, mais dóceis? Ou existem questões financeiras envolvidas? Veja, não estou lhe acusando de nada, mas eu percebo um mercantilismo em suas ações, uma falta de verdadeira fraternidade, e um desejo de ajudar apenas as pessoas que a idolatram. Isso não é exatamente cristão, não lhe parece?

Madre Teresa continuava olhando para mim fixamente e não moveu um músculo sequer além do leve golpe de sobrancelha anteriormente citado. Seu rosto era calmo e sereno, como a tentar entender as razões da minha inconformidade.

Continuei.

– Tudo o que vejo na sua obra é para aqueles que a senhora considera os escolhidos. Pão, afagos, roupas quentes e abrigo. Mas e os que moram longe? E os que estão em outros países? Como a senhora aceita que apenas alguns sejam beneficiários de seu amor e compaixão, enquanto tantos outros sucumbem à dor e à miséria? Como pode manter essa face inexpressiva diante de tanta desconsideração com o que deixou de fazer por tanta gente?

Mantive meu olhar censurador e firme, não me deixando fraquejar pela doçura e calma de sua expressão.

– Olhe bem…. não sou dessa área. A caridade não é uma coisa que me mobiliza ou comove. Prefiro trabalhar aqui, atendendo partos e ajudando algumas poucas gestantes. Mas a senhora poderia ter feito muito mais, mas preferiu ser a “Madre de Calcutá” quando o mundo inteiro estava sequioso de ajuda, de afeto, de uma mão amiga, pessoas estas que a senhora se negou a ajudar por querer se manter apenas nesta cidade. De nada adianta me dizer os lugares que a senhora visitou e nos quais abriu filiais de sua Congregação “Missionárias da Caridade”, pois muito maior será a quantidade de cidades e vilarejos que a senhora NÃO visitou, deixando tais pessoas à própria sorte, à mercê da vilania do mundo.

Meu final foi apoteótico:

– Muito triste ver o que a senhora fez com os seus ideais…

A humilde senhora finalmente se levantou. Deus dois passos tímidos em minha direção. Colocou as mãos sobre o colo e de forma suave e lenta… sorriu. Pegou em minhas mãos e juntou-as com as suas. Olhou firmemente em meus olhos e disse uma única frase:

Faça diferença para aqueles que te procuram, ofereça o afago para todos ao teu redor e o perdão para quem não te entender, e para o resto procure exercitar a paciência“.

Largou minhas mãos, sorriu e caminhou em direção à porta.

Deixe um comentário

Arquivado em Ficção, Pensamentos