Arquivo da tag: totalitarismo

Tolerância

Uma dica para aqueles que gostam da “censura do bem” que parece consenso entre os formadores de opinião da esquerda: leiam em que contexto Karl Popper – um liberal profundamente anticomunista – proferiu sua famosa frase. Entendam que a perspectiva de não “tolerar os intolerantes” pressupõe que alguém terá o poder de arbitrar a intolerância. Quem seriam os vestais a determinar quais palavras são permitidas e quais devem ser proibidas? Quem, dentre nós, está acima do bem e do mal?

No caso do Brasil o Alexandre – ou o STF inteiro, que inclui Fux, Fachin, Kassio Nunes Marques, André Mendonça – tem o poder de determinar que algo (ou alguém) rompeu os limites da livre expressão. Ou seja: no caso recente, quem determinou o limite da tolerância é um sujeito que foi colocado na posição de Ministro da Suprema Corte através de um presidente que chegou ao cargo por um golpe de Estado. É justo admitirmos isso?

No caso de Popper “intolerância” o limite seria alguém se atrever na defesa do socialismo e eliminar o controle privado dos meios de produção – algo intolerável para um liberal. Mas quem é Popper na fila do pão da democracia? Sua visão de “Sociedades abertas” é uma clara contraposição ao marxismo e ao totalitarismo, mas é um caminho de liberalismo burguês que conduziu o planeta à destruição que testemunhamos e ao neofeudalismo corporativo que se estabelece sobre o planeta.

Não esqueçam que a “intolerância com os intolerantes” é o mantra das forças de ocupação de Israel, que usam dessa mesma lógica para dizimar os “intolerantes palestinos”. Na Arábia Saudita cabeças rolam contra “intolerantes” que atentam contra o poder absoluto de seus monarcas. No Brasil essa estratégia será usada sempre que houver vozes contrárias à democracia burguesa, controlada pelas corporações e a elite financeira. Esse é o principal tropeço: não perceber que essa censura a certos termos, temas e expressões serve sempre aos poderes constituídos. É uma manobra intrinsecamente conservadora.

PS: Sim, Alexandre de Moraes tem méritos em salvaguardar a nossa frágil democracia, mas não fez nada além da sua obrigação de punir como crime o que realmente é crime. Todavia, acreditar que ele é o guardião moral dos nossos valores democráticos – nem a pau, Nicolau. Ele representa os velhos valores da direita, o conservadorismo e a perspectiva punitivista mais anacrônica do direito. A distância entre Alexandre e Moro é muito menor do que imaginamos, e inclusive o primeiro já deu total apoio ao segundo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

A Sedução do Totalitarismo

Em relação à compra do Twitter pelo bilionário “dandi” Elon Musk, não se trata abolir a responsabilidade sobre o que é publicado. Aliás, NINGUÉM fala sobre isso. Todos concordam que mentiras, falsidades, injúrias e difamações precisam ser punidas quando comprovadas. O que se fala – e com toda a razão – é da censura, bloqueios, silenciamentos e controle moral sobre o que se escreve e pública. O que não me permito aceitar é que as pessoas sejam bloqueadas pelo autoritarismo dos proprietários de um bem de comunicação. E mais: as plataformas digitais NUNCA respeitaram as leis dos países, e sim a sua lei interna, adaptada às leis locais. Um exemplo claro são as fotos de amamentação proibidas por aqui pelo Facebook, pelo seu código moral próprio.

Deveríamos estar falando do fato de que Washington Post, Twitter, Facebook, Instagram, Google e WhatsApp, que atingem quase toda a humanidade – a China conseguiu se livrar disso antes de ser impossível – pertencem a três mega bilionários, que se tornaram proprietários de toda a comunicação do planeta. Essa é a verdadeira obscenidade, e não as diatribes e as fake news de Trump ou Bozo.

Aliás, minha convicção é de que as pessoas, com o tempo, vão aprender a lidar com mentiras da internet. Vão parar de acreditar em qualquer coisa e desenvolverão um senso crítico mais apurado. O remédio para as mentiras nunca será o silêncio, e muito menos a aprovação por um “conselho de notáveis” que decidirão por nós o que podemos ou não ler e ver.

“Censura do bem” não existe, assim como não há “ditadores de bom caráter”. Em longo prazo censurar é sempre um desastre, pois esta estratégia jamais conseguiu soterrar boas os más ideias, pois que elas, na escuridão, vicejam com mais força.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Causas

O totalitarismo nos ensinou que um passo seguro para a desumanização é quando sua ideologia – seja ela qual for – atropela e destrói indivíduos na sua caminhada. Quando a vida e a honra de alguém valem menos que uma ideia é porque esta é apenas ilusoriamente positiva. Mentir em nome de uma causa, por mais nobre que esta seja, nunca ajudou a construir nenhuma obra de valor.

(Sir) Watson Doherty, “The Chambers of Birmingham”, ed. Peebles, pág. 135

Watson Jeremy Doherty é um escritor inglês nascido em Dover em 1959. Foi um jovem prodígio, escrevendo seu primeiro livro com a idade de 10 anos, “The Hills of Dover”, onde descreve as aventuras de um garoto e seu cachorro na busca por um tesouro Viking enterrado nas colinas de sua cidade. Depois disso iniciou uma importante obra de literatura infantil, sempre falando da vida simples do interior da Inglaterra, o que lhe valeu vários prêmios literários e a sua nomeação para o título de “Sir” oferecido pela rainha Elisabeth II. Sua entrada na literatura adulta se deu em 1980 com o romance “The Chambers of Birmingham”, onde ele visita os sentimentos anticomunistas que se apossaram da imprensa inglesa em função da pressão exercida pela guerra fria, expondo suas mentiras, falsidades e contradições. Mora em Dover e é casado com a decoradora Margareth Atkins. Tem um filho chamado Peter.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações