Arquivo da tag: censura

A Sedução do Totalitarismo

Em relação à compra do Twitter pelo bilionário “dandi” Elon Musk, não se trata abolir a responsabilidade sobre o que é publicado. Aliás, NINGUÉM fala sobre isso. Todos concordam que mentiras, falsidades, injúrias e difamações precisam ser punidas quando comprovadas. O que se fala – e com toda a razão – é da censura, bloqueios, silenciamentos e controle moral sobre o que se escreve e pública. O que não me permito aceitar é que as pessoas sejam bloqueadas pelo autoritarismo dos proprietários de um bem de comunicação. E mais: as plataformas digitais NUNCA respeitaram as leis dos países, e sim a sua lei interna, adaptada às leis locais. Um exemplo claro são as fotos de amamentação proibidas por aqui pelo Facebook, pelo seu código moral próprio.

Deveríamos estar falando do fato de que Washington Post, Twitter, Facebook, Instagram, Google e WhatsApp, que atingem quase toda a humanidade – a China conseguiu se livrar disso antes de ser impossível – pertencem a três mega bilionários, que se tornaram proprietários de toda a comunicação do planeta. Essa é a verdadeira obscenidade, e não as diatribes e as fake news de Trump ou Bozo.

Aliás, minha convicção é de que as pessoas, com o tempo, vão aprender a lidar com mentiras da internet. Vão parar de acreditar em qualquer coisa e desenvolverão um senso crítico mais apurado. O remédio para as mentiras nunca será o silêncio, e muito menos a aprovação por um “conselho de notáveis” que decidirão por nós o que podemos ou não ler e ver.

“Censura do bem” não existe, assim como não há “ditadores de bom caráter”. Em longo prazo censurar é sempre um desastre, pois esta estratégia jamais conseguiu soterrar boas os más ideias, pois que elas, na escuridão, vicejam com mais força.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Desculpas

Eu acho lamentável Chris Rock se desculpar pela piada contada no Oscar, mas acho que ele na verdade está cagando para isso. Um comediante não age dessa maneira. Isso é uma traição ao seu ofício. Essa declaração dada no dia seguinte à premiação é pró-forma, para evitar o brutal cancelamento que pode se seguir. Foi provavelmente escrita pelo advogado dele com o conselho: “faça isso para não se incomodar, olha só o que fizeram com o Dave Chapelle”. A sociedade americana é doente, mas vejo essa doença identitária e moralista migrando para cá. O Chris Rock, do ponto de vista da lei, não cometeu nenhum crime. Não há nenhuma proibição de contar piadas (thanks God!!) nem que ela fosse ofensiva. Nos Estados Unidos (e confesso admirar este detalhe da cultura americana) não há crime nem mesmo se você de mandar um policial à merda. Free speech, a primeira emenda, é para eles algo de caráter sagrado. Já no Brasil autoritário você pode dizer apenas o que os outros deixam você dizer, sejam eles o Estado ou sejam os flocos de neve.

Todavia, esse autoritarismo que controla o discurso para proteger minorias, apesar de entranhado em nossa cultura, tem efeito ZERO no combate que se propõe, basta ver os feminicídios e crimes contra gays, trans e contra a população negra que ocorrem diuturnamente no nosso país. Racismo, sexismo, machismo são elementos da cultura e não podem ser controlados pela justiça ou pelas leis. Continuamos achando que atacar a liberdade de expressão, cerceando a livre manifestação, poderia trazer benefícios para a sociedade. Nossa experiência mostra que isso é um absurdo, um erro, até porque, para cada Chris Rock brazuca maledicente que botamos na cadeia por dizer “o que não devia” (para o delírio dos identitários) carregamos mais 50 ou 100 pobres e negros que falaram de forma ríspida com um policial, uma autoridade, ou foram mortos pela nossa polícia racista e classista defensora do patrimônio.

Torcer pelo proibicionismo, pela censura e na defesa dos “sentimentos feridos” é um tiro no pé, um remédio que mata o sujeito antes de atingir a lombriga.

PS: Foi descoberto algumas horas depois que eu escrevi este texto que o pedido de desculpas do Chris Rock era FALSO. “Faith in humanity restored!!!” Um comediante JAMAIS deveria pedir desculpas por uma piada – desde que seja uma piada mesmo (como foi nesse caso) e não uma desculpa para agredir.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Humor e censura

Como é difícil convencer a “geração floco de neve” que a liberdade de fazer piada com TUDO, sem exceção, é uma das principais características da democracia. Se você criar espaços proibidos, lugares interditados para a crítica (porque piada é crítica social) você produz uma tirania cultural abjeta. Não posso imaginar uma sociedade evoluída que seja centrada no proibicionismo.

O humorista Bill Cosby, certa feita, fez um monólogo longo sobre “parto natural”, brincando com grávidas, gritos, bolsas rompendo, médicos, maridos, respiração, etc passeando por todos os clichês do parto e nascimento. Eu achei espetacular e de maneira alguma critiquei sua performance, porque sabia que um movimento cultural como o parto humanizado precisa ser forte o suficiente para suportar as inevitáveis críticas – inclusive aquelas que surgem em forma de piada ou paródia. E, quando vi este stand-up pela primeira vez, percebi que um movimento social como o parto humanizado precisaria ser testado através do humor. Se alguma coisa cai por ser objeto de piada, é por que nunca teve força para se sustentar.

Uma piada só existe dentro de um contexto; retirada deste espaço geográfico e histórico ela não faz sentido. Além disso, existem “falsas piadas” que são criadas e disseminadas apenas como veículo para preconceitos que, ditos de outra forma, não seriam aceitos. Entretanto, não é difícil perceber a construção dessas piadas, e elas invariavelmente carecem de graça.

Esta é a chave da piada: ela precisa ser engraçada, não limpa e moralmente impecável. Ela precisa tocar nas feridas sociais e humanizar personagens poderosos. Ela necessita ser livre de quaisquer coerções. Exigimos dela a crítica mordaz da cultura, da sociedade e, em última análise, de nós mesmos.

Criar censura sobre os chistes é destruir a cultura onde estamos inseridos. Não ajudamos grupos oprimidos oferecendo-lhes a censura como proteção, mas empoderando-os para que possam resistir.

Deixe um comentário

Arquivado em Palestina

Monark

Curiosos os argumentos; parece que as pessoas acreditam mesmo que proibindo os nazistas de terem um partido vão fazer com que os nazistas do Brasil desapareçam. Os nazistas estão entre nós, e faz tempo.

Lógica contemporânea:

“Eu acho preferível que os nazis saiam do porão e abram seu partido para serem combatidos à luz do dia”.

Saquei, tu é nazi

“Eu também acho que gays têm o direito de sair do armário e se casarem”.

Saquei, tu é gay que eu sei…

Para mim a ideia de que a legalização do partido nazista faria todo mundo virar nazi (ou aumentaria perigosamente seu número) brota do mesmo lugar que que criou a tese de que permitir beijo gay em novela transforma todo mundo em homossexual. Acordem… os nazistas sequer precisam de partido pois que já estão entre nós!!!!

No final, deste episódio patético ganharam os poderosos de sempre. Monark está proibido de abrir um Canal no Youtube. Já pensou se fosse o Estado autoritário e malvadão a fazer isso? Comunismo!!! Autoritarismo!!! Ditadura!!!

Pois não foi… foi o livre mercado, a tal da “iniciativa privada”. Os mesmos poderosos que estimulam guerras, disseminam fake news, produzem monopólios criminosos e patrocinam milícias digitais de direita acham que tem o direito de proibir a livre expressão de um sujeito. O bloqueio ao Monark é criminoso e ilegal. A esquerda que aplaude isso é BURRA, OTÁRIA, e está aplaudindo a tirania do capital para silenciar vozes dissidentes.

Não esqueçam que más ideias devem ser combatidas com boas ideias, e não com bloqueios e censuras.

Monark foi demitido do Flow por ousar dizer que abrir um partido nazista seria lícito (e não por defender o nazismo), e que o debate sobre suas práticas deveria ocorrer no terreno das ideias. Foi expulso pelos capitalistas que controlam a grana do programa e que aplicaram CENSURA sobre uma postura que, pode estar errada, mas deveria ser amplamente debatida.

Mas essa não é a pior notícia. O que me entristece é ver a esquerda aplaudindo as imposições do capitalismo sobre o debate das ideias, exaltando a censura, aplaudindo a tirania do dinheiro e aceitando a dominação do capital – através do torniquete econômico – sobre o pensamento nacional.

Monark é um garoto, um ancap – até reaça – um jovem defensor de ideias de direita, mas foi exatamente aqueles que ele tanto defendia que puxaram seu tapete. Foram os empresários, a “livre iniciativa”, a elite brasileira e os donos do Brasil que o mandaram calar a boca. Espero que ele aprenda com essa queda.

Monark se ferrou pela ditadura do capital. Os patrocinadores deixaram claro: “quem manda somos nós, e você só fala o que a gente permite”.

Mas… adivinhem quem ficou do seu lado, defendendo seu direito de dizer qualquer coisa – inclusive besteiras – por não aceitar que se obstrua a liberdade de expressão?

Os comunas… logo por quem tinha tanto desprezo.

Uma empresa de “acompanhantes” chamada Fatal Model foi uma das financiadoras que cancelou o Monark, levando-o a sair do Flow. Sim, uma empresa que explora a prostituição. Cafetões gourmet, exploradores do lenocínio com grife. Gente de família; homens e mulheres de bem. Afinal, eles não poderiam aceitar essa pouca vergonha que se tornou o Flow. Pega mal pro negócio deles…

Outra empresa foi a Puma, uma empresa criada na década de 20 na Alemanha e que se tornou apoiadora dos nazistas. Essa empresa acabou sendo julgada e condenada por crimes de guerra e da briga dos irmãos depois do fim da segunda guerra mundial surgiram as empresas Adidas e a Puma. Gente pura, empresários que pensam apenas no bem das pessoas.

Outra patrocinadora do linchamento ao garoto ancap foi a Globo, essa sim, empresa impoluta que esteve à frente de todos os golpes contra a democracia nos últimos 60 anos. Casa dos Marinho, central do PIG, apoiadores da candidatura do ladrão de toga, ex-juiz Moro, o destruidor do Brasil a soldo dos americanos.

Enquanto isso a esquerda liberal acéfala aplaude a atitude correta dessa turma…

E não esqueçam que na Alemanha o nazismo é proibido, mas pode-se encontrar uma organização nazi em cada cidade. Os nazistas de lá, exatamente como os daqui, se reproduzem e multiplicam no escuro, infiltrados nos partidos de direita. No Brasil são 530 células disseminadas pelo Brasil racista. Onde estão escondidos esses fascistas todos? Ora… no DEM, PP, União Brasil, Podemos, etc. Acham mesmo que tirar o sofá da sala e proibi-lo de ser colocado de volta poderia acabar com a sacanagem?

No meu modesto ver os nazis são como bactérias anaeróbicas que proliferam onde não circula o oxigênio; quando expostos à luz e ao ar corrente definham, enfraquecem e morrem. Censurá-los só serve para fortalecê-los.

Triste espetáculo de prepotência travestido de amor ao próximo…

PS: espero que meus patrocinadores não leiam isso

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Joe Rogan

Essa pandemia está colocando em perspectiva muitas coisas. Parece que era mesmo necessário ocorrer uma situação limite pra gente saber quem mantém seus princípios mesmo na adversidade e quem se refugia na censura e no arbítrio.

Pense nas questões abaixo:

* Se há alguns meses você dissesse que alguém poderia contrair a doença e continuar transmitindo o vírus mesmo após se vacinar seria imediatamente vítima de “cancelamento”;

* Há poucas semanas se você dissesse que máscaras de pano eram pouco efetivas ou inúteis seria chamado de “negacionista”;

* Se no ano passado você dissesse que os Estados Unidos e Fauci estavam envolvidos em estudos sobre “gain of function” de vírus em Wuhan – e que isto estaria implicado na origem da pandemia – seria chamado de “conspiracionista”.

Todas essas hipóteses hoje são aceitas por estudiosos e pesquisadores. Todas elas vieram à tona porque cientistas teimosos e contra-hegemônicos continuaram a debater e questionar a versão oficial mesmo sofrendo perseguições. Ciência é curiosidade, método e dúvida; as certezas são prêmios de consolação que o Criador oferece para os tolos e os dotados de mentes frágeis.

Marx já dizia que “A estrada para o inferno está pavimentada pelas boas intenções”. Um cientista não pode justificar seus preconceitos com a desculpa dos “nobres interesses”. Quem não suporta o contraditório procure um lugar que aceite os dogmatismos para se expressar. Quem acha que ciência é profissão de fé e que a censura de vozes dissidentes tem justificativa na democracia, deveria buscar abrigo na religião, e não no conhecimento científico. 

Pergunto: as pessoas que hoje cancelam Spotify e Joe Rogan por serem articuladores do “negacionismo” por acaso cancelaram Neil Young quando ele disse que não aceitaria receber um pacote de batatas de um caixa de supermercado gay, por medo de contrair AIDS?

Bidu…. eu avisei.

Spotify publica uma carta de apoio ao Joe Rogan e à plena liberdade de expressão do seu programa, literalmente mandando Neil Young e demais canceladores se lixarem. Que assim seja feito com todos os negacionistas da liberdade de expressão e do livre debate sobre temas espinhosos, em especial quando essa censura tende a favorecer impérios econômicos transnacionais.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos