Arquivo da tag: privilégios

Amigo do Rei

Sou do tempo dos privilégios explícitos. Na minha época as credenciais médicas para atendimento eram dadas a amigos e correligionários. Credenciais do IPE (estadual) e INAMPS (federal) eram oferecidas com caráter político e de amizade pessoal. Era o padrão da época, e quase ninguém achava estranho ou imoral.

Quando os governos de esquerda assumiram a prefeitura da minha cidade resolveram acabar com a “farra dos postos de saúde”. Até então, os médicos com carga horária de 20h semanais compareciam por menos de uma hora pela manhã, “atendiam” 10 pacientes e corriam para o seu outro emprego – ou para o consultório. Eram obviamente mal pagos e isso criava uma equação perversa: “eles fingem que nos pagam e nós fingimos que atendemos”. A conta? Os pacientes acabavam pagando, como sempre. Na briga do rochedo contra o mar quem apanha é o marisco.

Zeza era enfermeira chefe de um posto de saúde nessa época e, quando passaram a cobrar os horários dos médicos através do “livro ponto” ela chegou até a receber ameaças. Retirar privilégios sedimentados de uma classe poderosa é uma tarefa das mais difíceis e penosas.

Há uns 15 anos tive de realizar uma pequena cirurgia e resolvi procurar um colega de longa data. Boa praça, bon vivant, sério e um ótimo cirurgião. Fui até seu consultório, mostrei meus exames e ele confirmou a necessidade de realizar a operação. Conversamos longamente sobre os velhos tempos, o destino dos antigos colegas e os momentos engraçados que passamos juntos.

Restava decidir onde a cirurgia seria realizada. Poderia ser no hospital particular onde ambos operávamos, mas como eu não tinha convênio algum – por razões ideológicas – a hospitalização haveria de ser privada (e cara).

Foi então que o cirurgião deu uma ideia…

– Posso lhe operar no hospital público. A fila para cirurgia tem vários meses de espera, mas posso abrir um horário fora da escala, ao meio dia, e opero você na hora do meu almoço. Não tiramos o lugar de ninguém, não furamos a fila e eu abro uma sala extra. Que acha?

Não tive nem tempo de pensar e concordei. Afinal, à primeira vista parecia razoável. Ninguém seria prejudicado e o médico doaria seu horário de almoço para a minha cirurgia. Feito.

O passo seguinte foi o colega ligar para o hospital. Pediu para falar com o setor de marcação de cirurgias. Explicou o desejo de abrir um horário de cirurgia extra, ao meio dia, para operar um colega.

Depois dessa explicação escutei um demorado “hum-hum” ao telefone. Passados alguns minutos ele agradeceu e desligou.

– Nada feito, Ric. Gertrudes, a secretária do bloco cirúrgico, me disse que se eu abrir um horário novo para cirurgia ela vai chamar o próximo da fila. Disse ainda que as cirurgias em horário especial e a pedido do médico estão proibidas há 1 ano. Quem quiser trabalhar em horários extras o fará dentro das regras e obedecendo a fila dos pacientes do SUS.

Quanto escutei sua explicação foi como se um clarão aparecesse na minha frente. A normativa fazia todo o sentido!! Não haveria porque dar aos médicos o direito de burlar as filas de cirurgia ou de exames especiais, mesmo que fosse no seu horário de almoço, até porque não havia apenas a doação do seu tempo pessoal, pois o hospital inteiro estaria à sua disposição.

Depois de ouvir as razões da funcionária da marcação cirúrgica, e quando ela tomou corpo em minha compreensão, fiquei orgulhoso da negativa. Sim, fiquei feliz que um erro que eu estava cometendo tivesse sido impedido. Percebi que havia uma nova diretriz para coibir privilégios, fazendo com que o hospital público fosse usado de forma equânime e justa, respeitando a igualdade entre todos os usuários.

Falei para o colega que eu faria um esforço e pagaria a hospitalização, sem problemas, e marcamos a operação para o hospital privado. Na saída meu colega me cumprimentou e ainda arrematou…

– Desculpe o contratempo. Não deu para marcar a cirurgia no hospital do SUS. Hoje em dia essas funcionárias se acham mais importantes que os próprios médicos. Isso está assim desde que o PT entrou. Que raiva…

Ele nunca soube que essa demonstração de respeito às pessoas simples – as que não tem amigos cirurgiões – foi algo que me marcou profundamente e que me fez respeitar ainda mais os governos populares.

Percebi também que o que mais irrita as pessoas à direita no espectro político é a ousadia dos comunistas de acreditar que não existem privilégios sagrados, corretos ou justos. Também a eles incomoda a ideia de que, para o surgimento de um país mais igual e fraterno, todas as vantagens espúrias devem ser exterminadas.

1 comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Cotas

Agora a ideia dos liberais é privatizar o ensino com a tese de que assim ele seria mais “democrático”. Não tem como apoiar isso. Chile e a Alemanha acabaram com a universidade paga por perceberem o mal que o capitalismo fez à educação.

Por que haveríamos nós de retroceder?

Quanto ao dilema com os filhos brancos – pobres “prejudicados” pelas cotas – isso não passa de pura fantasia. Esses meninos e meninas da classe média recebem educação diferenciada – se comparada aos pobres – e vão competir em desigualdade de condições com pretos e pobres do Brasil que – fossem dadas condições iguais – teriam a mesma possibilidade de ingressar na universidade.

As cotas são para isso. São para estancar essa hemorragia racista e classista. São para evitar esse embranquecimento nojento da magistratura, do MP, da engenharia e da medicina e tantos outros cursos. Diga aí o nome de um juiz preto, um professor seu ou um médico afrodescendente. Diga o nome de um engenheiro negro. Os filhos brancos desse país são criados no privilégio que esta sociedade determina (tanto quanto eu e os meus filhos). Esse privilégio injusto e imoral é o foco das cotas e elas precisam existir enquanto ele persistir.

Quer uma equação mais justa para o seu dilema entre matricular na escola pública (para ter “vantagem”) ou na particular (e ser “prejudicado” pelas cotas)?

Tenho uma proposta: saia de casa, desapareça, pare de pagar pensão, mas antes disso bata neles com vontade para que a sua imagem paterna vire poeira. Não mande dinheiro algum para comprarem roupas, comida, cadernos e livros escolares. Coloque-os para morar num barraco com zinco furado. Mande-nos para a escola com fome e depois diga pro PSDB roubar a merenda. Faça tudo isso por vários anos escolares… e depois inscreva-os para o vestibular em “igualdade de condições” com os branquinhos classe média  Iphone-Disney que nunca pegaram ônibus na vida.

Se os seus filhos se classificarem depois desse “teste de sobrevivência na selva” poderemos falar em meritocracia.

Ser contra as cotas é viver tão dentro da bolha de privilégios que o próprio mundo de verdade desaparece diante dessa fantasia.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Política

Dívidas

Um ponto que acho importante sobre uma das manifestações tolas do candidato fascista: dívidas sociais são pagas socialmente; dívidas pessoais são pagas individualmente. A população branca tem uma dívida com o grande contingente negro desse país em função da escravidão e suas consequências. Esta é uma dívida da sociedade inteira, não entre os indivíduos. O pagamento precisa ser social, não pessoal.

O fato do indivíduo Bolso* nunca ter escravizado ninguém só o isenta de culpas diretas, mas não da dívida social que ele e – e eu – temos por sermos brancos. Por esta razão nós participaremos do pagamento conjunto da dívida da sociedade branca com os negros, para que nosso país se torne mais justo.

Não há como fugir dessa reparação em função de tantos privilégios que nossa cor de pele nos garante. Um dia, quando nossa sociedade for mais equilibrada e todo malefício tiver sido reparado, tudo isso será apenas história.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Fé na humanidade

Pare e pense um pouco pelo lado dos outros. O mundo não foi construído ao redor do seu umbigo. Sua dor não é maior do que a dos outros. Você pode ter sido vítima por alguns minutos nas mãos de psicopatas, esses jovens são vítimas a vida inteira. Pare e pense.

Chega de odiar sem refletir. Pense nos outros e não apenas no seu sofrimento e no dos seus amigos. Pense na vida de um negro pobre de periferia e reflita se – caso pudesse calçar seus sapatos por um dia – não pensaria em fazer o mesmo que ele. Pare de pensar a partir dos seus PRIVILÉGIOS. Pare se se achar superior a estas pessoas apenas porque não precisou roubar. Pare se se colocar acima de pessoas cujos DRAMAS E TRAGÉDIAS você desconhece por completo, e muitas vezes sequer consegue imaginar.

Mais ainda: pare de achar que alguém está inocentado quem comete um crime. A “estratégia do espantalho” não vai colar. Todos achamos que um assaltante armado precisa ser contido, às vezes as custas de um tiro, pois a morte sempre ronda quem entra no crime. Todavia, não tente fazer a gente se associar ao seu ÓDIO, seu desprezo, sua raiva. Não precisamos nos contaminar com isso.

Faça um churrasco na sua casa e brinde a morte de mais um negro pobre que ousou ameaçar brancos “de bem”. Comemore a morte de um menino para quem não pudemos oferecer melhores alternativas. Mas “não me convide pra esta festa pobre” porque lamentarei TODA E QUALQUER MORTE. A morte de um assaltante vale o mesmo que a morte de qualquer outra pessoa. Não se mede a vida pela cor ou pelas dores que alguém carrega.

Permita, por favor, que eu mantenha a minha fé na humanidade e não sucumba à barbárie e a vingança que tantos defendem.

E ficamos por aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Privilégios

educacao-2

Acho curioso quando alguém, para provar seus méritos, me diz: “Sou de família pobre. Meu pai era marceneiro”, sem se dar conta de que o fato de ter uma família e – mais ainda – ter um pai do qual se lembra já é uma gigantesca vantagem sobre os milhões que competem com você por um lugar ao sol e que não tiveram uma família, muito menos a oportunidade de conhecer o próprio pai.

Kyrylo Ustalov, “Sobre cercanias e distâncias” Ed. Stingray, pag. 135.

Kyrylo Ustalov nasceu em Makeva em 1890 e foi o irmão mais novo e de caráter conservador de Dimitri Ustalov, que foi um poeta e ensaísta Ucraniano nascido 4 anos antes, em 1886. Dimitri foi o líder do grupo literário “Os renegados” que lançou o jornal de poesia e crítica chamado “Удар в обличчя” (Patada na Cara, em tradução livre). Já Kyrylo uniu-se a “Juventude Católica da Ucrânia” e passou a frequentar seminários de ensinamentos bíblicos. Nesta época uniu-se ao URP (Partido Republicano da Ucrânia) e escreveu seu primeiro livro de caráter político “Obediência e Fé”, onde mostrava a importância dos valores familiares, assim como o significado da fé como guia dos valores políticos e sociais. “Sobre Cercanias e Distâncias” foi escrito quando estava servindo no exército e combateu as forças revolucionárias anarquistas na guerra civil.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações