Arquivo da tag: Venezuela

Democracia

A imprensa corporativa brasileira adora colocar rótulos nos governos que se insurgem contra o domínio imperialista americano. Entretanto, quando aprofundamos mais a análise, observamos uma realidade inquestionável: as democracias tolerantes acabam vítimas de sua própria tolerância com o imperialismo. Allende, Jango, Dilma, Lula, Evo, Cristina, Lugo, Juscelino e tantos outros foram vítimas de armações da CIA para a desestabilização das frágeis democracias na América Latina. Muitos deles foram deslocados da condição nacional por todo tipo de armação. Aqui foi a Lava Jato, mas cada país tem sua peculiaridade.

Entretanto, mesmo a esquerda reformista continua insistindo em rotular os países que resistem aos golpes yankees como “ditaduras”, mesmo quando o sistema eleitoral da Venezuela é o mais vigiado do mundo e o de Cuba opere num circuito muito mais sociocrático do que democrático (portanto, superior, ao meu juízo). Aliás, em Cuba a política é uma atividade de voluntariado, sem proventos, e nenhum participante das decisões pode pertencer ao partido comunista de Cuba.

Todos estes países – Nicarágua, Venezuela e Cuba – sofrem há muitos anos risco de ruptura IMEDIATA de sua soberania, seja por grupos de traidores financiados pelos Estados Unidos, seja por invasão militar direta. Na Venezuela, há alguns poucos anos, houve um atentado por drone contra Maduro, intentonas fajutas lideradas por Guaidó e uma invasão por mar onde espiões foram capturados pelos pescadores armados das brigadas revolucionárias.

Em Cuba nem se fala (só Fidel sofreu mais de 60 atentados), pois há poucos dias houve outra tentativa de um falso “movimento popular” que na verdade respondia a interesses de Miami. A Coreia do Norte, não fosse sua bomba nuclear, já teria sido varrida do mapa pelos americanos.

Pergunto: qual país na iminência de uma invasão (inclusive anunciada por Trump, no caso da Venezuela) permitiria eleições livres correndo o risco de ocorrer a vitória de um candidato populista que colocaria a soberania duramente conquistada a perder?

Se você responder “uma democracia europeia”, lembre que a Inglaterra suspendeu todas as eleições no período da guerra. E não foi só ela. Por quê?

Risco à segurança nacional, é a resposta que nicaraguenses, venezuelanos, cubanos, coreanos e ingleses dariam a essa pergunta. Por que então, em nome da segurança nacional, só os partidos que romperam com a dominação imperial são chamados de ditaduras? Enquanto isso, Cuba faz suas eleições livres há 60 anos. A Venezuela é o país com mais eleições com controle externo do mundo. A Coreia do Norte pouca gente sabe como funciona, mas ninguém aceitaria um biscoitinho de democracia sabendo que 1/3 da população do país foi morta pelos bombardeios americanos na guerra de independência. Uma eleição vale perder a soberania conquistada com a morte de uma terça parte do seu povo?

Quem arriscaria ver um candidato oportunista colocar a segurança destes países – Cuba, Coreia e Inglaterra – em jogo durante um período de guerra???
Não gosto de ditaduras, mas nesse continente SÓ OS AMERICANOS gostam, e eles estimularam a imposição delas em toda a América durante décadas. Aceitar – em nome da democracia – que eles voltem a nos cabrestar é ingenuidade suicida.

O erro de Dilma no seu excesso de republicanismo não pode voltar a ocorrer.
Por isso mesmo sou da turma que aceita dar porrada nos facho. Um dia eu tive que dizer ao meu filho (escondido da mãe) que se batessem nele na escola ele poderia sentar o braço no seu agressor. Não queria um filho Gandhi; preferia um filho Ernesto. Existe um limite para a não-violência.

Pense bem: não fosse a resposta dura dos insurgentes chineses a China continuaria até hoje o bordel da Europa e uma produtora de matérias primas para seus patrões brancos europeus. Talvez estivesse fragmentada em 4 ou 5 países controlados pelos gringos. Não fossem Fidel, Camilo Cienfuegos e Che, Cuba seria ainda hoje a ilha de Hemingway, cheia de puteiros e morenas do balacobaco, produzindo açúcar e miseráveis. Ok, talvez produzisse alguns jogadores de beisebol, como a pobre República Dominicana. A Coreia do Norte seria como a do Sul: dinheiro e sucesso para poucos, convivendo com a miséria dos trabalhadores explorados batendo recordes de suicídio.

Não fosse por uma luta insana e corajosa contra o Império e estes países seriam o que o Brasil é hoje: o quintal dos gringos. A culpa é nossa, pois foi nossa frouxidão que elegeu um canalha genocida.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Seria pior com eles…

Aliás, este é um truque já foi utilizado para a ditadura de 64, mas passados mais de meio século é o mesmo que se usa ainda hoje. A fórmula é simples: cria-se um governo brutal e ditatorial, violento, sem respeito com minorias, levado a cabo por militares, concentrador de renda, destruidor de pequenos negócios, corrupto, defensor de milicos e a favor dos grandes empresários e bancos.

Quando depois de algum tempo apontamos todos esses erros e crimes a resposta absurda e ilógica é dizer: “se a oposição tivesse ganho seria muito pior” e passam a listar uma série de fantasias tiradas das “vozes em suas cabeças” dizendo que o grupo golpeado pela ditadura destruiria famílias, faria troca de sexo em crianças, distribuiria mamadeira de pirocas, seria uma Cuba ou Venezuela, estaríamos todos em campos de concentração laboral e seríamos obrigados a comprar os kits gay.

E tudo isso sem qualquer embasamento e sem nenhuma conexão com a realidade. Pior, dizem isso sabendo que quando o PT esteve no governo NADA DISSO OCORREU, e tivemos o período de maior crescimento da história desse país, com pleno emprego e uma imagem internacional positiva e otimista. Pagamos a dívida externa, tiramos milhões da miséria e deixamos 380 bilhões de dólares em caixa.

Esta tática de imaginar o que teria acontecido é uma fórmula para justificar QUALQUER CRIME OU ABUSO, dizendo que se a alternativa ao arbítrio fosse utilizada estaríamos muito pior. Não creio que podemos continuar aceitando esse tipo de falácia a conduzir os debates para a reconstrução do Brasil após o desastre do neoliberalismo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Venezuela

Pois eu pergunto se a eleição do partido do presidente Maduro, nas repetidas consultas populares, por acaso não é democrática? Qual o sentido em desmerecer os pleitos realizados durante o período que se inicia com Chavez? Nesta última eleição mais de 200 observadores internacionais convidados participaram da fiscalização e garantiram a justeza do resultado. Por que insistimos em questionar a voz das urnas?

Por que não reconhecer o óbvio: os lobos do capitalismo querem o petróleo da Venezuela – a maior reserva do planeta – e que tudo o que está acontecendo é, de um lado, uma tentativa de rapina desse tesouro e, por outro lado, o desejo do povo organizado de defender sua soberania. Acha mesmo que os relatos da imprensa brasileira (a mesma que esta semana esquece Queiroz e põe uma suposta amante de Lula na capa da IstoÉ) e relatos isolados podem nos informar o que está verdadeiramente ocorrendo? Por que nunca chamamos os chefes de Estado da Arábia de “ditadores sanguinários”, mas sim o presidente da Venezuela, o qual foi ELEITO DEMOCRATICAMENTE?

A solução é voltar ao modelo entreguista pré-Chavez? Ou realizar eleições? Quem sabe propor uma constituinte? Opsss, tudo isso a revolução já fez. E o povo organizado votou por manter os ideais da revolução bolivariana. Ou não?

É óbvio que existem erros e excessos na Venezuela, ninguem tem dúvida sobre isso, mas também havia na Inglaterra durante a guerra contra o eixo. As eleições foram abolidas nesse período mas ninguém ousa chamar Churchill de “ditador”, não?

Pois o presidente da Venezuela sofreu um atentado há algumas semanas!! O presidente americano deixou claro que uma solução bélica está sendo estudada. O Brasil acena com uma base americana nessa fronteira e o “nosso” “presidente” diz que fará tudo para derrubar o governo de Maduro. O país está sendo ameaçado interna e externamente. A Venezuela está sob embargo americano, como Cuba. Acha que é hora de republicanismo? Churchill não entrou nessa, por que Maduro entraria?

Por que podemos dizer que o que estamos vendo nas repetidas eleições de Maduro não é exatamente a resistência da sociedade civil contra a ameaça de golpe com a finalidade de se apoderar das reservas de petróleo? Será que os exemplos da Líbia, da Síria e do Iraque não tem NADA A NOS ENSINAR? Não dá para perceber o MESMO ROTEIRO de fomentar uma dissidência interna, desestabilizar o país, criar milícias e guerras campais, manifestações violentas nas ruas e forçar uma queda do governo colocando um testa de ferro pró americano? Olhe como aconteceu no Oriente médio!!!! Só não aconteceu na Síria pela intervenção russa, e o mesmo se desenha agora na Venezuela. A Venezuela resiste a uma invasão!!!!!

A resposta seria como? Sendo republicano e democrático como foi o PT, permitindo o aparelhamento do judiciário pela pior corja de juízes que já tivemos? Aceitando o julgamento falso de Lula que o impediu de ser democraticamente eleito? Ou deveriam os venezuelanos ir às ruas, apoiar o projeto nacionalista de Maduro pela garantia da autonomia do país, mesmo correndo o risco de cometer abusos e exageros?

E o PT? Deveria se associar à Colômbia, Brasil, EUA e Argentina – dominados por governos alinhados aos americanos – ou defender a DEMOCRACIA que elegeu Maduro, a mesma que nos faltou para eleger Lula?

Estou fazendo perguntas porque não sou venezuelano e não tenho todas as respostas. Apenas acho que a condenação peremptória do governo da revolução bolivariana pelo filtro que recebemos da imprensa golpista – um lixo insuperável no mundo inteiro – não me parece justo.

Quer saber o que é a Venezuela hoje, sob ameaça constante de ataques internos e externos? É o Brasil se Haddad tivesse vencido. Se você fosse venezuelana seria correto condenar o governo do PT e de Haddad se tudo que soubesse do Brasil fosse pelas capas da Veja e da IstoÉ? Pense nisso….

Gostaria que os democratas me dessem soluções para a crise da Venezuela. Com todo o respeito, informes anedóticos não me tocam, em especial de gente da classe média que saiu de lá. Precisa mais consistência e abrangência para me convencer. A crise de lá é terrível, disso não há dúvida alguma, mas alguém me explique por qual via um golpe de Estado patrocinado pelos americanos ávidos por petróleo poderia melhorar a situação. Como? O Iraque melhorou? A Síria melhorou? Como está a Líbia e seu petróleo agora? Nas mãos de quem? Podemos acreditar na imprensa que descrevia Gaddafi – nacionalista – como o diabo sanguinário encarnado? Ou podemos aprender que tudo isto é PROPAGANDA GOLPISTA?

E por último, descrever a “opulência” da vida do ditador – que foi visto num restaurante chique numa visita oficial – é uma estratégia absurda que foi usada contra Castro e contra Lula milhares de vezes. Isso é apenas baixaria e fofoca.

Quero soluções que passem pela democracia e pela proteção da autonomia e da soberania do país. Quem tem?

1 comentário

Arquivado em Política

Fuga da Venezuela?

Uma recente publicação (veja aqui) avalia os fluxos migratórios entre países da América Latina e a Venezuela é os achados brutos demonstram que mais brasileiros, argentinos e colombianos atravessaram as fronteiras em direção à Venezuela do que o oposto. Isso confronta diretamente a tese de que existe uma “fuga” maciça do “bolivarianismo venezuelano” e de que haja uma “catástrofe humanitária” ocorrendo com nosso vizinho. Uma recente visita de um alto funcionário das Nações Unidas desmente peremptoriamente a ideia de que haja uma tragédia em curso (veja aqui)

Mais uma pedra sobre a falácia da “crise humanitária” Venezuelana e uma prova cristalina da manipulação das informações que nos chegam através do cartel de mídias brasileiras. Isso lembra a Guerra Fria e os “informes de Moscou” onde tudo que chegava a nós sobre o comunismo era distorcido e manipulado. Felizmente hoje existe a Internet e os mecanismos de avaliação mais abrangentes do que efetivamente ocorre.

Crise humanitária? Um terço da população AMERICANA vive abaixo da linha da pobreza. O capitalismo está nos seus estertores, conforme a exata previsão de Marx —> o movimento do capitalismo é para a periferia deixando seus próprios países com um vazio de empregos, o que resulta em sentimentos ódio aos imigrantes e a eleição de “salvadores” populistas e proto-fascistas (como nos Estados Unidos). Os ricos ficam mais ricos com o pagamento mínimo de trabalhadores periféricos, mas com o tempo os produtos produzidos não podem ser mais comprados pelos trabalhadores desempregados ou descapitalizados. A crise é inevitável, mas a situação se mantém pela propaganda e pela obstrução (temporária) da verdade.

Os bodes expiatórios acabam sendo criados baseados em oportunismo e interesses, quando em verdade o problema é a própria estrutura capitalista da sociedade.

O capitalismo disfuncional termina por colocar o cidadão insatisfeito diante de um dilema: combater os fantasmas criados pelo capitalismo decadente (a corrupção, a criminalidade, os imigrantes, os petralhas, o comunismo, os sindicatos) que, apesar de existirem e muitas vezes serem problemáticos, NÃO SÃO a origem dos problemas estruturais pelos quais passamos, ou olhar para o envelhecimento e a senescência de um modelo de três séculos que mostra sinais de falência sistêmica. É mais fácil procurar a chave perdida sob a luz da lamparina do que procurá-la onde verdadeiramente se encontra: na escuridão dos modelos que valorizam o capital em detrimento do sujeito.

Enquanto isso nós continuamos a pregar em favor de um modelo doente terminal com argumentos saídos dos gibis do Capitão América.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Dilema da Venezuela

No conflito venezuelano as oposições reclamam dos ataques aos direitos humanos. Entretanto, as táticas que usam (entre elas queimar chavistas na rua) nada tem de respeitosas. Quando o conflito entra nesse nível é impossível cobrar de um lado que seja nobre e compreensível enquanto seu oponente usa de todas as estratégias antiéticas e assassinas para aniquilá-lo. “Não se negocia com a cabeça na boca do tigre”.

Neste conflito, assim como no da Síria (ambos movidos por petróleo), depois de avaliar as demandas e as circunstâncias, eu passo a régua perguntando quais os interesses do império. Tanto lá quanto aqui do lado, o império está com a oposição e aliado às oligarquias exploradoras entreguistas. Portanto, ainda é melhor se aliar ao lado que luta pela independência e pela autonomia, mesmo sabendo que o que fazem está muito além do aceitável.

Não precisamos ir muito longe. Não esqueçam que os movimentos contra Dilma começaram sincronizados com as descobertas do pré-sal, as conversas com o Irã e a formação dos BRICS, todas atitudes que desafiam o império. Aqui foi necessário apenas treinar jovens em instituições americanas para que fossem os líderes de movimentos aparentemente renovadores, quando na verdade repetem o mesmo “anticomunismo” com uma roupagem jovial. Não foi preciso colocar tropas na rua pois nosso pais tem uma classe política tão corrupta que permitiu que o golpe ocorresse sem derramamento de sangue. Fomos vencidos sem esboçar reação.

A Venezuela, por sua vez, não cairá sem luta. O que vemos lá é o mesmo choque entre aqueles que estão cansados da exploração contra os velhos capatazes do império.

Deixe um comentário

Arquivado em Política, Violência