Arquivo da tag: coragem

Dia da Morte

Voltando aos clássicos, nesse tempo de aprisionamento, me deparo com a fantasia de Jacob no livro “Le Palais du Haine” de Jules Marie-Vermont. Sua ideia de morte sempre me seduziu e, desde que li essa passagem na adolescência, imaginei minha morte seguindo um roteiro muito parecido.

“- Eu sei como seria o meu jeito escolhido de morrer, disse Jacob enquanto comia um pedaço de pão dormido com a manteiga que Daliah havia deixado sobre a mesa.

– Mal posso esperar para saber, respondeu Hannibal sem desviar o olhar da lareira acesa à frente.

– Diga Jacob, diga para nós como pretende morrer. Quem sabe criamos coragem para lhe ajudar, continuou com seu habitual sarcasmo.

Jacob largou o pedaço de pão sobre a mesa e olhou para o teto do quarto, como se as imagens que descrevia estivessem projetadas sobre o madeirame corroído e sujo de fuligem

– Eu escreveria um texto contundente e acusatório contra o Rei, cheio de ofensas hepáticas e indignações intestinas. Não pouparia nem sua família imunda das minhas lanças de fogo; sua mulher nojenta, sua mãe estúpida e nem mesmo Estelle, sua concubina. Sairia no breu da madrugada colando meu ódio com cuspe em centenas de postes próximos ao Palácio. Depois, voltaria para cá, tomaria uma taça de Bourbon, colocaria minha melhor roupa, guardaria um canivete no bolso, deitaria nesta cama suja e aguardaria a chegada da guarda real para lutar minha derradeira batalha.

– Que lindo Jacob, que heroico, sorriu Hannibal fazendo um muxoxo debochado..

– Caído no chão, crivado de balas, ainda teria tempo para um sorriso. Olharia no rosto do soldado que chegasse primeiro, aquele que daria o tiro de piedade, e diria: “Toma aqui meu escarro de sangue. Sente o cheiro da minha pele queimada. Escuta o chiado do meu pulmão que se esvazia. Olha o sangue que pinta de rubro minha palidez. Aqui está um homem cujo ódio nenhuma bala pode matar. Ele seguirá depois que está carne apodrecer, e vai levar ao inferno aqueles que hoje riem de minha morte.”

Hannibal cortou o último pedaço de fumo e olhou seu amigo por cima do ombro. Ele sabia que a visão de Jacob poderia ser uma fantasia mórbida de glória, mas não estava longe de se tornar um dia verdadeira. Talvez mais próximo do que desejava”

Jules Marie-Vermont, “Le Palais du Haine” (O Palácio do Ódio), ed. Hachete, pág. 135

Jules Marie-Vermont nasceu em Calais, França, em 1947, apenas poucos anos após a vitória aliada na Europa na segunda guerra mundial. Passou sua infância próximo ao mar e junto aos escombros da Batalha de Dunquerque. Suas memórias mais remotas são angústias derivadas do desastre guerra, mas também dos sonhos de reconstrução. Estudou literatura na Universidade Lille Nord, na cidade de Lille. Escreveu basicamente contos, ensaios, crônicas e roteiros para a televisão. É um amante da ópera, em especial da obra de Jules Massenet (de quem dizia ter herdado o prenome) tendo escrito uma biografia do grande mestre francês da ópera. É casado com Dominique e tem dois filhos: Manon e Thais (nomes de óperas famosas de Massenet).

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Divisionismo

Esse é o divisionismo que me irrita. Grupos contra hegemônicos normalmente tem divisões internas, algumas relevantes e outras não. O feminismo se fragmenta, o movimento negro também e os LGBT também, o que não é necessariamente ruim, mas deve ser colocado em perspectiva quando existe uma luta comum a todos dentro do grupo, como o racismo, o patriarcado, a homo e transfobia, etc.

Essa é a tática, tão antiga quanto atual, e que ainda funciona: dividir para conquistar. Colocar mulheres contra si, negros odiando negros, latinos desprezando latinos, gays atacando outros gays.

No fim aparece alguém com coragem suficiente para desagradar uma parte do seu grupo em nome de fazer algo, dar um passo à frente e mudar a paisagem, elevando o debate para um novo patamar.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo

Concessões

“Uma lição de gente mais velha: nunca comemore as concessões dos opressores. Não existe avanço sem conquista e não existe conquista sem luta. Dádivas são efêmeras e dependem do outro; já as vitórias só se constroem com sacrifício e coragem.”

Bertrand Huffington, “Maximus”, Ed. Principle, pag. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Fortes

“Quando lemos sobre os 18 do forte e sua intentona revolucionária suicida é de estarrecer que, passados quase 100 anos, a macheza hoje se resume a ameaças e bravatas no Facebook. Não se faz mais homens de fibra como antigamente, e os ideais de justiça social são menos valiosos que um IPhone novo na caixa.”

Constantino Arruda, “História das Revoluções Fracassadas”, Ed. Hystos, pág. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Psicólogo

“Psicólogo é o sujeito que ousa chegar na beirinha para olhar o abismo de todos nós.”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos