Arquivo da tag: Freud

Sucesso

Raros são os grandes pensadores agraciados com a reverência e o respeito durante o transcorrer de suas curtas vidas. Entre eles meu pai sempre citava François Marie Arouet – Voltaire, que viveu em uma época turbulenta, no final do século XVIII, onde o parto da idade contemporânea estava prestes a ocorrer, e os estertores da idade moderna foram, por certo, precipitados por sua obra. Voltaire acreditava no valor superior da liberdade, única estrutura social que capacitaria o ser humano a expressar plenamente sua criatividade, sem sofrer interferências de caráter religioso ou moral. Voltaire muito escreveu contra o absolutismo e a favor da separação entre Igreja e Estado, ou seja, muito antes que essa ideia fosse disseminada ele pregava o Estado Laico. Acredito que essa ideia partiu da paixão que teve na Holanda por uma moça protestante, e o posterior ataque que sofreu por parte da Igreja, apenas por seu desejo de casar-se com ela. Desde então teve uma escrita muito dura com os poderes da Igreja pois, para ele, calar a expressão do contraditório seria um crime contra a livre expressão do pensamento, e um atraso para o progresso humano. Por isso merece nossa total reverência.

Todavia, ele era um galanteador incorrigível e alguém que teve uma vida cheia de fatos questionáveis, como sua relação com o comércio de escravos, jogos de azar e calúnias contra adversários, fatos que o levaram à prisão três vezes e o obrigaram ao desterro outras duas. Segundo Marilena Chauí os professores em sua época o classificavam como “Um rapaz de talento mas um patife notável”. Aliás, entre os vícios de Voltaire estava o consumo de café. Tomava 20 copos por dia, e chegou a beber 40 copos em uma ocasião.

Tivesse nascido hoje seria odiado pelo que é, e adorado pelo que escreveu. Estaríamos debatendo autor e obra, e muitos torceriam contra Voltaire pelo que ele foi, mesmo às custas de desprezar suas ideias sobre o valor primordial da liberdade. Qual seria hoje a opinião de Voltaire sobre a censura às redes sociais? Que diria ele sobre “discurso de ódio”, ou “liberdade plena de expressão”? Qual seria a recepção que teria do público? Seria “cancelado”? Creio que sim…

Apesar de ter um comportamento muitas vezes reprovável, Voltaire conseguiu ser admirado e desfrutou de sucesso pessoal ainda em vida. Todavia, esta é uma marcada exceção não apenas em sua época, mas na própria história da humanidade. A genialidade quase nunca oferece a notoriedade como prêmio. Os verdadeiros gênios precisam entender que os louros de sua obra serão inexoravelmente colocados sobre as lápides onde repousam para a eternidade. A glória de sua obra, via de regra, não é algo que conseguem usufruir.

Sigmund Freud teve muito pouco tempo de reconhecimento em vida, algo incomparável com o nível de rejeição e desprezo que sofreu das forças conservadoras da sociedade, em especial a corporação médica. Charles Darwin morreu solitário, tendo passado duas décadas trancado em sua casa, sem contato com o exterior, remoendo-se de tristeza pelos ataques que sofreu da Igreja. Galileu Galilei foi julgado, condenado à morte e, depois de sua famosa reconsideração, foi condenado à prisão domiciliar por heresia, onde morreu solitário e isolado. Apenas 360 anos após sua condenação, em 1992, as ideias do pensador italiano foram admitidas formalmente pelo Papa João Paulo II.

Nikola Tesla muito pouco auferiu de reconhecimento durante a sua vida; morreu pobre e pouco conhecido. Friedrich Nietzsche faleceu pobre, doente e ressentido. Sofrendo de transtornos mentais derivados, provavelmente, de sífilis terciária não tratada, ele morreu solitário aos 56 anos de idade, depois de quase uma década de vida vegetativa. Mas o próprio Nietzsche dizia que o verdadeiro gênio só tem sua obra reconhecida um século após sua morte. Em verdade, foi exatamente isso que aconteceu a ele. A verdadeira genialidade, aquela revolucionária e capaz de fazer transformações paradigmáticas na cultura, é irreconhecível aos olhos desarmados na época em que surge. Nos parece bizarra, estranha, ofensiva e, portanto, inaceitável. Somente após a lenta sedimentação dos seus valores e a incorporação das suas ideias mestras pela cultura é que o brilho escondido dos gênios pode se expandir.

Exigir a compreensão imediata de ideias que ofendem os paradigmas vigentes é uma aptidão para muito poucos. A maioria de nós prefere refugiar-se no conhecido, no certo, no comprovado e no seguro, ao invés de aventurar-se no novo, no desafiador e nas alternativas que nos fazem correr o risco inexorável que acompanha as verdadeiras novidades. As grandes mentes da humanidade sofrem da compulsão por romper estas barreiras, e bem o sabem o quanto destas ações serão incompreendidas e atacadas. Entretanto, fazem, e erram, e repetem, e continuam até que possam encontrar – mesmo que temporariamente – uma resposta que poderá – também por algum tempo – acalmar sua angústia.

As mudanças não ocorrem, são paridas lentamente através das contrações espasmódicas do pensamento humano. Para aceitá-las é necessário que exista um fator essencial: o tempo, que poderá digerir o conhecimento novo para que possa ser metabolizado com segurança por todos nós.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Um século de atraso civilizatório

Sim, sou da tese de que a homofobia é um fenômeno fortemente amplificado nos anos 70-80. Por certo que havia discriminação anterior a esta data, mas não do tipo que passou a ocorrer quando os gays resolveram assumir abertamente a sua orientação sexual. Antes disso eram eram tratados como doentes e degenerados, mas não eram uma ameaça a nossa “sexualidade normal”. Por esta razão foi possível no início dos anos 80, por exemplo, a criação aqui no sul da 1ª torcida (abertamente) gay do Brasil: A Coligay do tricolor gaúcho (formada pelo nome Coliseu, a boate que frequentavam, acrescido da palavra “gay”, que passava a assumir outro significado na cultura). Temo que, se esta torcida fosse criada hoje em qualquer clube brasileiro, ela ainda seria expulsa a pauladas do estádio.

Foi o “Stonewall Uprising” o fenômeno mais marcante da cultura gay na aurora dos anos 70. A boate Stonewall Inn, no Greenwich Village em Nova York, no dia 28 de junho de 1969 foi mais uma vez invadida pela polícia que, costumeiramente, batia e humilhava os frequentadores – em sua maioria homossexuais masculinos. Nestas “batidas policiais” os gays eram espancados, ilegalmente revistados e humilhados publicamente, demonstrando através da ação da polícia o ódio dissimulado aos gays. Os clientes eram presos temporariamente e os gerentes tinham a bebida confiscada. Entretanto, nesta madrugada de sábado, eles pela primeira vez reagiram. Fecharam a porta do estabelecimento, revidaram as agressões, bateram nos policiais com seus tamancos dourados e exigiram respeito à sua condição humana.

“Quando você viu um bicha revidar? Agora os tempos estão mudando; essa vai ser a última noite para essa porcaria acontecer”. Predominantemente, o tema era: “essa merda tem que parar!” (participante anônimo dos motins de Stonewall)

A partir de então os motins e manifestações de apoio à comunidade gay em Nova York se multiplicaram. Exigiam a liberdade de se encontrar sem serem humilhados, revistados e presos apenas por se vestirem com roupas do sexo oposto. As suas práticas e modos de vida eram toleradas apenas enquanto se escondiam no escuro da noite, em guetos, apartados da vida social e, em especial, longe das crianças. Leprosos e possuidores de uma doença contagiosa, eram dignos somente de pena. Todavia, com a emergência do “orgulho gay” e a reivindicação de cidadania por parte da comunidade, espalhou-se o vírus da insegurança, em especial entre aqueles cuja sexualidade conflituosa era motivo de tormentoso sofrimento silente. Em poucos anos esta nova consciência dos direitos gays se espalhou pelo mundo todo.

A saída do armário, entretanto, criou o contrafluxo brutal contra a manifestação pública da sexualidade, que fica evidente ainda hoje na fala dos conservadores: “Se quiser ser que seja, mas faça com discrição, não na frente de todos”. Ou seja: “não crie em mim esta angústia que me faz arder por dentro, e me consome de incertezas”. A visibilidade dos gays despertou os sentimentos recalcados em um contingente grande da população, o que, por sua vez, acabou gerando a homofobia como hoje a conhecemos.

O bolsonarismo nada mais é do que a organização desse desconforto sob uma sigla. Personagens como Bolsonaro e Damares, e sua fixação na temática sexual e na perversão, nada mais são do que a manifestação na sociedade deste sintoma social. O guru de ambos, Olavo de Carvalho era incapaz de falar três frases sem inserir descrições pormenorizadas de pênis e ânus – e o fatídico encontro entre eles. Portanto, a crítica à maior exposição das infinitas formas de manifestação sexual não se dá pelo medo da “degenerescência da sociedade” – apesar de ser este o slogan – mais do quanto essa manifestação desabrida da expressão do desejo sexual pode afetar a tão combalida sexualidade de quem dela secretamente desconfia. O que não é simbolizado retorna no real, e esse retorno do recalcado pode vir através da destruição do outro.

Freud tratou dessa questão há quase 1 século em seu texto “Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade”, onde deixava claro que a sexualidade nos humanos não é natural e que a orientação homoafetiva é tão problemática quanto a construção heterossexual, e que ambas não são infensas aos traumatismos. Mais ainda: essa construção é um processo de ordem subjetiva, e cada um de nós é o responsável único por dar conta dessa tarefa. Poucos autores foram tão atacados na história da cultura humana por suas palavras quanto Freud ao abordar a questão da sexualidade, em especial sua visão aberta e progressista sobre o afeto homoerótico. Tão avançado era que até hoje seus conceitos geram inquietude.

O que vemos hoje através dos adeptos do bolsonarismo – uma legião guiada pelo ressentimento – tem a gravidade de retroceder 1 século no processo civilizatório. Aceitar esse “retorno” aos conceitos e visões de mundo do século XIX serve apenas para reviver e promover o horror e a mentira que milhões de pessoas eram obrigadas a suportar apenas para dar conta de uma máscara social. O mundo precisa rejeitar o que este atraso significa.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Pensamentos

Freud e Bolsonaro

Eu escutei uma fala do Breno Altman que serve para entender o bolsonarismo e a razão pela qual a evidência de corrupção em toda família Bolsonaro não parece abalar seu núcleo duro de apoiadores. Em sua fala Breno contava sobre uma convenção fascista na Itália de Mussolini. Em determinado momento, após falas violentas e inflamadas, um ativista se vira para outro e pergunta:

– Certo, eu entendi. Temos ódio aos políticos, à própria política e às instituições podres e corrompidas da Itália. Odiamos o sistema e queremos destruí-lo com todas as nossas forças. Sabemos que somente a morte desse modelo poderá produzir uma Itália livre e poderosa. Mas, e depois? Preciso saber qual é o nosso plano.

Seu colega, mais experiente e conhecedor do âmago da proposta fascista, responde:

– Você não entendeu, seu tolo? É o ódio. O ódio é o nosso plano.

Sem Freud não há como entender Bolsonaro…

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Reencontro

Para os outros somos tão somente a imagem pálida e imprecisa do fantasma que carregam consigo e projetam sobre nós. Tudo em nós já existia, em semente, em nossos amores. Todo encontro é, em verdade, um reencontro.

Eugene Carriére, “Freud and Madame Bovary in a Train to Viena”, ed. Edmonton, pág. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Bateria

A bateria do meu velho carrinho faleceu, apesar dos nossos esforços paliativos. Descobri a loja mais próxima e telefonei perguntando se haveria bateria de 60 amperes. O jovem atendente confirmou e lá fui eu para trocar. Fui atendido por um jovem de 20 e poucos anos que me mostrou em um catálogo o tipo de bateria que eu precisava, mas lamentou pois havia se enganado.

Sim, a bateria estava em falta e a que eu precisava chegaria apenas no meio da tarde. Desculpando-se pela falha ele se comprometeu a levar na minha casa, já que eu estava com a Avinha e a Bebel e não teria como esperar.

Pediu meu endereço e se surpreendeu que éramos quase vizinhos, pois ele morava não mais de 500m da Comuna. Perguntou o que eu fazia e eu lhe disse que trabalhei 35 anos como obstetra. Nesse ponto, o dono da loja de baterias apontou para o jovem e falou orgulhoso:

– Esse meu filho está se formando em psicologia.

Surpreso, perguntei a ele o que pretendia fazer depois da graduação, e ele me respondeu sem titubear: “clínica psicanalítica”. Disse que estuda Freud e Lacan e pretende fazer pós graduação aqui mesmo em Porto Alegre. Conversamos sobre alguns dos meus professores daqui, como Alfredo Jerusalinsky, Contardo Calligaris, a psicanálise argentina e a APPOA. Por fim ele me disse que no momento estava fazendo estágio em clínica de crianças, que era o que pretendia fazer no futuro. Nos despedimos e voltei para casa. Agora estou aguardando a chegada da bateria.

Pergunto a você, que leu até aqui: quando você imaginaria que, ao procurar um lugar para trocar sua bateria arriada, seria atendido por um psicanalista?

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Maturidade

Baruch (Benedictus, depois da excomunhão judaica) Espinosa foi um pensador holandês do século XVII de extrema relevância, fazendo parte do grupo dos grandes racionalistas, onde constam Leibniz e René Descartes. Ocupou-se da teologia e da política, tendo abordado ambos os temas em seu grande livro “Ética”.

Espinosa, entretanto, morreu aos 44 anos de idade, vítima de tuberculose. Homem simples, sobrevivia como relojoeiro e polidor de vidros. Renunciou aos prazeres da vida em nome das virtudes do conhecimento, em especial depois de sua trágica e injusta excomunhão da vida judaica.

Eu ainda me lembro muito bem dos meus 44 anos, e nem faz tanto tempo. Entretanto, não recordo dessa idade com saudade, pois percebo o quanto minha mente amadureceu nos últimos 15 anos. Quando penso em sua partida prematura, às vezes me pergunto o que Espinosa teria escrito aos 60 ou 70 anos. Se aos 44 conseguiu deixar sua marca de excelência no mundo do pensamento, o que mais poderia ter feito se mais tempo estivesse entre nós?

Normalmente a obra “Interpretação de Sonhos”, de Sigmund Freud, escrita em 1900, é reconhecida e apontada como o divisor de águas de um período pré-psicanalítico anterior à sua obra centrada na psicanálise. Quando a escreveu Freud tinha…. 44 anos.

Assim, toda a construção da teoria psicanalítica, feita por um dos maiores gênios da humanidade, surgiu após sua maturidade, alcançada depois dos 44 anos, idade com a qual outro gênio, algumas centenas de anos antes, nos abandonava.

O que teria escrito um velho Espinosa? Nunca saberemos, mas certamente seria ainda mais profundo e maduro.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Tesouro

“As comprovações científicas esbarram na questão da subjetividade. Quando se pensa em terapia do sujeito as comprovações de larga escala perdem o sentido. Este, aliás, é o elo que conecta a homeopatia e a psicanálise, duas formas de entender o sofrimento humano de forma endógena, partindo de desacertos da energia vital para aquela e do inconsciente para esta.

A evidência das conexões entre nós psíquicos e sintomas orgânicos – sejam eles grosseiros ou sutis – são fatos cristalinos para quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir. As ligações de causas aparecem nas palavras, nos silêncios entre elas e nas derivações orgânicas superpostas. Como diria Freud, “o que o paciente traz como sintoma é seu verdadeiro tesouro”, e isso deveria nos levar a uma escuta tão respeitosa quanto a que temos diante do sagrado.

A descoberta do significado dos sintomas inscrito na subjetividade do paciente é uma revelação grandiosa, como um portal de entendimento cósmico do destino da natureza.”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Leçons de Mardi

“Uma jovem chegou em coma. A mãe dela avisou de cara que tinha brigado com o namorado e resolveu tomar um copo de manga com leite. De plantão, o cirurgião residente Delmonte Bittencourt, que viria a ser braço direito de Zerbini, pioneiro da cirurgia cardíaca no Brasil, tranquilizou-a:

– Não se preocupe. Recentemente, dois médicos alemães, Billie e Park, estudaram o veneno da manga com leite, e desenvolveram uma injeção que temos aqui.

Aplicou-lhe, então, uma pequena dose de soro glicosado, e a moça recuperou-se em um segundo, serelepe. A mãe cobriu o médico de beijos, agradecida. Assim, os médicos do Pronto Socorro adotaram a expressão Billie e Park (piripaque) em vez do HY (histeria) para os casos de exagerada reação psicossomática, relata o professor Meirelles no Suplemento Cultural da APM.”

Apesar da genealogia duvidosa da palavra “piripaque” (creio mesmo que a palavra já existia e os médicos do Pronto-socorro a usaram para fazer uma brincadeira com o som de dois nomes americanoides) ela demonstra de forma muito clara a crueldade e o desrespeito ancestral que os médicos sempre tiveram com os sintomas emocionais dos pacientes, em especial os fenômenos histéricos. Essa sempre foi a regra em salas de emergência, e pelo visto os relatos são muito semelhantes com os que escutamos ainda hoje: escárnio, deboche, ironia e uma postura de tola superioridade do discurso médico, caracteristicamente pedante, empolado e cientificista. Ao invés de acolher – o que se esperaria de quem respeita a dor alheia – o tratamento se baseia ainda hoje na infantilização do paciente, com procedimentos agressivos, discursos falsos e falas enganosas, mas que servem para ludibriar os pacientes e suas famílias, cujas doenças e sintomas de caráter psíquico desconhecemos o sentido, a historia e seu mecanismo de ação.

“O médico se aproxima lentamente da paciente que jaz imóvel sobre a maca. Seu corpo esquálido comprime o colchonete de curvim surrado que o sustenta abaixo, onde as mãos, como garras, o prendem na maca. Os músculos do rosto retesados e as pálpebras fechadas tremem e enchem de vincos a cobertura dos olhos, enquanto sua respiração vem como um gemido a se misturar com os barulhos estridentes da pequena sala de atendimentos. O médico, parado como um totem ao seu lado, lhe aplica um beliscão no externo, sem que ela pareça reagir. Incomodado com a inação da paciente, olha para a enfermeira e pede que lhe traga “flor de maçã”. Volta o rosto para mim e com um sorriso sarcástico dispara “Quero ver até aonde vai esse espetáculo”. Havia um certo ódio em seu rosto, ainda absolutamente incompreensível.”

A histeria, no conceito freudiano, sempre foi assim tratada nos hospitais de pronto atendimento. Quando eu era estudante de medicina e passava por tais ambientes, os beliscões em pacientes “falsamente desmaiadas” e a “flor de maçã” (um composto extremamente cáustico a base de amoníaco) eram os instrumentos mais utilizados para retirá-las da “simulação” que nos apresentavam. Para nós, seus sintomas não eram “verdadeiros”, como um corte na cabeça ou um braço quebrado; eram mentiras que escondiam suas histórias, simulações grosseiras e encenações grotescas. Era assim que pensávamos, não muito distantes dos conceitos machistas e desrespeitosos do prof. Charcot em sua clínica em Salpêtrière, onde Freud elaborou os primeiros passos de sua teoria da histeria e, por fim, as bases da própria psicanálise.

Tanto quanto a exuberância enigmática dos sintomas histéricos, chama a atenção a resistência em reconhecê-los como sintomas verdadeiros, sofrimento legítimo e manifestação de desequilíbrio do sujeito. Apesar da distância que nos separa das “Leçons de Mardi” onde Freud escutava atentamente as aulas de neurologia de Charcot, nosso medo e ignorância sobre a corporificação de conteúdos afetivos ainda nos causa medo e repulsa.

Mais ainda, nossa reação a um corpo de mulher “descontrolado”, sem prumo, retorcido ou inerte nos angustia exatamente por sabermos, mesmo que de forma intuitiva, que este corpo cruamente erotizado está além de nossa compreensão e controle. Um corpo de mulher livre das amarras sociais e morais é uma ameaça ao patriarcado.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Falsos brilhantes

Eu não sou brilhante, por certo, e jamais chegarei perto disso. Entretanto, nunca encontrei um professor ou um colega de faculdade que merecesse esse nome. Em minha vida fui cercado de medíocres, alguns bem-intencionados e dedicados.

Mas vejam; não falei em excelentes ou bons; falei em brilhantes. Meu conceito de brilhante é muito diferente do que trabalhar no exterior ou entrar nas melhores universidades. Nem mesmo ser culto ou inventivo. Meu conceito de “brilhante” está bem fora desse espectro. Muitos que nós descrevemos como “gênios”, “especiais” ou “fora de série” são basicamente sujeitos que fizeram o que se espera de um profissional normal usando os inúmeros privilégios que recebeu da vida.

Aliás, o brilhante, via de regra, passa despercebido. Ninguém o reconhece como tal; quando se faz notar é para ser perseguido, porque via de regra está fazendo ou dizendo algo que seus iguais não querem fazer ou ouvir. Ignaz Phillip Semmelweis, Nietzsche, Freud, Darwin e Marx jamais foram agraciados com prêmios e condecorações pelo trabalho inovador que realizaram, o qual produziu profundo impulso na ciência; pelo contrário, foram todos – sem exceção – vítimas do preconceito.

Ignaz Phillip foi expulso de Viena pelo crime de estar certo sobre as mortes puerperais; Marx passou fome enquanto mudava o mundo ao seu redor, Darwin foi excomungado e passou anos trancado em seu quarto (como Galileu e Espinoza); Freud foi renegado e humilhado pelos idiotas da corporação de Viena enquanto Nietzsche era expulso de Heidelberg pelas suas ideias inovadoras.

Todos foram verdadeiramente brilhantes, e a prova disso é o fato de ainda os citarmos, mesmo depois de mais de um século ter se passado desde que aqui chegaram. Todavia, nenhum dos seus contemporâneos a quem muitos chamaram de “geniais” – mesmo sendo medíocres – deixaram seus nomes na história. Ninguém conhece o bispo “genial” que perseguia Darwin, o reitor que expulsou Nietzsche, o médico que cuspiu em Freud, o capitalista que escarnecia de Marx ou o diretor (Dr Klein) que mandou Semmelweis de volta para Budapeste para lá sucumbir à loucura.

E a razão para isso é simples: o verdadeiro gênio passa incólume pelo nosso olhar. Só as falsas luzes brilham para aqueles que, como nós, só enxergam o que lhes seduz. O ser verdadeiramente brilhante só tem seu brilho reconhecido muito depois de nos deixar.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Gênios

“Todos os grandes gênios da humanidade mostraram a pequenez do ser humano, e por isso não podiam ser perdoados. Atacar nossa autoestima é um crime grave. Copérnico o fez ao mostrar que não somos o centro do universo, Darwin por provar que não somos o centro da natureza e Freud por mostrar que não somos guiados pela razão, mas por uma constituição psíquica tripartite, onde os motores principais de nossas ações se encontram nos calabouços do inconsciente. Já Marx mostrou que somos governados pela história e pelas forças de choque entre as classes, as quais produzem mais efeitos na sociedade e na cultura do que os avanços científicos.

Os grandes gênios são necessariamente incompreendidos, atacados, segregados e difamados. Portanto, como regra geral, se as suas ideias fazem muito sucesso é apenas porque suprem necessidades momentâneas. Como diria Nietzsche, “um gênio verdadeiro só é compreendido após a passagem de um século”, e não há como fugir muito dessa regra”.

Rudolph Schlitzer, “The Quantum of Transformation”, Ed. Borromeo, pag. 135

Rudolph Schlitzer é um físico, professor universitário e escritor austríaco, nascido em Viena em 1932.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações